1968: FRANÇA, MAIO E NÓS – CINQUENTA ANOS DEPOIS

Autores

  • Ivan Domingues Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

maio de 68 na França, contexto do grande sismo, implicações filosóficas, comparação com o 68 norte-americano, legados do maio francês, maio de 68 cinquenta anos depois

Resumo

O artigo visa reconstituir as grandes linhas do maio de 68 francês e suas repercussões no Brasil, depois de passados exatos cinquenta anos. Quatro são os tópicos recobertos: [i] buscar o embasamento do grande sismo no interior do próprio movimento, numa análise contextual voltada tanto para os entes coletivos diretamente ligados ao grande acontecimento (coletivo 22 de março, etc.), quanto para suas lideranças e sua liderança inconteste: Cohn-Bendit; [ii] recensear as principais interpretações fornecidas pela intelectualidade francesa, ao perguntar pelo sentido ou o significado do mês famoso, a exemplo de Morin, Castoriadis, Lefort, Aron e outros; [iii] indagar pelas implicações filosóficas do ano de 1968, na linha de John Searle em The Campus War, tendo por foco Berkeley, o 68 norte-americano e a Califórnia, bem como, no tocante à Paris e à intelligentsia francesa, na linha p.ex. de Alain Renault e Luc-Ferry em O pensamento de 68, e no mesmo passo inquirir o que a filosofia poderia dizer sobre 1968 e o maio famoso; [iv] e perguntar como 68 me interpela ontem, nos anos 70, quando estudante na velha FAFICH, na Rua Carangola, e hoje, 50 anos depois, frente à pergunta qual é o 68 que venceu: o de Berkeley e da Califórnia; o da França e de Paris.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

COHN-BENDIT, D. “Nós que amávamos tanto a revolução”. São Paulo: Ed. Brasiliense,

______. “Forget 68 (Entretiens)”. La Tour d’Aigues: Editions d’Aube, 2008.

DOSSE, F. “Deleuze e Guattari: Biografias cruzadas”. Porto Alegre: Artmed, 2010.

DELEUZE, G & GUATTARI, F. “Mai 68 n’a pas eu lieu”. In: “Chimères”, 2007.

FERRY, L. & RENAULT, A. “La pensée 68: Essai sur l’antihumanisme contemporain”. Paris: Folio, 1988.

LIPOVETSKY, G. “L’ère du vide: Essai sur l’individualisme contemporain”. Paris: Gallimard, 1983.

MARCUSE, H. “A grande recusa hoje”. Petrópolis: Vozes, 1999.

MORIN, E. et al. “1968 – A brecha”. São Paulo: Autonomia Literária, 2018.

RICOEUR, P. “A crítica e a convicção”. Lisboa: Edições 70, 2009.

SEARLE, J. “The Campus War: A Sympathetic Look at the University in Agony (Political commentary)”. Cleveland: World Publishing Company, 1971.

VENTURA, Z. “1968: O ano que não terminou”. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

______. “1968: O que fizemos de nós”. São Paulo: Editora Planeta, 2009.

Downloads

Publicado

2021-01-28