AGARRAR O DIA:

CORPO, HISTÓRIA E PRESENÇA DE ESPÍRITO EM WALTER BENJAMIN

Autores

Palavras-chave:

Presença de espírito, Corpo, História, Vivência do choque, Perigo, Estética

Resumo

O presente artigo debruça-se sobre o papel que o conceito
de “presença de espírito” (Geistesgegenwart) desempenha no pensamento de
Walter Benjamin, aprofundando linhas de interpretação que se articulam com
outros conceitos relevantes, como os de “atenção” (Aufmerksamkeit) ou “tempo
do agora” (Jetztzeit). São analisados os elementos da obra de Benjamin que
desenvolvem a importância filosófica da presença de espírito, sublinhando-se
a sua dimensão corpórea e a sua pertinência estética e crítica. A análise incide
sobre cinco linhas de interpretação que de diferentes modos se entrecruzam:
(i) a presença de espírito é uma forma de pensamento/acção que deve ser cultivada como modo de lidar com a vivência do choque; (ii) ter presença de
espírito é uma atitude que pode ser exercitada; (iii) “agarrar o dia” envolve
o corpo e pressupõe uma experiência do tempo intensivo; (iv) a presença de
espírito é uma instância conceptual que integra elementos relativos ao jogo;
(v) valorizando o presente, a presença de espírito implica uma relação entre
perigo e gesto crítico – na reflexão histórica e política de Benjamin, esse gesto
entrelaça a dimensão individual e a dimensão colectiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, G. “Infância e história: destruição da experiência e origem da história”. Trad. H. Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

BAUDELAIRE, C. “As Flores do Mal”. Trad. F. P. Amaral. Lisboa: Assírio e Alvim, 1998.

BENJAMIN, W. “A modernidade”. Trad. J. Barrento. Lisboa: Assírio e Alvim, 2006.

______. “A obra de arte na época da sua possibilidade de reprodução técnica” (terceira versão). (2006a). In: W. Benjamin, 2006, pp. 207-241.

______. “A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica” (segunda versão). Trad. F. P. Machado. Porto Alegre: Zouk, 2014.

______. “A Paris do Segundo Império na Obra de Baudelaire”. (2006b). In: W. Benjamin, 2006, pp. 9-102.

______. “As passagens de Paris”. Trad. J. Barrento. Lisboa: Assírio e Alvim, 2019.

______. “Ensaios sobre literatura”. Trad. J. Barrento. Lisboa: Assírio e Alvim, 2016.

______. “Gesammelte Schriften”. Vols. I-VII. Ed. R. Tiedemann e H. Schweppenhäuser. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1991.

______. “Imagens de pensamento”. (2004a). In: W. Benjamin, 2004, pp. 123-258.

______. “Imagens de pensamento”. Trad. J. Barrento. Lisboa: Assírio e Alvim, 2004.

______. “O anjo da história”. Trad. J. Barrento. Lisboa: Assírio e Alvim, 2010.

______. “Para um retrato de Proust”. (2016a). In: W. Benjamin, 2016, pp. 312-328.

______. “Rua de sentido único”. (2004b). In: W. Benjamin, 2004, pp. 7-69.

______. “Sobre alguns motivos na obra de Baudelaire”. (2006c). In: W. Benjamin, 2006, pp. 103-148.

______. “Sobre o conceito da História”. (2010a). In: W. Benjamin, 2010, pp. 9-20.

DUTTLINGER, C. “Between Contemplation and Distraction: Configurations of Attention in Walter Benjamin”. German Studies Review, Vol. 30, No. 1, 2007, pp. 33-54.

ESPINOSA, B. de “Ética”. Trad. D. P. Aurélio. Lisboa: Relógio D’Água, 2020.

FOUCAULT, M. “Dits et Écrits (vol. IV: 1980-1988)”. Paris: Gallimard, 1994.

______. “Qu’est-ce que les lumières?”. (1994a). In: M. Foucault, 1994, pp. 562-578.

FRANCE, A. “Le jardin d’Épicure”. Paris: Calmann Lévy, 1895.

GAGNEBIN, J. M. “Atenção e dispersão: elementos para uma discussão sobre arte contemporânea a partir de Adorno e Benjamin”. (2014a). In: J. M. Gagnebin, 2014, pp. 99-119.

______. “História e Narração em Walter Benjamin”. São Paulo: Perspectiva/FAPESP; Campinas SP: UNICAMP, 1994.

______. “Limiar, aura e rememoração”. São Paulo: Editora 34, 2014.

GILLOCH, G. “Myth and Metropolis: Walter Benjamin and the City”. Oxford: Polity Press, 1997.

LISKA, V. “Walter Benjamin’s Dialectics of Attentiveness”. Symposium: A Quarterly Journal in Modern Literatures, Vol. 65, No. 1, 2011, pp. 16-24.

MACHADO, F. P. “Imagem e consciência da história: pensamento figurativo em Walter Benjamin”. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

MENKE, B. “Sprachfiguren: Name – Allegorie – Bild nach Walter Benjamin”. München: Fink Verlag, 1991.

MOLDER, M. F. “O Químico e o Alquimista. Benjamin, leitor de Baudelaire”. Lisboa: Relógio D’Água, 2011.

NITSCHE, J. “Walter Benjamins Gebrauch der Fotografie”. Berlim: Kadmos, 2010.

OPITZ, M., WIZISLA, E (eds.). “Benjamins Begriffe”. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 2000.

RICHTER, G. “Walter Benjamin and the Corpus of Autobiography”. Detroit: Wayne State University Press, 2000.

SIMMEL, G. “As Metrópoles e a Vida Mental”. (2004a). In: G. Simmel, 2004, pp. 75-94.

______. “Fidelidade e Gratidão e Outros Textos”. Trad. M. J. C. Pereira e M. Knoch. Lisboa: Relógio D’Água, 2004.

SYMONS, S. “Walter Benjamin, Presence of Mind, Failure to Comprehend”. Leiden/ Boston: Brill, 2013.

WAIZBORT, L. “As aventuras de Georg Simmel”. São Paulo: Editora 34, 2000.

WEBER, T. “Erfahrung”. (2000a). In: M. Opitz und E. Wizisla (eds.), 2000, pp. 230-259.

WEIDMANN, H. “Geistesgegenwart: Das Spiel in Walter Benjamin’s Passagenarbeit”. MLN, Vol. 107, No. 3, 1992, pp. 521-547.

WEIGEL, S. “Body-and image-space. Re-reading Walter Benjamin”. Trad. G. Paul, R. McNicholl and J. Gaines. London: Routledge, 1996.

Downloads

Publicado

2022-08-30

Como Citar

Conceição, N. (2022). AGARRAR O DIA:: CORPO, HISTÓRIA E PRESENÇA DE ESPÍRITO EM WALTER BENJAMIN. Revista Kriterion, 63(152). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/kriterion/article/view/34519

Edição

Seção

Artigos