Entre o aquém e o além

análise fenomenológica de vivências de coveiros diante do numinoso

  • Elizabeth Avelino Rabelo Universidade de São Paulo
  • Miguel Mahfoud Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Realidades múltiplas, Psicologia e religião, Cemitério, Coveiro

Resumo

Tivemos como objetivo investigar como os coveiros lidam com aspectos míticos e numinosos referentes ao fenômeno da morte no mundo da vida cotidiana e ao espaço do cemitério. Realizamos entrevistas semiestruturadas com coveiros atuantes no Cemitério do Bonfim, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Foram utilizadas entrevistas de três sujeitos, e para a análise fenomenológica seguimos as diretrizes metodológicas de van der Leeuw. Foram encontrados quatro núcleos de sentido de experiências de coveiros diante do numinoso: a) o aspecto assombroso do cemitério; b) atravessamento da fronteira de “lá” para “cá”; c) a passagem do aquém para o além; e d) a manifestação da fronteira entre o além e o aquém. Concluímos que, ao lidarem com a fronteira porosa e flexível que separa o familiar do estranho, cada coveiro estabelece a distância e a relação com essa fronteira e com os aspectos míticos referentes ao fenômeno da morte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elizabeth Avelino Rabelo, Universidade de São Paulo

Elizabeth Avelino Rabelo é psicóloga, mestre em Psicologia Social pela Universidade Federal de Minas Gerais e doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo.

Miguel Mahfoud, Universidade Federal de Minas Gerais

Miguel Mahfoud é doutor em Psicologia Social pelo Instituto de Psicologia da USP, com estudos de Pós-Doutorado na Pontifícia Universidade Lateranense de Roma. Professor Associado do Departamento de Psicologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG (1996-2016). Membro do GT Psicologia & Fenomenologia da ANPEPP.

Referências

Ales Bello, A. (1998). Culturas e religiões: uma leitura fenomenológica. (A. Angonese, Trad.). Bauru, SP: EDUSC. (Publicação original de 1997).

Almeida, M. G. (1998). O espaço da morte na capital mineira: Um ensaio sobre o Cemitério de Nosso Senhor do Bonfim. Revista de História Regional, 3 (2), 187-192. Recuperado em 10 de julho, 2012, de http://www.revistas2.uepg.br/index.php/rhr/article/viewFile/2067/1549

Almeida, M. G. (2007). Morte, cultura, memória - múltiplas interseções: Uma interpretação acerca dos cemitérios oitocentistas situados nas cidades do Porto e Belo Horizonte. Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Amatuzzi, M. M. (2009). Psicologia fenomenológica: uma aproximação teórica humanista. Estudos de Psicologia, 26 (1), 93-100.

Ariès, P. (1981). O homem diante da morte (2v). (M. L. Ribeiro, Trad.). Rio de Janeiro: Francisco Alves. (Publicação original de 1977).

Augras, M. R. A. (1985). A psicologia da cultura. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 1(2), 99-109.

Batista, A. S. & Codo, W. (2018). Trabalho sujo e estigma: cuidadores da morte no cemitério. Revista de Estudios Sociales, 63, 72-83. Recuperado em 18 de maio, 2020, de https://journals.openedition.org/revestudsoc/1270

Cazeneuve, J. (1985). Sociologia do rito. (M. L. Borralho, Trad.). Porto: Rés. (Publicação original de 1971).

Coe, A. J. H. (2005). Nós, os ossos que aqui estamos pelos vossos esperamos: o século XIX e as atitudes diante da morte e dos mortos. Outros Tempos, 2 (2), 97-111. Recuperado em 10 de julho, 2012, de http://www.outrostempos.uema.br/volume02/vol02art08.pdf

Eliade, M. (1980). O sagrado e profano (R. Fernandes, Trad.). Lisboa: Livros do Brasil. (Publicação original de 1957).

Ferrari, E. (2008). Só em Beagá: histórias, crônicas e reportagens sob o olhar de uma cidade. Belo Horizonte: Medialuna & Mondana.

Flick, U. (2004). Uma introdução à pesquisa qualitativa. (S. Nertz, Trad.). Porto Alegre: Bookman.

Franco, C. (2010). A cara da morte: os sepultadores, o imaginário fúnebre e o universo onírico. Aparecida, SP: Ideias & Letras.

Gil, A. C. (1991). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Husserl, E. (2012). A crise das ciências europeias e a fenomenologia transcendental: uma introdução à Filosofia Fenomenológica. (D. F. Ferrer e P. M. S. Alves, Trad.). Rio de Janeiro: Forense Universitária. (Publicação original póstuma de 1954).

Iaraha, I. S., Silva, S. C. & Paula, P. P. (2017). Sentido dos trabalhos coveiros: um estudo exploratório. Pretextos, 2 (4), 304-319. Recuperado em 18 de maio, 2020, de http://periodicos.pucminas.br/index.php/pretextos/article/view/15260

Landsberg, P. L. (2009). Ensaio sobre a experiência da morte e outros ensaios (E. S. Abreu, E. Aguiar, C. Benjamin, Trad.). Rio de Janeiro: Contraponto. (Publicação original de 1946).

Otto, R. (1992). O sagrado (J. Gama, Trad.). Lisboa: Edições 70. (Publicação original de 1917).

Paiva, G. J. (1998). Estudos psicológicos da experiência religiosa. Temas em Psicologia, 6 (2), 153-160. Recuperado em 18 de janeiro, 2014, de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v6n2/v6n2a08.pdf

Peláez, G. I. (2001). Un encuentro con las ánimas: santos e héroes impugnadores de normas. Revista Colombiana de Antropología, 37, 24-41. Recuperado em 10 de janeiro, 2012, de http://icanh.gov.co/recursos_user/RCA_Vol_37/v37a02.pdf

Petruski, M. R. (2006). A cidade dos mortos no mundo dos vivos: os cemitérios. Revista de História Regional, 11 (2), 93-198.

Queiroz, M. I. P. (1991). Variações sobre a técnica do gravador no registro da informação viva. São Paulo: T. A. Queiroz.

Reis, J. J. (1991). A morte é uma festa. São Paulo: Companhia das Letras.

Schutz, A. (1979). Fenomenologia e relações sociais (A. Melin, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar. (Publicação original de 1970).

Tavares, D. K. & Brahm, J. P. S. (2016). Cemitérios, memórias e emoções: a vivência profissional dos sepultadores no sul da Bahia sob o enfoque da sociologia das emoções. Revista de Ciências Humanas e Sociais, 2 (2), 26-51. Recuperado em 18 de maio, 2020, de http://200.132.146.161/index.php/missoes/article/view/23083/8658

Terrin, A. N. (2004). O rito: antropologia e fenomenologia da ritualidade. (J. M. Almeida, Trad.). São Paulo: Paulus. (Publicação original de 1999).

van der Leeuw, G. (1964). Fenomenología de la religión (E. de la Peña, Trad.). México: Fondo de Cultura Económica. (Publicação original de 1933).

van Gennep, A. (2011). Ritos de passagem (M. Ferreira, Trad.). (2ª ed.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Publicação original de 1909).

Zelenovic, C. C. C. M. (2008). Representações e emoções de coveiros portugueses face à morte. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Fernando Pessoa, Porto, Portugal.

Zilles, U. (2002). A fenomenologia husserliana como método radical. Em E. Husserl. A crise da humanidade europeia e a filosofia (pp. 13-63). (2ª ed.). Porto Alegre: EdiPUCRS.

Zilles, U. (2007). Fenomenologia e teoria do conhecimento em Husserl. Revista da Abordagem Gestáltica, 13 (2), 216-221. Recuperado em 10 de janeiro, 2014, de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rag/v13n2/v13n2a05.pdf

Publicado
2020-08-08
Como Citar
Rabelo, E. A., & Mahfoud, M. (2020). Entre o aquém e o além. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 37. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2020.14930
Seção
Artigos