Candomblé Ketu e o sincretismo religioso no Brasil

perspectivas sobre as representações de Òṣàlá na diáspora

  • Ronan da Silva Parreira Gaia Universidade de São Paulo
  • Fabio Scorsolini-Comin Universidade de São Paulo (USP)
Palavras-chave: Candomblé, Cultos afro-brasileiros, Religião yoruba, Umbanda

Resumo

A figura de Òṣàlá ou Oxalá é muito presente na cultura religiosa brasileira, principalmente por conta do sincretismo religioso. A forma orgânica como se desenvolveram as religiões de matriz africana no Brasil estabeleceu hoje um quadro complexo, mas infelizmente folclorizado e muitas vezes reduzido a uma simplicidade, fruto de estigmas e de uma trajetória racista em essência. O Candomblé e a Umbanda estão presentes na vida do brasileiro, tal como seus cultos. Mesmo para aqueles não iniciados, Òṣàlá está no imaginário social justamente por essa popularidade. É no intuito de sintetizar essas muitas ideias que esse artigo se dedicou a organizar as percepções existentes sobre Òṣàlá e Oxalá, traçando-as sob as perspectivas do Candomblé de nação Ketu e da Umbanda. Perpassando por problemáticas históricas, ritos de culto, questões raciais e reflexões epistemológicas e etimológicas, apresenta-se um material reflexivo e crítico sobre a presença de Òṣàlá em solo brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronan da Silva Parreira Gaia, Universidade de São Paulo

Ronan da Silva Parreira Gaia é licenciado em Pedagogia pela Faculdade Filadélfia. Especialista em Direitos Humanos, Educação e Sociedade, Educação Especial e Inclusiva, Gestão Pública e em Psicopedagogia Institucional pela Faculdade de Educação São Luís. Mestrando em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Psiquiátrica da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo – EERP / USP.

Fabio Scorsolini-Comin, Universidade de São Paulo (USP)

Fábio Scorsolini-Comin é psicólogo. Mestre e Doutor em Psicologia pela Universidade de São Paulo – USP. Docente do Departamento de Enfermagem Psiquiátrica e Ciências Humanas e do Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Psiquiátrica da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo – EERP / USP.

Referências

Azorli, D. F. R. (2016). Ecos da África Ocidental: o que a mitologia dos orixás nos diz sobre as mulheres africanas do século XIX. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Assis, SP.

Azorli, D. F. R. & Cunha, F. L. (2016). Àwọn Omi Òṣàlá: o mito do rei recontado na mitologia dos orixás. Revista Geografia e Pesquisa, 10(2), 9-16.

Bairrão, J. F. M. H. (2005). A escuta participante como procedimento de pesquisa do sagrado enunciante. Estudos de Psicologia, 10(3), 441-446.

Bairrão, J. F. M. H. & Leme, F. R. (2003). Mestres bantos da Alta-Mogiana: Tradição e memória da umbanda em Ribeirão Preto. Memorandum, 4, 5-32.

Barros, M. (2007). Jesus de Nazaré, Orixá da Compaixão (Elementos de uma Cristologia afrobrasileira). Identidade!, 12, 30-38.

Bhabha, H. K. (1998). O local da cultura. Belo Horizonte: EDUFMG.

Brasil. Constituição Política do Império do Brazil, de 25 de março de 1824. Recuperado em 25 de setembro de 2019, de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao24.htm>.

Brasil. Código Criminal do Império do Brazil, de 16 de dezembro de 1830. Recuperado em 25 de setembro de 2019, de <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/lim/LIM-16-12-1830.htm>.

Carvalho, J. B. B. & Bairrão, J. F. M. H. (2019). Umbanda e quimbanda: alternativa negra à moral branca. Psicologia USP, 30, 1-11.

CMS (1980). A Dictionary of the Yoruba language. Ibadan: Oxford University Press.

Diop, C. A. (2014). A Unidade Cultural da África Negra: esferas do patriarcado e do matriarcado na antiguidade clássica. Angola: Pedago.

Gaia, R. S. P., Vitória, A. S., & Roque, A. T. (2020). Candomblé no Brasil: resistência negra na diáspora africana. Jundiaí, SP: Paco Editorial.

Gonçalves, K. J. F. (2009). Oxum, mãe da beleza: o poder da divindade de maior popularidade do panteão afro-brasileiro. Saber Científico, 2(1), 1-14.

Kileury, O., & Oxaguiã, V. (2014). O candomblé bem explicado: Nações Bantu, Iorubá e Fon. Rio de Janeiro: Pallas.

Magnani, J. G. C. (1986). Umbanda. São Paulo: Ática.

Marques, F. C. A. (2017). Algumas considerações sobre Umbanda e Candomblé no Brasil. Revista Contemplação, 15, 82-99.

Molina, D. (2017). A intolerância religiosa não vai calar nossos tambores. Carta Capital, edição de 9 de outubro de 2017. Recuperado de <https://www.cartacapital.com.br/diversidade/a-intolerancia-religiosa-nao-vai-calar-os-nossos-tambores/>.

Nascimento, A. (2016). O Genocídio do Negro Brasileiro. Processo de um racismo mascarado. São Paulo: Perspectiva.

Negrão, L. N. (1996). Entre a cruz e a encruzilhada: formação do campo umbandista em São Paulo. São Paulo: EDUSP.

Nogueira, S. B. (2008). A Palavra Cantada em Comunidades-terreiro de Origem Iorubá no Brasil: da Melodia ao Sistema Tonal. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Nogueira, S. G. & Guzzo, R. S. L. (2016). Psicologia africana: diálogos com o sul global. Revista Brasileira de Estudos Africanos, 1(1), 197-218.

Oliveira, H. C. M. (2012). Espaço e Religião, Sagrado e Profano: uma contribuição para a geografia da religião do movimento pentecostal. Caderno Prudentino de Geografia, 34(2), 135-161

Oliveira, A. R. & Xavier, L. F. (2017). A Doutrina da Trindade: fundamentação bíblico-sistemática e paradigmas para a atualidade. Davar Polissêmica, 11(1), 1-12.

Opipari, C. (2009). O candomblé: imagens em movimento – São Paulo-Brasil. São Paulo: EDUSP.

Ortiz, R. (1999). A morte branca do feiticeiro negro: Umbanda e sociedade brasileira. São Paulo: Brasiliense.

Parés, L. N. (2018). A formação do Candomblé: História e ritual da nação jeje na Bahia. 3ª ed. Campinas: Editora da Unicamp.

Parizi, V. G. (2005). Encruzilhadas e Travessias: o encontro do humano e do divino na casa de Candomblé Ilê Axé Kalamu Funfum sob o olhar da Psicologia Transpessoal e da poética de Gaston Bachelard. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, SP.

Pinheiro, E. N. (2008). O espetáculo das Águas: um estudo sobre o ritual das Águas de Oxalá do Axé Opô Afonjá – Século XIX. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em História, Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Prandi, R. (2001). Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras.

Prandi, R. (2003). As religiões afro-brasileiras e seus seguidores. Civitas – Revista de Ciências Sociais, 3(1), 15-33.

Prandi, R. (2004). Oxumarê, o arco-íris: mais histórias dos deuses africanos que vieram para o Brasil com os escravos. São Paulo: Companhia das Letrinhas.

Quadros, E. M. (2017). Sagrado, memória e rito no catolicismo. Caminhos, 15(2), 299-312.

Rabelo, M. C. M. (2014). Enredos, feituras e modos de cuidado: dimensões da vida e da convivência no candomblé. Salvador: EDUFBA.

Rangel, V. C. T. M. (2013). “Nem tudo é mediável”. A invisibilidade dos conflitos religiosos e as formas de administração de conflitos de pacificação social (mediação e conciliação) no Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, RJ.

Rocha, A. M. (2000). As nações Kêtu: origens, ritos e crenças. Os candomblés antigos do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Mauad.

Scorsolini-Comin, F. (2017). Espiritualidade e brasilidade na clínica etnopsicológica. Psicologia Clínica, 29(2), 319-338.

Scorsolini-Comin, F., & Campos, M. T. A. (2017). Narrativas desenvolvimentais de médiuns da umbanda à luz do modelo bioecológico. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 17(1), 364-385.

Silva, A. C. (2017). A Tradição Oral no Candomblé. Trabalho de Conclusão de Curso, Especialização em Religiões e Religiosidades Afro-Brasileira: Política de Igualdade Racial em Ambiente Escolar, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG.

Silva, V. G. (2005). Candomblé e umbanda: caminhos da devoção brasileira. 2ª ed. São Paulo: Selo Negro.

Silva, V. G. (2015). Intolerância religiosa. 2ª ed. São Paulo: EDUSP.

Simões, M. C. S. R. (2019). Escrever a resistência: uma análise das dinâmicas religiosas como narrativas insurgentes na Revolta dos Malês. Numen: Revista de Estudos e Pesquisa da Religião, 22(1), 43-56.

Slenes, R. W. (1992). “Malungu, ngoma vem!”: África coberta e descoberta do Brasil. Revista USP, 12, 48-67.

Sodré, M. (2002). O Terreiro e a Cidade: a forma social negro-brasileira. Salvador: Imago.

Souza, N. S. (1990). Tornar-se negro. Ou as vicissitudes da Identidade do Negro Brasileiro em Ascensão Social. 2a ed. Rio de Janeiro: Graal.

Veleci, N. N. (2017). Cadê Oxum no espelho constitucional?: obstáculos sóciopolítico-culturais para o combate às violações dos direitos dos Povos e Comunidades Tradicionais de Terreiros. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Direitos Humanos e Cidadania, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Verger, P. F. (1997). Lendas africanas dos Orixás. (M. A. Nóbrega, Trad.). 4ª ed. Salvador: Corrupio. (Original publicado em 1985).

Verger, P. F. (2002). Orixás: Deuses iorubás na África e no Novo Mundo (M. A. Nóbrega, Trad.). Salvador: Corrupio. (Original publicado em 1981).

Verger, P. (2019). Notas sobre o culto aos orixás e voduns na Bahia de todos os Santos, no Brasil, e na Antiga Costa dos Escravos, na África. (C. E. M. Moura, Trad.). São Paulo: EDUSP. (Original publicado em 1957).

Publicado
2020-05-19
Como Citar
Gaia, R. da S. P., & Scorsolini-Comin, F. (2020). Candomblé Ketu e o sincretismo religioso no Brasil. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 37. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2020.16346
Seção
Artigos