Renovando a tradição

o caso da Cavalhada Mirim na comunidade de Morro Vermelho

  • Camila Pereira Lisboa Universidade Federal de Minas Gerais
  • Miguel Mahfoud Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: tradição; responsabilidade; cultura; mundo-da-vida

Resumo

Na comunidade de Morro Vermelho (MG), encontramos uma grande devoção a Nossa Senhora de Nazareth, padroeira do distrito. A ela, dedica-se a festa da Cavalhada, iniciada há 310 anos pelos moradores do lugar. Na década de 80 do século XX, nasce também ali uma nova tradição: a Cavalhada Mirim, encenada por crianças. Entrevistamos três responsáveis pela Cavalhada Mirim de gerações diferentes, no intuito de compreender como eles vivenciam a responsabilidade em criar a festa, mantê-la e transmiti-la a outras pessoas que possam assegurar sua existência. Como resultado, observamos uma legitimação da presença das crianças nas festas tradicionais de Morro Vermelho e um relacionamento pessoal com a figura de Nossa Senhora. Notamos ainda que cada sujeito incorpora um momento dessa trajetória de vida em Morro Vermelho: da iniciação na devoção e nas tradições, até a resposta como responsabilidade, culminando na preocupação pela transmissão às gerações seguintes.

 

Biografia do Autor

Camila Pereira Lisboa, Universidade Federal de Minas Gerais
graduada em Psicologia, especialista em Gestão Pública e mestre em Psicologia Social. Atualmente, trabalha com projetos voltados para o desenvolvimento profissional e humano em contextos comunitários.
Miguel Mahfoud, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutor em Psicologia Social, Professor Associado efetivo no Departamento de Psicologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e coordena o Laboratório de Análise de Processos em Subjetividade (LAPS UFMG).

Referências

Ales Bello, A. (2004). Fenomenologia e ciências humanas: psicologia, história e religião (M. Mahfoud & M. Massimi, Org.s e Trad.s). Bauru, SP: Edusc.

Ales Bello, A. (2006). Introdução à fenomenologia(J. T. Garcia & M. Mahfoud, Trad.s). Bauru, SP: Edusc.

Ales Bello, A. (2010). A questão do sujeito humano. Em Anais do Seminário Internacional de Pesquisa e Estudos Qualitativos, IV, s. p. Rio Claro, SP: Unesp. Recuperado em 25 de janeiro, 2013, de www.sepq.org.br/IVsipeq/anais/artigos/119.pdf

Amatuzzi, M. M. (2001). Por uma psicologia humana. Campinas, SP: Alínea.

Beck, U., Giddens, A. & Lash, S. (1997). Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna(M. Lopes, Trad.). São Paulo: Universidade Estadual Paulistana. (Original publicado em 1995).

Berger, P., Berger, B. & Kellner, H. (1979). Un mundo sin hogar: modernización y conciencia(J. García-Abril, Trad.). Santander, Espanha: Sal Terrae. (Original publicado em 1973).

Berger, P. & Luckmann, T. (2004). Modernidade, pluralismo e crise de sentido: a orientação do homem no mundo moderno(E. Orth, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Original publicado em 1995).

Brandão, C. R. (2005). Pesquisa participante. Em A. L. Ferraro Júnior (Org.). Encontros e caminhos: formação de educadoras(es) ambientais e coletivos educadores(pp. 257-266). Brasília: MMA.

Brandão, C. R. (2007). Reflexões sobre como fazer trabalho de campo. Sociedade e Cultura, 10(1), 11-27.

Canclini, N. G. (1997). Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade (H. P. Cintrão, Trad.). São Paulo: Edusp. (Original publicado em 1989).

Capalbo, C. (1996). Fenomenologia e ciências humanas. Londrina, PR: UEL.

Cavalieri, E. (2010). O rigor científico como questão ética em Edmund Husserl. Em Anais do Seminário Internacional de Pesquisa e Estudos Qualitativos, IV, s. p. Rio Claro, SP: Unesp. Recuperado em 25 de janeiro, 2012, de www.sepq.org.br/IVsipeq/anais/artigos/1.pdf

Cicourel, A. (1990). Teoria e método em pesquisa de campo. Em A. Z. Guimarães (Org.). Desvendando máscaras sociais(pp. 87-121). Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Fabri, M. (2007). Fenomenologia e cultura: Husserl, Levinas e a motivação ética do pensar. Porto Alegre, RS: Edipucrs.

Flick, U. (2004). Umaintrodução à pesquisa qualitativa(S. Netz, Trad.). Porto Alegre: Bookman. (Original publicado em 1998).

Fragata, J. (1959). A fenomenologia de Husserl como fundamento da filosofia. Braga, Portugal: Livraria Cruz.

Geertz, C. (1989). A interpretação das culturas(F. Wrobel, Trad.). Rio de Janeiro: LTC. (Original publicado em 1973).

Giussani, L. (2008). É possível viver assim? uma abordagem diferente da existência cristã (2a ed.). (N. Oliveira & F. Tremolada, Trad.s). Rio de Janeiro: Nova Fronteira. (Original publicado em 1994).

Giussani, L. (2009). O senso religioso(P. A. Oliveira, Trad.). Brasília: Universa. (Original publicado em 1986).

Halbwachs, M. (2004). Los marcos sociales de la memoria (M. A. Baeza & M. Mujica,Trad.s). Caracas: Universidade Central de Venezuela. (Original publicado em 1925).

Halbwachs, M. (2011). A memória coletiva(2a ed.). (L. T. Benoir, Trad.). São Paulo: Centauro. (Original publicado postumamente em 1950).

Husserl, E. (2006). Ideias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica (3a ed.). (M. Suzuki, trad.). Aparecida, SP: Ideias & Letras. (Originais de 1912, publicação póstuma em 1952).

Husserl, E. (2008). A crise das ciências europeias e a fenomenologia transcendental: uma introdução à filosofia fenomenológica(D. F. Ferrer, Trad.). Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa. (Original publicado postumamente em 1954).

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE] (2002).Censo demográfico 2000: resultados do universo.Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado em 15 de outubro, 2012, de www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2000/default.shtm

Leite, R. V. (2011). Viver a tradição e encontrar a alteridade cultural: investigação fenomenológica na comunidade rural de Morro Vermelho. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Leite, R. V. & Mahfoud, M. (2007a). Cuidar da educação, da cultura e de si: horizontes de uma experiência de resgate da cultura popular na escola. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 17(2), 74-86. Recuperado em 18 de abril, 2012, de www.revistasusp.sibi.usp.br/pdf/rbcdh/v17n2/09.pdf

Leite, R. V. & Mahfoud, M. (2007b). Memória coletiva, cultura e educação: horizontes de uma experiência de resgate da cultura popular na escola. Em Anais Seminário Memória, Ciência e Arte, V, s. p. Campinas, SP: Centro de Memória da Unicamp. Recuperado em 19 de dezembro, 2011, de www.preac.unicamp.br/memoria/textos/Roberta Vasconcelos Leite e Miguel Mahfoud -completo.pdf

Leite, R. V. & Mahfoud, M. (2010a). “A tradição faz parte do distrito, agora está fazendo parte da escola”: a articulação entre cultura popular e educação escolar na comunidade rural de Morro Vermelho. Revista@mbientação, 3(1), 52-74. Recuperado em 8 de abril, 2012, de www.cidadesp.edu.br/old/revista_educacao/pdf/volume_3_1/roberta.pdfLeite, R. V. & Mahfoud, M. (2010b). Contribuciones de la fenomenogía a las investigationes sobre culturapopular y educación.

Krínen, 7, 127-150. Loizos, P. (2002). Vídeo, filme e fotografias como documentos de pesquisa. Em M. W. Bauer & G. Gaskel (Org.s). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som(pp. 137-155). (P. A. Guareshi, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Original publicado em 2000).

Mahfoud, M. (2001a). Empenhado na mudança do milênio: identidade, história e profecia em uma comunidade rural tradicional. Memorandum, 1, 2-12. Recuperado em 15 de janeiro, 2011, de www.fafich.ufmg.br/memorandum/artigos01/mahfoud01.htm

Mahfoud, M. (2001b). Percorrendo as distâncias memória e história. Em A. Hoffmann, J. L. O. Bueno & M. Massimi (Org.s). Percorrer distâncias: um desafio para a razão humana (pp. 53-64). São Paulo: Companhia Ilimitada.

Mahfoud, M. (2003).Folia de Reis: festa raiz: psicologia e experiência religiosa na Estação Ecológica Juréia-Itatins. São Paulo: Companhia Ilimitada.

Mahfoud, M. (2005). Formação da pessoa e caminho humano: Edith Stein e Martin Buber. Memorandum, 8, 52-61. Recuperado em 25 de junho, 2013, de www.fafich.ufmg.br/memorandum/artigos08/mahfoud02.htm

Mahfoud, M., & Massimi, M. (2009). Cultural dynamics in a brazilian community. Em A. C. S. Bastos & E. P. Rabinovich (Org.s). Living in poverty: developmental poetics of cultural realities(pp. 49-68).Charlotte, Estados Unidos da América: Information Age Publishing.

May, T. (2004). Pesquisa social: questões, métodos e processos (3a ed.). (C. A. S. N. Soares, Trad.). Porto Alegre: Artmed. (Original publicado em 1993).

Pereira, A. C. & Mahfoud, M. (2006). Contribuições da memória coletiva e da história para a formação da pessoa e a emersão da singularidade na comunidade tradicional de Morro Vermelho. Em Anais do Seminário Internacional de Pesquisa, III, s. p. São Bernardo do Campo, SP:Unesp. Recuperado em 07 de março, 2007, de www.sepq.org.br/IIIsipeq/anais/pdfs/pmchf5.pdf

Stein, E. (2003). Estructura de la persona humana. EmE. Stein. Obras completas, vol. IV: escritos antropológicos y pedagógicos(pp. 555-749). (F. J. Sancho e col., Trad.s.). Vitoria, Espanha: El Carmen. (Originais de 1932-33, publicação póstuma em 1994).

Stein, E. (2005). Sobre el problema de la empatía. Em E. Stein. Obras completas, vol II: escritos filosóficos (pp.55-203). (C. R. Garrido & J. L. C. Bono, Trad.s). Burgos, Espanha: Monte Carmelo. (Original publicado em 1917).

Thiollent, M.(1986). Metodologia da pesquisa-ação(2a ed.). São Paulo: Cortez.

van der Leeuw, G. (2009). A religião em sua essência e suas manifestações: fenomenologia da religião, 1933, epílogo. (A. F. Holanda, Trad.). Revista da Abordagem Gestáltica, 15(2), 179-183. (Original publicado em 1933). Recuperado em 23 de julho, 2010, de http://pepsic.bvs-psi.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-68672009000200 014&lng=pt&nrm=iso.

Zilles, U. (1994). Teoria do conhecimento. Porto Alegre: Edipucrs.

Publicado
2015-10-24
Como Citar
Lisboa, C. P., & Mahfoud, M. (2015). Renovando a tradição. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 29, 112-132. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6473
Seção
Artigos