Os primórdios da psiquiatra infantil e seus reflexos no Brasil

  • Jorge Luís Ferreira Abrão Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Psiquiatria infantil, História, Brasil

Resumo

A psiquiatria infantil é um ramo de especialidade médica bastante recente desenvolvida entre o final do século XIX e o início do século XX. No Brasil esta disciplina desenvolveu-se a partir de meados do século XX inicialmente vinculada a pediatria e a psicanálise. Assim este artigo tem por finalidade demonstrar a constituição da psiquiatria infantil, a partir de um vértice histórico, e seus reflexos no Brasil. Para tal foram analisados os marcos que delimitaram descobertas e ampliações conceituais constitutivos da psiquiatria infantil durante os séculos XIX e XX. Na sequência, apresenta-se os acontecimentos mais relevantes que delimitam o surgimento da psiquiatria infantil no Brasil, para finalmente destacar que esta disciplina sofreu direta influência da educação, da pediatria e da psicanálise durante seu processo de constituição no país, influência que perdurou até o início da década de 1980.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Luís Ferreira Abrão, Universidade Estadual Paulista

Jorge Luís Ferreira Abrão é psicólogo, doutor em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pelo Instituto de Psicologia da USP, livre-docente em Psicologia Clínica pela UNESP e Professor-associado do Departamento de Psicologia Clínica e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Faculdade de Ciências e Letras de Assis – UNESP.

Referências

Abrão, J. L. F. (2001). A história da psicanálise de crianças no Brasil. São Paulo: Escuta.

Alexander, F. G. & Selesnick, S. T. (1968). Desenvolvimentos na psiquiatria infantil. Em F. G. Alexander & S. T. Selesnick. História da psiquiatria (A. Arruda, Trad.). (pp. 478-495). São Paulo: Ibrasa. (Original publicado em 1966).

Amaro, J. W. F. (2003). A História do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas e do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Revista de Psiquiatria Clínica, 30(2), 44-71.

Asperger, H. (1944). Die Autistischen Psychopathen: Archiv fur Psychiatrie und Nervenkrankheiten, Kindesalter, 117(1), 76-136.

Assumpção Jr., F. B. (1995). Psiquiatria infantil brasileira: um esboço histórico. São Paulo: Lemos.

Banks-Leite, L. & Galvão, I. (2000). Uma introdução à história de Victor do Aveyron e suas repercussões. Em L. Banks-Leite & I. Galvão (Orgs.). A educação de um selvagem: as experiências pedagógicas de Jean Itard (pp. 11-24). São Paulo: Cortez.

Baptista, V. (1938). Seção de menores anormais do Hospital Central de Juqueri. Arquivos Serviço de Assistência a Psicopatas do Estado de São Paulo, 2(3-4), 251-258.

Bercherie, P. (2001). A clínica psiquiátrica da criança. Em O. Cirino. Psicanálise e psiquiatria com crianças: desenvolvimento ou estrutura (pp. 129-144). Belo Horizonte: Autêntica.

Cirino, O. (2001). Psicanálise e psiquiatria com crianças: desenvolvimento ou estrutura. Belo Horizonte: Autêntica.

Costa, J. F. (1976). História da psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Campus.

Cytrinowicz, M. M. (2002). Criança – Enfance: uma trajetória de psiquiatria infantil. São Paulo: Narrativa Um.

Donzelot, J. (1980). A polícia das famílias. Rio de Janeiro: Graal.

Foucault, M. (1978). História da Loucura (J. T. Coelho, Trad.). São Paulo: Perspectiva. (Original publicado em 1972).

Gardou, C. & Develay, M. (2005). O que as situações de deficiência e a Educação Inclusiva dizem às Ciências da Educação. Revista Lusófona de Educação, 6, 31-45. Recuperado em 20 de agosto de 2018 de https://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao/article/view/845

Gil, A. M. V. P. (1994). A inteligência e a metáfora da flor: um estudo de representação social sobre o deficiente mental. Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo SP.

Grunspun, H. (1992). Distúrbios Psiquiátricos da criança. São Paulo: Atheneu.

Hagberg, B., Aicardi, J., Dias, K. & Ramos, O. (1983). A progressive syndrome of autism, dementia, ataxia, and loss of purposeful hand use in girls: Rett's syndrome: report of 35 cases. Annals of Neurology, 14(4), 471-479.

Itard, J. (2000). Da educação de um homem selvagem ou dos primeiros desenvolvimentos físicos e morais do jovem selvagem do Aveyron. Em L. B. Leite & I. Galvão (Orgs.). A educação de um selvagem (M. E. Galvão, Trad.). (pp. 117-177). São Paulo: Cortez. (Original publicado em 1801).

Januário, L. M. & Tafuri, M. I. (2009) O sofrimento psíquico grave e a clínica com crianças. Revista Mal-estar e Subjetividade, 9(2), 527-550.

Kanner, L. (1943). Autistic disturbances of a affective contact. Nervous Child, 2, 217-250.

Kanner, L. (1966a). Psiquiatría de los adultos y psiquiatría infantil. Em L. Kanner, Psiquiatría infantil (pp. 41-44). Buenos Aires: Editorial Psique.

Kanner, L. (1966b). Psiquiatría infantil y pediatria. Em L. Kanner, Psiquiatría infantil (pp.45-52). Buenos Aires: Editorial Psique.

Klein, M. (1996). A importância da formação de símbolos para o desenvolvimento do ego. Em: M. Klein. Amor, Culpa e Reparação (A. Cardoso Trad.). (pp. 251-264). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1930).

Klein, M. (1997). A psicanálise de crianças (L. P. Chaves, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1932).

Klin, A. (2006). Autismo e síndrome de Asperger: uma visão geral. Revista Brasileira de Psiquiatria, 28(1), 53-61.

Loreto, O. (2004). Origem e modo de constituição das moléstias da mente (psicopatogênese). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Mercadante, M T., Gaag R. J. V. & Schwartzman, J. S. (2006). Transtornos invasivos do desenvolvimento não-autísticos: síndrome de Rett, transtorno desintegrativo da infância e transtornos invasivos do desenvolvimento sem outra especificação. Revista Brasileira de Psiquiatria, 28(sup. 1), 512-520.

Marcondes, D. B. (1946). Noções gerais de higiene mental da criança. São Paulo: Martins Editora.

Osório, L. C. (1970). Comunidade terapêutica infanto-juvenil: avaliação de uma experiência. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 19(3-4), 133-152.

Pereira, M. E. C. (2001). Kraepelin e a criação do conceito de Demência Precoce. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 4(4), 126-129.

Pérez-Ramos, A. M. Q. (2006). Humanização Hospitalar: Conquistas e desafios na realidade brasileira. Em Academia Paulista de Psicologia (Org.). O legado da psicologia para o desenvolvimento humano (pp. 36-45). Bauru, SP: Gráfica Coelho.

Pessotti, I. (1984). De ciência mental: da superstição à ciência. São Paulo: EDUSP.

Petot, J. M. (1988). Melanie Klein I: primeiras descobertas e primeiro sistema (M. Levy, N. M. Kon, B. P. Haber, & M. K. Bilenky, Trad.). São Paulo: Perspectiva. (Original publicado em 1979).

Póstel, J. & Quétel, C. (1987). Nacimiento de la psiquiatría infantil (destinos de la idiocia, origen de las psicosis). Em J. Póstel & C. Quétel. Historia de la psiquiatría (pp. 507-525). Cidade do México, México: Fondo de Cultura Económica.

Ramos, A. (1934). Educação e Psychanalyse. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Ramos, A. (1939). A criança-problema. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil.

Ramos, A. (1933). A technica da psychanalyse infantil. Archivos Brasileiros de Hygiene Mental, 1(2),195-205.

Sagawa, R. (2002). Durval Marcondes. Rio de Janeiro: Imago.

Séguin, E. (1846). Traitement moral, hygiène et éducation des idiots et des autres enfants arriérés. Paris: Libraire de L’Académie Royale de Médecine. Recuperado em 10 de janeiro de 2017, de https://ia802205.us.archive.org/30/items/traitementmoral00segugoog/traitementmoral00segugoog.pdf.

Tenório, F. (2002). A reforma psiquiátrica brasileira, da década de 1980 aos dias atuais: história e conceitos. História, Ciências, Saúde: Manguinhos, 9(1), 25-59.

Wing, L. (1991). The relationship between Asperger’s syndrome and Kanner’s autism. Em U. Frith (Ed.). Autism and Asperger syndrome (pp. 93-121). Londres: Cambridge University Press.

Publicado
2020-05-19
Como Citar
Abrão, J. L. F. (2020). Os primórdios da psiquiatra infantil e seus reflexos no Brasil. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 37. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2020.14698
Seção
Artigos