A dimensão originária das vivências musicais em capoeira

a natureza primordial da musicalidade no jeito que o corpo dá

  • Pedro Henrique Martins Valério Universidade de São Paulo
  • Cristiano Roque Antunes Barreira Universidade de São Paulo
Palavras-chave: capoeira, fenomenologia, corpo, musicalidade

Resumo

O objetivo deste trabalho é compreender os sentidos inerentes à musicalidade vivida em capoeira. Para tanto, se procede seguindo os passos de Edmund Husserl (1859-1938) no enquadre de uma arqueologia fenomenológica das culturas. Os relatos de mestres de capoeira, produzidos sob escuta suspensiva e transcritos, foram analisados mediante sucessivos cruzamentos intencionais. Muitos mestres relatam o atravessamento desta experiência musical que, desde um registro pré-reflexivo, conduz à ação seus corpos durante o jogo. Os resultados descrevem uma afecção musical crucial que inaugura intersubjetivamente uma abertura corpóreo-psíquica aos sentidos dos acontecimentos da roda. Tal abertura se mostra no compartilhar pré-reflexivo de sentimentos próprios à capoeira, em que capoeiristas manifestam-se de modo cultural e existencialmente autêntico. Aprofunda-se a análise à luz do diálogo com a literatura destacando-se a operatividade intersubjetiva da dimensão psíquica no corpo a corpo em ação, articulando-se com as investigações de Husserl sobre o substrato originário das experiências do Outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Henrique Martins Valério, Universidade de São Paulo

Pedro Henrique Martins Valério é bacharel em Ciências da Atividade Física pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (2010). Mestre em Educação Física pela Escola de Educação Física e Esporte da Universidade de São Paulo (2014). Doutorando em Psicologia pela Escola de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto.

Cristiano Roque Antunes Barreira, Universidade de São Paulo

Cristiano Roque Antunes Barreira é psicólogo, doutor em Psicologia pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras de Ribeirão Preto (2004), livre-docente pela Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto (2014), diretor da Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto (2017). Professor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo entre 2005 e 2009, é atualmente professor associado da Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo.

Referências

Ales Bello, A. (2019). O sentido do sagrado. (P. S. L. Gonçalves, D. D. Júnior, Trad.). São Paulo: Paulus.

Amatuzzi, M. M. (2001). Por uma psicologia humana. Campinas: Alínea.

Barreira, C. R. A. (2017a). Análise Fenomenológica aplicada à Psicologia: recursos operacionais para a pesquisa empírica. Em: Mahfoud, M. & Savian, F. (Orgs). Edith Stein: filosofia, psicologia, educação (pp. 317-368). São Paulo: Paulus.

Barreira, C. R. A. (2017b). A norma sensível à prova da violência: o corpo a corpo em disputa sob a ótica fenomenológica em psicologia do esporte. Revista de Abordagem Gestáltica: Phenomenological Studies, 23(3), 278-292.

Barreira, C. R. A. (2018). Escuta Suspensiva. Em V Seminário Internacional de Pesquisas e Estudos Qualitativos: Pesquisa qualitativa na educação e na ciência em debate, (pp. 1-12). Foz do Iguaçu: Unioeste.

Diaz, J. D. (2017). Between repetition and variation: a musical performance of malícia in capoeira. Ethnomusicology Forum, 26(1), 46-68.

Downey, G. (2002). Listening to capoeira: phenomenology, embodiment, and the materiality of music. Ethnomusicology: Journal of the Society for Ethnomusicology, 46(3), 487-509.

Downey, G. (2005). Learning Capoeira. New York: Oxford University Press.

Giorgi, A. & Souza, D. (2010). Método Fenomenológico de Investigação em Psicologia. Lisboa: Fim de Século.

Husserl, E. (2012). A crise das ciências europeias e a fenomenologia transcendental: uma introdução à filosofia fenomenológica (D. R. Ferrer, Trad.). Rio de Janeiro: Forense Universitária. (Original publicado em 1954).

Husserl, E. (2013). Meditações cartesianas e conferências de Paris (P. M. S. Alves, Trad.). Rio de Janeiro: Forense Universitária. (Original publicado em 1991).

Husserl, E. (2014). Europa: crise e renovação: artigos para a revista Kaizo - a crise da humanidade europeia e a filosofia (P. M. S. Alves, C. A. Morujão, Trad.). Rio de Janeiro: Forense Universitária. (Original publicado em 1954).

Massimi, M. & Mahfoud, M. (2007). A pessoa como sujeito da experiência: um percurso na história dos saberes psicológicos. Memorandum, 13, 16-31.

Sodré, M. (2002). Mestre Bimba: corpo de mandinga. Rio de Janeiro: Manati.

Valério, P. H. M. (2014). Capoeira: fluxos originários em rotas marginais. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Estudos do Esporte, Escola de Educação Física e Esporte, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Valério, P. H. M. & Barreira, C. R. A. (2016a). O sentido vivido da capoeira: cumplicidade, risco, autenticidade e criatividade. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, 6(1), 88-108.

Valério, P. H. M. & Barreira, C. R. A. (2016b). A roda de capoeira: uma vivência comunitária. Memorandum, 30, 177-198.

Valério, P. H. M. & Barreira, C. R. A. (2016c). Arqueologia fenomenológica, fenomenologia genética e psicologia: rumo à gênese das manifestações culturais. Psicologia USP, 26, 430-440.

Varela, G, S. (2013). Mandinga: Power and Deception in Afro-Brazilian Capoeira. Social Analysis: The International Journal of Social and Cultural Practice, 57(2), 1-20.

Zahavi, D. (2015). A Fenomenologia de Husserl. Rio de Janeiro: Via Verità.

Zonzon, C. N. (2017). Nas rodas da capoeira e da vida: corpo, experiência e tradição. Salvador: EDUFBA.

Publicado
2020-08-08
Como Citar
Valério, P. H. M., & Barreira, C. R. A. (2020). A dimensão originária das vivências musicais em capoeira. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 37. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2020.14824
Seção
Artigos