AGAMBEN E FOUCAULT

EXPLORANDO OS LIMITES DESSA APROXIMAÇÃO A PARTIR DO TEMA DO ‘DESTITUINTE’

Autores

Palavras-chave:

Giorgio Agamben, Michel Foucault, Destituinte, Poder, Potência, Ética

Resumo

A obra de Giorgio Agamben é marcada por constantes referências aos trabalhos de Michel Foucault, de modo que esse figura como um importante marco teórico para aquele. Entretanto, um esforço de aproximação dos dois autores se mostra deveras problemático à medida que se percebe que o filósofo italiano opera certas categorias metodológicas e conceituais fundamentais ao pensamento foucaultiano de maneira radicalmente distinta do filósofo francês. Tal incompatibilidade se apresenta com maior clareza quando
nos propomos a explorar o tema do ‘destituinte’ na obra agambeniana, a partir do qual ontologia, política e ética se entrecruzam desvelando as diferenças entre os dois filósofos. Assim, para expor os limites dessa aproximação, primeiramente serão exploradas as distinções metodológicas entre os dois autores na abordagem do problema do ‘poder’, bem como a maneira como o conceito se formula na obra de cada um deles. Na sequência, serão apresentadas as linhas gerais da ‘ontologia modal’ e da ‘ética da inoperosidade’ agambenianas com o fim de explicitar ao final, à guisa de conclusão, a divergência entre as saídas éticas propostas por Foucault e Agamben em seus trabalhos tardios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, G. “Ideia do poder”. In: Ideia de prosa. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 1987. pp. 61-62.

______. “Ideia de prosa”. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 1987.

______. “A potência do pensamento”. Trad. Carolina Pizzolo Torquato. Revista do Departamento de Psicologia, Vol. 18, Nr. 1, 2006, pp. 11-28.

______. “Homo sacer: o poder soberano e a vida nua”. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2007.

______. “O que é um dispositivo?” In: O que é o contemporâneo e outros ensaios. Trad. Vinícius Nicastro Honesko, Chapecó: Argos, 2009a. pp. 25-54.

______. “O que é o contemporâneo e outros ensaios”. Trad. Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó: Argos, 2009b.

______. “Arqueología filosófica”. In: Signatura rerum. Sobre el método. Trad. Flavia Costa e Mercedes Ruvituso. Barcelona: Editorial Anagrama, 2010a. pp. 109-150.

______. “Signatura rerum. Sobre el método”. Trad. Flavia Costa e Mercedes Ruvituso. Barcelona: Editorial Anagrama, 2010b.

______. “O reino e a glória”. Trad. Selvino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2011.

______. “Por uma teoria do poder destituinte”. 2014. Disponível em: https://5dias.

wordpress.com/2014/02/11/por-uma-teoria-do-poder-destituinte-de-giorgio-agamben/(Acessado em 05 de fevereiro de 2022).

______. “Notas sobre a política”. In: Meios sem fim. Notas sobre a política. Trad. Davi Pessoa, Belo Horizonte: Autêntica, 2015a. pp. 53-56.

______. “Meios sem fim. Notas sobre a política”. Trad. Davi Pessoa. Belo Horizonte: Autêntica, 2015b.

______. “O uso dos corpos - Homo sacer, IV. 2”. Trad. Slevino J. Assmann. São Paulo: Boitempo, 2017.

BENJAMIN, W. “Para uma crítica da violência”. In: Escritos sobre mito e linguagem (1915-1921). Trad. Susana Kampff Lages e Ernani Chaves. São Paulo: Editora 34, 2011a. pp. 121-156.

______. “Escritos sobre mito e linguagem (1915-1921)”. Trad. Susana Kampff Lages e Ernani Chaves. São Paulo: Editora 34, 2011b.

COLLADO, F. G., MATOS, A. S. M. C. “Más allá e la biopolítica: biopotencia, bioarztquía, bioemergencia”. Girona: Documenta Universitaria, 2020.

DREYFUS, H., RABINOW, P. “Michel Foucault: uma trajetória filosófica para além do estruturalismo e da hermenêutica”. Trad. Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FOUCAULT, M. “História da sexualidade: a vontade de saber”. Trad. Maria Thereza da Costa Alburqueque e J. A. Guilhon Albuquerque. 13a ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

______. “Dits et Écrits I, 1954-1975”. Paris: Quarto Gallimard, 2001.

______. “Em defesa da sociedade. Curso no Collège de France (1975-1976)”. Trad. Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

______. “Nascimento da biopolítica”. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

______. “Segurança, território, população. Curso dado no Collège de France (1977-1978)”. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

______. “Qu’est-ce que la critique”. In: “Qu’est-ce que la critique?” suivi de “La culture de soi”. Paris: Vrin, 2015a. pp. 33-80.

______. “‘Qu’est-ce que la critique?’ suivi de ‘La culture de soi’”. Paris: Vrin, 2015b.

______. “Subjectivity and Truth”. In: About the beginning of the hermeneutics of the

self. Lectures at Dartmouth College, 1980. Trad. Graham Burchell. Chicago-London: The University of Chicago Press, 2016a. pp. 19-51.

______. “About the beginning of the hermeneutics of the self. Lectures at Dartmouth College, 1980”. Trad. Graham Burchell. Chicago-London: The University of Chicago Press, 2016b.

______. “Dits et Écrits II, 1976-1988”. Paris: Quarto Gallimard, 2017.

GOMES, A. S. T., MATOS, A. S. M. C. “A proposta de uma forma-de-vida anárquica na obra de Giorgio Agamben: uso inoperoso e não constituinte do poder”. Revista da Faculdade de Direito UFMG, Nr. 71, pp. 47-68, 2017.

HEIDEGGER, M. (1953). “A questão da técnica”. Trad. Marco Aurélio Werle. Scientiae Studia, Vol. 5, Nr. 3, 2007, pp. 375-98.

Downloads

Publicado

02-10-2023

Como Citar

FREITAS, L. M. de. AGAMBEN E FOUCAULT: EXPLORANDO OS LIMITES DESSA APROXIMAÇÃO A PARTIR DO TEMA DO ‘DESTITUINTE’. Revista Kriterion, [S. l.], v. 64, n. 155, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/kriterion/article/view/38231. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos