Os primeiros tempos da psicanálise em Minas Gerais

a difusão das ideias freudianas na década de 1920

  • Rodrigo Afonso Nogueira Santos Universidade Federal de São João del-Rei
  • Fuad Kyrillos Neto Universidade Federal de São João del-Rei
Palavras-chave: história da psicanálise, Minas Gerais, psiquiatria, modernismo, catolicismo

Resumo

No presente artigo, descrevemos as vias pelas quais ocorreu a chegada das ideias freudianas em Minas Gerais. Destacamos que os primeiros leitores de Freud se situaram,ao longo dos anos 1920, nos campos da psiquiatria e das artes, sobretudo na literaturamodernista. Apontamos o quanto essas leituras foram desenvolvidas sem maiores preocupações metodológicas, sendo a psicanálise concebida mais como um acessório para os psiquiatras e modernistas do que como um campo com coordenadas próprias. Ao longo do trabalho, sustentamos o quanto pensadores católicos se constituíram como uma fonte de resistências à chegada da psicanálise, tanto em relação à concepção psicanalítica da sexualidade infantil quanto aos textos freudianos que envolviam a religião. Por fim, identificamos que a tensão entre os leitores da psicanálise e representantes do catolicismo pode ter se constituído como a condição de emergência de um enunciado especificamente mineiro, no qual noções freudianas e bíblicas na acepção católica puderam conviver harmonicamente, aos modos de uma formação de compromisso entre duas forças antagônicas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Afonso Nogueira Santos, Universidade Federal de São João del-Rei
Psicólogo e mestre em psicologia pela Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). E-mail: rodrigoafonsons@gmail.com
Fuad Kyrillos Neto, Universidade Federal de São João del-Rei

Doutor em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) com Pós Doutorado pelo Departamento de Psicologia Clínica da Universidade de São Paulo (IPUSP). Docente do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ). E-mail fuadneto@ufsj.edu.br

Referências

Andrade, C. D. (1987). Crônicas. 1930-1934. Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura de Minas Gerais.

Bueno, A. S. (2012). Revistas modernistas em Portugal e no Brasil. O eixo e a roda, 21(1), 77-88.

Caldeira, R. C. (2011). O catolicismo militante em Minas Gerais: aspectos do pensamento histórico-teológico de João Camillo de Oliveira Torres. Revista brasileira de história das religiões, 4(10). Recuperado em 12 de junho, 2015, de www.dhi.uem.br/ gtreligiao/pdf9/12.pdf

Cantarino, C. (2012). O mito de origem do modernismo brasileiro faz 90 anos. Ciência e Cultura, 64(2), 56-58.

Cesar, G. (1928). Oswald de Andrade: a estrella de absyntho. Verde (Cataguases), 1(5), 23.

Corrêa, E. J. & Gusmão, S. N. S. (2011). Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG: da criação á federalização. Revista Médica de Minas Gerais, 21(1), 105-111. Recuperado em 12 de junho, 2015, de www.rmmg.org/artigo/detalhes/300

Cury, M. Z. F. (1998). Horizontes modernistas: o jovem Drummond e seu grupo em papel jornal. Belo Horizonte: Autêntica.

Duarte, M. A. (2011). Leite Criôlo: da rede modernista nacional à memória monumental do modernismo. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Estudos Literários, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Faculdade de Medicina. (1911). Estatutos da Faculdade de Medicina de Bello Horizonte. Belo Horizonte: Imprensa Official do Estado de Minas Geraes.

Filho, L. V. M. & Cabral, A. A. (Org.s). (2012). Leite Criolo: Belo Horizonte. Belo Horizonte: Instituto Cultural Amilcar Martins.

Freud, S. (1996a). A interpretação dos sonhos. Em S. Freud. Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. IV e V). (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1900).

Freud, S. (1996b). A questão da análise leiga. Em S. Freud. Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. XX). (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1926).

Freud, S. (1996c). As resistências à psicanálise. Em S. Freud. Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. XIX). (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1925[1924]).

Freud, S. (1996d). Dois verbetes de enciclopédia. Em S. Freud. Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. XVIII). (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1923[1922]).

Freud, S. (1996e). Mal-estar na civilização. Em S. Freud. Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. XXI). (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1929).

Freud, S. (1996f). O futuro de uma ilusão. Em S. Freud. Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. XXI). (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1927).

Freud, S. (1996g). Psicologia das massas e análise do Eu. Em S. Freud. Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. XVIII). (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1922).

Freud, S. (1996h). Sobre a psicopatologia da vida cotidiana. Em S. Freud. Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. VI). (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1901).

Freud, S. (1996i). Totem e Tabu. Em S. Freud. Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. XIII). (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1913).

Freud, S. (1996j). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. Em S. Freud. Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. VII). (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1905).

Gageiro, A. M. & Torossian, S. D. (2014). A história da psicanálise em Porto Alegre. Analytica, 3(4), 117–144.

Gay, P. (1989). Freud para historiadores (O. F. Gabbi Júnior, Trad.). Rio de Janeiro: Paz e Terra. (Original publicado em 1985).

Gomes Junior, G. S. (2011). Crítica, combate e deriva do campo literário em Alceu Amoroso Lima. Tempos social, 23(2), 101-133.

Laplanche, J. & Pontalis, J-B. (2004). Diccionario de psicoanálisis (F. G. Cervantes, Trad.). Buenos Aires: Paidós. (Original publicado em 1967).

Lima, A. A. (1929a). Pirandello. Verde (Cataguases), 1(5), 19-21.

Lima, A. A. (1929b). Freud. Rio de Janeiro: Centro Dom Vital.

Lopes, A. (1928). O papel do instinto no mundo atual: Freud. Verde, (Cataguases), 1(5), 13.

Mezan, R. (2014). O tronco e os ramos: estudos de história da psicanálise. São Paulo: Companhia das Letras.

Menezes, M. O. S. (2014). Arthur Ramos e a psicanálise na Bahia. Analytica, 3(4), 88-116.

Moretzsohn, J. A. (1989). História da psiquiatria mineira. Belo Horizonte: Coopmed.

Nava, P. (1978). Beira-Mar. Rio de Janeiro: José Olympio.

Nava, p. (1983). O círio perfeito. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Nunes, S. A. (1988). Da medicina social à psicanálise. Em J. Birman (Org.). Percursos na história da psicanálise (pp. 61-122). Rio de Janeiro: Taurus.

Oliveira, C. L. M. V. (2002). Os primeiros tempos da psicanálise no Brasil e as teses pansexualistas na educação. Ágora, 5(1), 133-154.

Oliveira, C. L. M. V. (2006). História da psicanálise: São Paulo (1920-1969). São Paulo: Escuta.

Pessotti, I. (1999). Os nomes da loucura. São Paulo: 34.

Pimentel, I. (1925). Sobre a psycho-analyse. A Revista, 1(2), 14-15.

Pires, A. (1927). Faculdade de Medicina de Bello Horizonte: subsídios e documentos para a historia da fundação da mesma. Revista do Arquivo Público Mineiro, 21(4), 367-497.

Pires, W. (1928). Clínica neuriátrica ou neurológica. Em Faculdade de Medicina da UFMG (Org.). Programmas e horários do curso médico em 1928: sexto ano. Belo Horizonte: UFMG.

Resende, H. (1928). Notícia sobre os “Estudos” de Tristão de Athayde. Verde (Cataguases), 1(5), 7.

Rocha, G. S. (1989). Introdução ao nascimento da psicanálise no Brasil. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Roudinesco, E. (1995). Genealogias (N. L. Cintra, Trad.). Rio de Janeiro: Relume Dumará. (Original publicado em 1994).

Roudinesco, E. (2006). A análise e o arquivo (A. Telles, Trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 2001).

Roudinesco, E. & Plon, M. (1998). Dicionário de psicanálise (V. Ribeiro & L. Magalhães, Trad.s). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Original publicado em 1997).

Ruffato, L. (Org.). (2005). Ascânio Lopes, todos os possíveis caminhos. Cataguases, MG: Instituto Francisca de Souza Peixoto.

Sant’Ana, R. M. T. (2006). O movimento modernista Verde, de Cataguases - MG. Em Tese, 10, 172-177.

Santos, R. A. N. & Kyrillos Neto, F. (2014). Contribuições para uma historiografia da psicanálise em Minas Gerais. Analytica, 3(4), 145-162.

Silva, A. P. O. (Org.). (2004). Páginas da história: notícias da II Conferência Nacional de Educação da ABE. Belo Horizonte, 4 a 11 de novembro de 1928. Brasília, DF: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.

Vale, V. A. (2009). Pedro Nava – cronista de uma época: medicina e sociedade brasileira (1890 – 1940). Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Verde. (1927). Manifesto do Grupo Verde de Cataguases. Cataguases, MG: Verde.

Publicado
2017-07-02
Como Citar
Santos, R. A. N., & Kyrillos Neto, F. (2017). Os primeiros tempos da psicanálise em Minas Gerais. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 31, 80-106. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2016.6430
Seção
Artigos