Representações sociais de ciganos

ancoragem histórica, categorização social e a invenção do outro cigano

  • Mariana Bonomo Universidade Federal do Espírito Santo
  • Giannino Melotti Università di Bologna
  • Lorena Schettino Lucas Universidade Federal do Espírito Santo
  • Roberta Rangel Batista Universidade Federal do Espírito Santo
  • Grecy Kelle de Andrade Cardoso Universidade Federal do Espírito Santo
  • Isabele Santos Eleotério Universidade Federal do Espírito Santo
Palavras-chave: ciganos, psicologia social, representações sociais

Resumo

O tempo histórico manifesta o trabalho de elaboração dos grupos humanos na construção de diferentes objetos sociais que constituem a vida social. A partir do objetivo de se refletir sobre as representações sociais de ciganos entre não-ciganos, participaram do estudo 319 sujeitos, com idades entre 17 e 54 anos. A coleta dos dados foi realizada por meio da aplicação de questionários e o tratamento dos dados foi conduzido por intermédio da análise fatorial de correspondência, análise de cluster, análise de conteúdo categorial-temática e teste qui-quadrado. Nos resultados, foram identificadas três diferentes representações sociais sobre os ciganos a partir da imagem da cigana vidente, de uma cultura de liberdade e como indesejáveis, associadas a justificativas centradas na experiência do sujeito, em explicações endógenas ao grupo e comparativas entre ciganos e não-ciganos. Essa configuração orientou o debate sobre a produção de significados de densidade social a partir da ancoragem histórica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Bonomo, Universidade Federal do Espírito Santo

Mariana Bonomo possui Graduação e Doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo/Brasil. Atualmente, é docente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia e do Departamento de Psicologia Social e do Desenvolvimento, na linha de pesquisa de Processos Psicossociais, na Universidade Federal do Espírito Santo/Brasil.

Giannino Melotti, Università di Bologna

Giannino Melotti possui Graduação em Pedagogia e Doutorado em Psicologia, na Universidade de Bolonha/Itália. É docente do Departamento de Ciências da Educação na Universidade de Bolonha/Itália.

Lorena Schettino Lucas, Universidade Federal do Espírito Santo

Lorena Schettino Lucas é Psicóloga, Mestre e Doutoranda em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia, na Universidade Federal do Espírito Santo. Docente do Colegiado de Psicologia da Faculdade Multivix de Vila Velha e na Escola Técnica de Saúde do Espírito Santo (ETESES) – ES, Brasil.

Roberta Rangel Batista, Universidade Federal do Espírito Santo

Roberta Rangel Batista é Psicóloga, Mestre e Doutora em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo (PPGP/UFES). É Coordenadora de Curso e Docente no Colegiado de Psicologia e Pedagogia da Faculdade Multivix Serra/ES, atuando também como Docente na Pós-Graduação EAD.

Grecy Kelle de Andrade Cardoso, Universidade Federal do Espírito Santo

Grecy Kelle de Andrade Cardoso é Psicóloga, Mestre e Doutoranda em Psicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Espírito Santo/Brasil.

Isabele Santos Eleotério, Universidade Federal do Espírito Santo

Isabele Santos Eleotério possui graduação em Comunicação Social/Jornalismo e em Psicologia, mestrado, doutorado em Psicologia pela Universidade Federal do Espírito Santo. Atualmente, é docente do curso de Psicologia do Centro Universitário do Espírito Santo / UNESC.

Referências

Almeida, A. M. O. (2009). Abordagem Societal das Representações Sociais. Sociedade e Estado, 24(3), 713-737.

Andrade Júnior, L. (2013). Os ciganos e os processos de exclusão. Revista Brasileira História, 33(66), 95-112.

Arruda, A. (2002). Teoria das representações sociais e teorias de gênero. Cadernos de Pesquisa, (117), 127-147.

Bardin, L. (2002). Análise de conteúdo (L. A. Reto & A. Pinheiro, Trads). Lisboa: Edições 70. (Original publicado em 1977).

Bonomo, M., Cardoso, G. K. A., Faria, J. M. G., Brasil, J. A. & Souza, L. (2017). Os eternos estrangeiros: contato, campo afetivo e representações sociais de ciganos entre não ciganos da grande Vitória/ES. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 12(3), 1-19.

Bonomo, M.; Faria, J., Souza, L. & Brasil, J. (2012). Temor e fascínio: dimensão afetiva e representações sociais de ciganos entre população não cigana. Psicologia e Saber Social, 1(2), 245-264. https://doi.org/10.12957/psi.saber.soc.2012.4903

Brasil (2013a). Brasil cigano-Relatório Executivo I Semana Nacional Dos Povos Ciganos, 1-49. SEPPIR, Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Brasília. Recuperado em 13 de janeiro, 2020, de http://www.seppir.gov.br/comunidades-tradicionais/relatorio-executivo-brasil-cigano.pdf

Brasil (2013b). Guia de Políticas Públicas Para Povos Ciganos. SEPPIR, Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, Brasília. Recuperado em 13 de janeiro, 2020, de http://www.seppir.gov.br/portal-antigo/.arquivos/guia-de-politicas-publicas-para-povos-ciganos/view

Brasil (2016). Subsídios para o cuidado à saúde do Povo Cigano. Ministério da Saúde, Brasília. Recuperado em 13 de janeiro, 2020, de http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/subsidios_cuidado_saude_povo_cigano.pdf

Brasil (2018). Atendimento a povos ciganos no SUAS. Ministério do Desenvolvimento Social, Brasília. Recuperado em 13 de janeiro, 2020, de https://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/informe/Povos_Ciganos.pdf

Cabecinhas, R. (2004). Social representations, intergrupal relationships and social cognition. Paidéia (Ribeirão Preto), 14(28), 125-137. https://doi.org/10.1590/S0103-863X2004000200003

Cardoso, G. K. A. & Bonomo, M. (2019). Infância calin: socialização étnica e identidade social entre crianças ciganas. Psicologia: Ciência e Profissão, 39(esp.), e2222651. https://doi.org/10.1590/1982-3703003222651

Clémence, A., Green, E. G. T. & Courvoisier, N. (2011). Comunicação e ancoragem: a difusão e a transformação das representações. Em A. M. O. Almeida, M. F. S. Santos & Z. A. Trindade (Orgs). Teoria das Representações Sociais – 50 anos (pp. 238-259). Brasília: Technopolitik.

Doise, W. (1986). Les Représentations sociales: définition d'un concept. Em W. Doise & A. Palmonari (Orgs). Textes de base en psychologie: l'étude des représentations sociales (pp.81-94). Lausanne: Delachaux et Niestlé.

Doise, W. (2002). Da psicologia social à psicologia societal. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 18(1), 27-35.

Fazito, D. (2006). A identidade cigana e o efeito de “nomeação”: deslocamento das representações numa teia de discursos mitológico-científicos e práticas sociais. Revista de Antropologia, 49(2), 689-729.

Ferrari, F. & Fotta, M. (2014). Brazilian Gypsiology – a view from anthropology. Romani Studies 5, 24(2), 111–136.

Galli, I. (2006). La teoria delle rappresentazioni social. Bologna: Il Mulino.

Hancock, I. (2008). The “gypsy” stereotype and the sexualization of romani women. Em V. Glajar & D. Radulescu (Orgs). “Gypsies” in European Literature and Culture (pp. 181-191). New York: Palgrave Macmillan.

Hilkner, R. R. & Hilkner, M. (2012). Ciganos: um mosaico étnico. Em Congresso Internacional de Pedagogia Social. São Paulo, SP: Associação Brasileira de Educadores Sociais. Recuperado em 13 de janeiro, 2020, de http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000092012000200022&lng=en&nrm=abn

Jodelet, D. (2005). Loucuras e representações sociais (L. Magalhães, Trad.). Petrópolis: Vozes. (Original publicado em 1989).

Jodelet, D. (2015). Représentations sociales et mondes de vie. Paris: Éditions des Archives Contemporaines.

Jodelet, D. & Haas, V. (2014). Memorie e rappresentazioni sociali. Em A. Palmonari & F. Emiliani (Orgs). Psicologia delle rappresentazioni sociali (pp. 123-147). Bologna: Il Mulino.

Jovanović, J., Kóczé, A. & Balogh, L. (2015). Intersections of gender, ethnicity, and class: history and future of the romani women’s movement. Budapest: Central European University.

Lebart, S. & Salem, A. (1988). L'analyse statistique de données textuelles. Paris: Bordas.

Lima, J. A. (2013). Por uma análise de conteúdo mais fiável. Revista Portuguesa de Pedagogia, 47(1), 7-29.

Lima, M. E. O., Faro, A. & Santos, M. R. (2016). A desumanização Presente nos Estereótipos de Índios e Ciganos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(1), 219-228.

Marques, A. C. S. (2015). Telenovela e política: perspectivas e modos de abordagem. Significação, 42(44), 318-338.

Mazotti, A. J. A. & Campos, P. H. F. (2011). Cibercultura: uma nova “era” das representações sociais? Em A. M. O. Almeida, M. F. S. Santos & Z. A. Trindade (Orgs). Teoria das Representações Sociais – 50 anos (pp. 606-649). Brasília: Technopolitik.

Mendonça, A. P. & Lima, M. E. O. (2014). Representações sociais e cognição social. Psicologia e Saber Social, 3(2), 191-206.

Moliner, P., Lorenzi-Cioldi, F. & Vinet, E. (2009). Utilité sociale des représentations intergroupes de sexe. Domination masculine, contexte professionnel et discrimination positive. Les Cahiers Internationaux de Psychologie Sociale, 83(3), 25-44.

Moonen, F. (2012). Anticiganismo e Políticas Ciganas na Europa e no Brasil. Recife: Núcleo de Estudos Ciganos.

Moscovici, S. (2003). Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis, RJ: Vozes.

Moscovici, S. (2005). Le rappresentazioni sociali. Bologna: Il Mulino.

Moscovici, S. (2009). Os ciganos entre perseguição e emancipação. Sociedade e Estado, 24(3), 653-678.

Palmonari, A., Cavazza, N. & Rubini, M. (2002). Psicologia sociale. Bologna: Il Mulino.

Perez, J. A., Moscovici, S. & Chulvi, B. (2007). The taboo against group contact: Hypothesis of Gypsy ontologization. British Journal of Social Psychology, 46, 249–272.

Pivetti, M., Melotti, G. & Bonomo, M. (2017). An exploration of social representations of the Roma woman in Italy and Brazil: Psychosocial anchoring to emotional reactions. International Journal of Intercultural Relations, 58, 12-22. https://doi.org/10.1016/j.ijintrel.2017.03.001

Powell, R. (2008). Understanding the stigmatization of gypsies: power and the dialectics of (dis)identification, Housing, Theory and Society, 25(2), 87-109.

Powell, R. & Lever, J. (2017). Europe’s perennial ‘outsiders’: A processual approach to Roma stigmatization and ghettoization. Current Sociology, 65(5), 680-699.

Queiroga, L. C. & Nascimento, A. R. A. (2019). Senhora das águas e da canção. Memorandum: memória e história em psicologia, 36, 1-21.

Ravnbøl, C. I. (2010). The human rights of minority women: romani women’s rights from a perspective on international human rights law and politics. International Journal on Minority and Group Rights, 17, 1-45. https://doi.org/10.1163/157181110X12595859744123

Rea, C. A. (2017). Redefinindo as fronteiras do pós-colonial. O feminismo cigano no século XXI. Revista Estudos Feministas, 25(1), 31-50. https://doi.org/10.1590/1806-9584.2017v25n1p311

Santos, M. F. S. S. (2005). A Teoria das Representações Sociais. Em M. F. S. Santos & L. M. Almeida (Orgs). Diálogos com a Teoria das Representações Sociais (pp. 13-38). Recife: Ed. Universitária da UFPE/Ed. Universitária da UFAL.

Schiff, R. A. (2018). The Roma and documentary film: considerations for collection development. Journal of Librarianship and Information Science, 21. https://doi.org/10.1177/0961000618759592

Schneeweis, A. (2017). The Imagined Backward and Downtrodden Other. Journalism Studies, 19(1), 1-20. https://doi.org/10.1080/1461670X.2017.1331708

Schneeweis, A. & Foss, K. A. (2017). “Gypsies, Tramps & Thieves”: Examining Representations of Roma Culture in 70 Years of American Television. Journalism & Mass Communication Quarterly, 94(4), 1146-1171.

Tajfel, H. (1983). Grupos humanos e categorias sociais: estudos em psicologia social II. Lisboa: Livros Horizonte.

Teixeira, R. C. (2008). História dos ciganos no Brasil. Recife: Núcleo de Estudos Ciganos.

Tremlett, A. (2017). Visualising everyday ethnicity: moving beyond stereotypes of Roma minorities. Identities, 24(6), 720-740. https://doi.org/10.1080/1070289X.2017.1379927

Trindade, Z. A., Santos, M. F. S. & Almeida, A. M. O. (2011). Ancoragem: notas sobre consensos e dissensos. Em A. M. O. Almeida, M. F. S. Santos & Z. A. Trindade (Orgs.). Teoria das Representações Sociais – 50 anos (pp. 41-75). Brasília: Technopolitik.

Villano, P., Fontanella, L., Fontanella, S. & Di Donato, M. (2017). Stereotyping Roma people in Italy: IRT models for ambivalent prejudice measurement. International Journal of Intercultural Relations, 57, 30-41. https://doi.org/10.1016/j.ijintrel.2017.01.003

Villas Bôas, L. P. S. (2010). Uma abordagem da historicidade das representações sociais. Cadernos de Pesquisa, 40(140), 379-405.

Villas Bôas, L. (2015). História, memória e representações sociais: por uma abordagem crítica e interdisciplinar. Cadernos de Pesquisa, 45(156), 244-258. http://dx.doi.org/10.1590/198053143290

Vinet, E. & Moliner, P. (2006). Assymétries de la fonction explicative des représentations intergroupes hommes/femmes. Les Cahiers Internationaux de Psychologie Sociale, 69(1), 47-57.

Wachelke, J. F. R. & Camargo, B. V. (2007). Representações sociais, representações individuais e comportamento. Interamerican Journal of Psychology, 41(3), 379-390.

Zammuner, V. L. (1998). Tecniche dell’intervista e del questionario. Bologna: Il Mulino.

Publicado
2020-08-08
Como Citar
Bonomo, M., Melotti, G., Lucas, L. S., Batista, R. R., Cardoso, G. K. de A., & Eleotério, I. S. (2020). Representações sociais de ciganos. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 37. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2020.19907
Seção
Artigos