Psicologia do Desenvolvimento

uma subárea da Psicologia ou uma nova ciência?

  • Rogério de Andrade Barros Universidade Estadual de Feira de Santanta
  • Denise Maria Barreto Coutinho Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: psicologia do desenvolvimento, estudos sobre a universidade, história da psicologia, ciência do desenvolvimento

Resumo

O estudo sobre o desenvolvimento humano, por parte da Psicologia, se revela a partir de um panorama complexo e, por vezes, anárquico que contempla amplo leque de perspectivas. O que marca a alteridade desse campo do saber? O objetivo do presente artigo é compreender de que maneira surge a Psicologia do Desenvolvimento, demarcando condições de seu advento por meio de uma revisão não sistemática de literatura. Não há distinções significativas, do ponto de vista histórico e até mesmo gerencial, em Programas de Pós-Graduação no Brasil, entre Psicologia e Psicologia do Desenvolvimento. Por outro lado, Psicologia do Desenvolvimento e Psicologia Educacional são historicamente entrelaçadas. Encontram-se, também mais recentemente, esforços de destacar a Psicologia do Desenvolvimento do campo da Psicologia através da delimitação de objetos e métodos próprios, inserindo-se numa perspectiva não disciplinar como Ciência do Desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rogério de Andrade Barros, Universidade Estadual de Feira de Santanta

Rogério de Andrade Barros é doutor pela Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, com doutorado-sanduíche em Université Rennes 2 – Fr. Professor-auxiliar do Departamento de Ciências Humanas e Filosofia da Universidade Estadual de Feira de Santana. Graduação em Psicologia pela Universidade Federal da Bahia. Tem formação em Psicanálise.

Denise Maria Barreto Coutinho, Universidade Federal da Bahia

Denise Maria Barreto Coutinho é doutora em Letras pela Universidade Federal da Bahia, com doutorado-sanduíche em Princeton University – EUA. Professora-associada do Instituto de Psicologia e docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal da Bahia. Tem formação em Psicanálise.

Referências

Andrade, S. A., Santos, D. N., Bastos, A. C. B., Pedromônico, M. R. M, Almeida-Filho, N. de, & Barreto, M. L. (2005). Ambiente familiar e desenvolvimento cognitivo infantil: uma abordagem epidemiológica. Revista de Saúde Pública, 39(4), 606-611. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102005000400014

ABPB - Associação Brasileira de Psicologia do Desenvolvimento (2007). Recuperado em 6 de maio, 2019, de https://www.abpd.psc.br/download/download?ID_DOWNLOAD=3

ABRAPEE - Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional (2015). Recuperado em 6 de maio, 2019, de https://abrapee.files.wordpress.com/2012/05/estatuto-da-abrapee-2015.pdf

Barros, R. de A. Quadros teóricos e escolhas metodológicas de dissertações em Psicologia do Desenvolvimento no Brasil entre os anos 2007-2009. Dissertação de mestrado não publicada, Universidade Federal da Bahia, Bahia, Brasil.

Bee, H. (1984). A criança em desenvolvimento. (R. Pereira, Trad). São Paulo: Harbra.

Biaggio, A. (1975). Psicologia do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Vozes.

Borges-Andrade, J. E. (2003). Em busca do conceito de linha de pesquisa. Revista de Administração Contemporânea, 7(2), 157-170. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552003000200009

Bronfenbrenner, U. (1963). Developmental theory in transition. Em Stevenson, H. W. (Org.). Child Psychology: sixty-second yearbook of the National Society of Study of Education, part I. Chicago: University of Chicago Press.

CAPES (2017). Relatório de Avaliação quadrienal 2003-2016. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://capes.gov.br/images/documentos/Relatorios_quadrienal_2017/20122017-Psicologia_relatorio-de-avaliacao-2017_final.pdf

Charlesworth, W. R. (1992). Darwin and Developmental Psychology: past and present. Developmental Psychology, 28 (1), 5-16. Minneapolis: American Association Inc.

Cole, M., & Cole, S. (2004). O Desenvolvimento da criança e do adolescente. (M. Lopes, Trad). Porto Alegre: Artmed.

Dessen, M. A. & Guedea, M. T. D. (2005). A ciência do desenvolvimento humano: ajustando o foco de análise. Paidéia (Ribeirão Preto), 15(30), 11-20. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S0103-863X2005000100004

Dixon, R. & Lerner, R. (1999). History and systems in developmental psychology. Em Bornstein, M.H. & LAM, M.E. (Orgs.) Developmental Psychology: an advanced textbook. Mahwah/London: LEA.

Féres-Carneiro, T., Bastos, A. V., Feitosa, M. Â. G, Seidl-de-Moura, M. L. & Yamamoto, O. H. (2010). Lacunas, metas e condições para a expansão da pós-graduação em psicologia no país. Psicologia: Reflexão e Crítica, 23(Supl. 1), 11-24. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722010000400003

Ferreira, A. A. L. & Araujo, S. F. (2009). Da invenção da infância à psicologia do desenvolvimento. Psicologia em Pesquisa, 3(2), 03-12. Recuperado em 6 de maio de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-12472009000200002&lng=pt&tlng=pt

Fogel, A. (2000). O contexto sociocultural e histórico dos estudos do desenvolvimento. Psicologia: Reflexão e Crítica, 13(2), 311-318. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722000000200010

Franco, A. L. S., & Bastos, A. C. S. (2002). Um olhar sobre o Programa de Saúde da Família: a perspectiva ecológica na psicologia do desenvolvimento segundo Bronfenbrenner e o modelo da vigilância da saúde. Psicologia em Estudo, 7(2), 65-72. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722002000200008

Günther, H. & Rozestraten, R. J. A. (2005). Psicologia Ambiental: algumas considerações sobre sua área de pesquisa e ensino. Série: Textos de Psicologia Ambiental, Brasília, (10)1, 2005. Recuperado em 6 de maio de 2019, de http://beco-do-bosque.net/XTextos/10PsiAmbiental.pdf

Iriart, M. F. S. & Bastos, A. C. S. (2007). Uma análise semiótico-sistêmica de diferentes ecologias desenvolvimentais da juventude. Psicologia em Estudo, 12(2), 239-246. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722007000200004

Keil, F. C. (2000). The origins of developmental psychology. Journal of cognition and development, I(3), p. 347-357. Recuperado em 6 de maio de 2019, de http://www.yale.edu/cogdevlab/aarticles/originsdevpsych.pdf

Lamas, K. C. A., & Freitas, M. F. R. L. (2011). A Ciência do Desenvolvimento Humano: Entrevista com a Profª. Drª. Maria Auxiliadora Dessen. Psicologia em Pesquisa, 5(1), 86-90. Recuperado em 06 de maio de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1982-12472011000100010&lng=pt&tlng=pt

Lerner, R. (2002). Concepts and theories of human development. Mahwah: Erlbaum.

Massimi, M. (2010). Idéias psicológicas na cultura luso-brasileira, do século XVI ao século XVIII. Em Jacó-Vilela, A. M.; Ferreira, A. A. L.; PORTUGAL, F. T. (Orgs). História da psicologia: rumos e percursos (p. 75-83). Rio de Janeiro: Nau.

Massimi, M. (2009). Novas questões temáticas e desdobramentos metodológicos na história dos saberes psicológicos. Temas em Psicologia (Número especial História da Psicologia), 17 (1) p. 15-20, 2009. Recuperado em 6 de maio de 2019, de http://www.sbponline.org.br/revista2/vol17n1/v17n1a03t.htm

Moreira, J. O. (2012). Mudanças na percepção sobre o processo de envelhecimento: reflexões preliminares. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(4), 451-456. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722012000400003

Moser, G. (1998). Psicologia Ambiental. Estudos de Psicologia (Natal), 3(1), 121-130. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X1998000100008

Mota, M. E. (2005). Psicologia do desenvolvimento: uma perspectiva histórica. Temas em Psicologia, 13(2), 105-111. Recuperado em 6 de maio de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2005000200003&lng=pt&tlng=pt

Newcombe, N. (1999). Desenvolvimento infantil: abordagem de Mussen. (C. Buchweitz, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Overton, W. F. Developmental psychology: Philosophy, concepts, methodology (2006). Em Lerner, R. M. (Org.) Theoretical models of human development. Volume 1 of the Handbook of child psychology (18-88). New York: Wiley. Recuperado em 6 de maio de 2019, de http://www.temple.edu/psychology/overton/docs/overtonhandbookch.pdf

Petrucci, G. W., Borsa, J. C., & Koller, S. H. (2016). A Família e a escola no desenvolvimento socioemocional na infância. Temas em Psicologia, 24(2), 391-402. https://dx.doi.org/10.9788/TP2016.2-01Pt

Santos, L. M., Santos, D. N., Bastos, A. C. S., Assis, A. M. O., Prado, M. S., & Barreto, M. L. (2008). Determinants of early cognitive development: hierarchical analysis of a longitudinal study. Cadernos de Saúde Pública, 24(2), 427-437. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2008000200022

Schultz, D. (1981). A history of modern psychology. San Diego, CA: Academic Press.

Souza, L. S. M. (2006). Psicologia ambiental: entendendo as relações do homem com seu ambiente. Estudos de Psicologia (Campinas), 23(2), 203-205. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2006000200010

Souza, T. Y., Branco, A. M. C. U. A. & Oliveira, M. C. S. L. (2008). Pesquisa qualitativa e desenvolvimento humano: aspectos históricos e tendências atuais. Fractal: Revista de Psicologia, 20(2), 357-376. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S1984-02922008000200004

Trad, L. A. B., Bastos, A. C. S., Santana, E. M. & Nunes, M. O. (2002). Estudo etnográfico da satisfação do usuário do Programa de Saúde da Família (PSF) na Bahia. Ciência & Saúde Coletiva, 7(3), 581-589. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232002000300015

Trad, L. A. B. & Bastos, A. C. S. (1998). O impacto sócio-cultural do Programa de Saúde da Família (PSF): uma proposta de avaliação. Cadernos de Saúde Pública, 14(2), 429-435. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1998000200020

Zittoun, T., Mirza, N. M. & Perret-Clermont, A.-N. (2007). Quando a cultura é considerada nas pesquisas em psicologia do desenvolvimento. Educar em Revista, (30), 65-76. Recuperado em 6 de maio de 2019, de https://dx.doi.org/10.1590/S0104-40602007000200005
Publicado
2020-04-01
Como Citar
Barros, R. de A., & Coutinho, D. M. B. (2020). Psicologia do Desenvolvimento. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 37. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2020.12540
Seção
Artigos