Acídia e crise de sentido

uma tentativa de aproximação conceitual

Autores

  • Leandro Melo Cunha Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais https://orcid.org/0000-0002-5220-8255
  • Jacqueline de Oliveira Moreira Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.35699/1676-1669.2020.15192

Palavras-chave:

acídia, crise de sentido, teologia, melancolia

Resumo

Este empreendimento tem por finalidade apresentar um levantamento teórico-histórico a partir do deslizamento semântico dos conceitos acídia, tristeza, melancolia e seus análogos, oferecendo um diálogo entre a ciência teológica e as ciências humanas. A literatura utilizada articula a falta de sentido do mundo contemporâneo a partir dos textos bíblicos em autores de conhecida eminência teológica e teórica. A expressão grega “akédias”, que remonta à tradição bíblica, desenvolve-se dentro da tradição cristã como “demônio meridiano” por Evágrio Pôntico e, mais tarde, vê-se canonizada na perspectiva oriental por João Cassiano e ocidental por Tomás de Aquino e Gregório Magno. A profunda relação entre os conceitos acídia e melancolia coloca lado a lado a tradição dos pecados capitais e autores seculares, como Hipócrates e sua tese humoral, Aristóteles e seu homem de exceção e Freud em sua reflexão sobre o luto e o mal-estar da contemporaneidade a partir do princípio do prazer. Há também significativa correspondência do tema com a perspectiva de Viktor Frankl, especialmente a partir de conceitos como “vontade de sentido” e “neuroses noogênicas”, que foram por ele utilizados. Dada a abrangência do tema, entende-se esta como uma possibilidade interpretativa, buscando em expoentes do passado intuições que iluminem questões contemporâneas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Melo Cunha, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Leandro Melo Cunha possui graduação em Teologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2016) e Pós-Graduação lato sensu em Teologia do Cuidado e da Cura (2018) pela mesma universidade. Tem experiência na área de Teologia, com ênfase em Teologia Fundamental e Teologia Pastoral no que se refere à teologia do cuidado e da cura.

Jacqueline de Oliveira Moreira, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Jacqueline de Oliveira Moreira é professora da Faculdade de Psicologia da PUC Minas, Doutora em Psicologia Clínica PUC SP, Mestre em Filosofia UFMG, Bolsista Produtividade CNPq 2, Pesquisadora FAPEMIG.

Referências

Agamben, G. (2007). Estâncias: a palavra e o fantasma na cultura ocidental. Belo Horizonte: UFMG.

Amatuzzi, M. M. (1999). Desenvolvimento psicológico e desenvolvimento religioso: uma hipótese descritiva. Em M. Massimi & M. Mahfoud (Orgs). Diante do Mistério (pp. 123-140). São Paulo: Loyola.

Aquino, T. (2004). Suma Teológica (Vários, Trad.). São Paulo: Loyola. (Original publicado em 1948).

Aristóteles. (1998). O homem de gênio e a melancolia: o problema XXX, 1 (A. Bueno, Trad.). Rio de Janeiro: Lacerda. (Original publicado em 1988).

Attard, M. (2003). Acídia. Em L. Borriello (Org.). Dicionário de Mística (pp. 6-8). São Paulo: Loyola; Paulus.

Bernet, R. (2016). As pulsões de morte e o enigma da compulsão de repetição (Freud e Lacan). Cultura, 35, 247-264. Recuperado em 23 de junho, 2020, de journals.openedition.org/cultura/2615

Frankl, V. (1976). Psicoterapia: uma casuística para médicos (H. Schoenfeldt, K. Körner, Trads). São Paulo: EPU. (Original publicado em 1947).

Frankl, V. (1989). Psicoterapia e Sentido da Vida (A. M. Castro, Trad.). São Paulo: Quadrante. (Original publicado em 1946).

Frankl, V. (1990). Psicoterapia para Todos: uma psicoterapia coletiva para contrapor-se à neurose coletiva (A. E. Allgayer, Trad.). Petrópolis: Vozes. (Original publicado em 1989).

Frankl, V. (2008). Em Busca de Sentido: um psicólogo no campo de concentração (W. O. Schlupp, C. C. Aveline, Trads). São Leopoldo: Sinodal, Petrópolis: Vozes. (Original publicado em 1948).

Frankl, V. (2016). Teoria e terapia das neuroses: introdução à logoterapia e à análise existencial (L. Cartaxo, Trad.). São Paulo: É Realizações. (Original publicado em 1956).

Frankl, V. (2017). A presença ignorada de Deus (W. O. Schlupp, H. H. Reinhold, Trads). Petrópolis, RJ: Vozes. (Original publicado em 1988).

Freud, S. (1974). Luto e melancolia. Obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. 14). (T. O. Brito, P. H. Brito, C. M. Oiticica, Trads). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1914).

Freud, S. (2010). O mal-estar na cultura (R. Zwick, Trad.). Porto Alegre: L&PM. (Original publicado em 1930).

Gabriel, P. (2007). Melancolia: a Divina Tragédia de Saturno, Thanatos e Narciso. Recuperado em 31 de julho, 2019, de www.interseccaopsicanalitica.com.br/int-participantes/Pedro-gabriel/Melancolia.pdf

Giovanetti, J. P. (2015). A religião como força organizadora da subjetividade na contemporaneidade. Em J. Vitório & A. Burocchi (Orgs). Religião e espaço público: cenários contemporâneos (pp. 93-108). São Paulo: Paulinas/Soter.

Ioshimoto, L. W. (2009). Natureza irreal ou fantástica realidade? Uma reflexão sobre a melancolia religiosa e suas expressões simbólicas na obra de Hieronymus Bosch. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP.

Larue, A. (2001). L’autre mélancolie: acedia, ou les chambres de l’esprit. Paris: Editions Hermann.

Le Grand, G. (1952). Morales sur job. Paris: Les Éditions du Cerf.

Le Nouveau Théologien, S. (1957). Chapitres théologiques gnostiques et pratiques. Paris: Les Éditions du Cerf.

Le Pontique, É. (1971). Traité pratique ou le moine. Paris: Les Éditions du Cerf.

Levi, P. (1988). É isto um homem? Rio de Janeiro: Rocco.

Mendes, E. D., Viana, T. de C. & Bara, O. (2014). Melancolia e depressão: um estudo psicanalítico. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 30, 423-431. Recuperado em 9 de maio, 2018, de www.scielo.br/pdf/ptp/v30n4/v30n4a07.pdf

Moreira, J. O. (2005). A alteridade no enlaçamento social: uma leitura sobre o texto freudiano "O mal-estar na civilização". Estudos de Psicologia (Natal), 10(2), 287-294 Recuperado em 16 de junho, 2020, de dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2005000200016

Moreira, J. O. (2008). Da melancolia dos dias cinzentos à depressão das noites sem fim. Arquivos Brasileiros de Psicologia, 60(3), 32-39. Recuperado em 10 de maio, 2018, de www.redalyc.org/articulo.oa?id=2290/229017563005

Nault, J. (2004). Acedia: enemy of spiritual joy. Communio: International Catholic Review, 31, 236-259. Recuperado em 8 de agosto, 2020, de https://www.communio-icr.com/files/Nault31-2.pdf

Ratzinger, J. (2005). Introdução ao Cristianismo: preleções sobre o Símbolo Apostólico. São Paulo: Loyola.

Scliar, M. (2008). O nascimento da melancolia. Ide, 31, 133-138. Recuperado em 10 de maio, 2018, de pepsic.bvsalud.org/pdf/ide/v31n47/v31n47a24.pdf

Solomon, A. (2014). O demônio do meio-dia: uma anatomia da depressão. São Paulo: Companhia das Letras.

Vaz, H. C. de L. (1986). Escritos de filosofia I: problemas de fronteira. São Paulo: Loyola.

Vaz, H. C. de L. (2002). Escritos de Filosofia VII: Raízes da Modernidade. São Paulo: Loyola.

Vazquez, S. H. (2015) Las implicancias psicopatológicas de la acedia em Evagrio Póntico. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 18(4), 679-703. Recuperado em 12 de maio, 2018, de www.scielo.br/pdf/rlpf/v18n4/1415-4714-rlpf-18-4-0679.pdf

Viegas, R. M. (2014). Do humor excepcional - uma melancolia para o herói ou os limites da proporção. Anamorfose - Revista de Estudos Modernos, 2, 89-104. Recuperado em 9 de maio, 2018, de www.anamorfose.ridem.net/index.php/anamorfose/article/view/20/14

Voll, U. (2003). Acedia. Em The New Catholic Encyclopedia (Vol. 1, pp. 66-67). Washington: Gale.

Downloads

Publicado

2020-08-08

Como Citar

Cunha, L. M., & Moreira, J. de O. (2020). Acídia e crise de sentido: uma tentativa de aproximação conceitual. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 37. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2020.15192

Edição

Seção

Artigos