Desafios da família brasileira em gerar e transmitir capital social familiar

  • Wladimir Porreca Universidade de Brasília
Palavras-chave: família; relações familiares; capital social; capital social familiar; psicologia comunitária

Resumo

Diante das diversas mudanças societárias e culturais, bem como, das ambivalências e fragmentações das políticas públicas que, em contexto brasileiro, geram o aumento de desigualdades e mazelas sociais, a família brasileira reage, se adapta, sobrevive e continua a ser fundamental e necessária para a vida humana, além de eixo principal da sociedade brasileira, principalmente, por produzir bens relacionais entre seus membros e para a sociedade. Este artigo, em seu conjunto, procura visualizar a família, em meio aos desafios da sociedade brasileira, como espaço adequado para as relações humanas de reciprocidade, confiança, gratuidade e cooperação, que por meio dos recursos e potencialidades próprios, pode gerar e transmitir Capital Social, que assume o status de Capital Social Familiar. E por fim, apresenta a Psicologia Comunitária e suas estratégias de intervenção como um importante recurso, que pode ser utilizado para subsidiar, intervir e contribuir para com as famílias brasileiras.

 

Biografia do Autor

Wladimir Porreca, Universidade de Brasília
pós doutorando em Psicologia Clínica no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura da Universidade de Brasília. Endereço: SQN 211 Bloco B, apto.303,  Asa Norte, 70863020, Brasília-DF, Brasil.

Referências

Alves, F., Ortigão, I.& Franco, C. (2007). Origem social e risco de repetência: interação raça-capital econômico.Cadernos de pesquisa,37(130),161-180.

Amaral,M. S., Holzschuh,G. C. & Serpa M. G. (2012). Psicologia comunitária e a saúde pública: relato de experiência da prática psi emuma Unidade de Saúde da Família. Psicologia Ciência e Profissão, 32(2), 484-495. Recuperadoem 15 de agosto, 2014, de www.readcube.com/articles/ 10.1590/s1414 -98932012000200015

Baquero, M. (2008). Democracia formal, cultura política informal e capital social no Brasil. Opinião Pública, 14(2), 380-413.

Bezerra, I. A.& de Goes, P. S. A. (2014). Associação entre capital social, condições e comportamentos de saúde bucal.Ciência & Saúde Coletiva,19(6), 1943-1950.

Bonamino,A., Alves,F.,Franco,C. & Cazelli,S. (2010). Os efeitos das diferentes formas de capital no desempenho escolar: um estudo à luz de Bourdieu e de Coleman. Revista Brasileira de Educação, 15(45). Recuperado em 24 junho, 2014, de www.scielo.br/pdf/rbedu/v15n45/07.pdf

Bourdieu, P. (1993). La famille comme catégorie réalisée. Actes de la Recherche en Sciences Sociales, 100, 32-36. Recuperado em 01 outubro, 2014, de didel.script.univ-paris diderot.fr/claroline/backends/download.php?url=L1REXzMvYXJ0aWNsZV9Cb3VyZGlldV8tX0ZhbWlsbGVfY2F0w6lnb3JpZV9yw6lhbGlzw6llX2Fyc3NfMTk5M19udW1fMTAwLnBkZg%3D%3D&cidReset=true&cidReq=54SO2272_001

Carvalho, M. C.B.(2005). Famílias e políticas públicas. Em A. R. Acosta & M. A. F. Vitale (Org.s). Família:redes, laços e políticas públicas (pp. 269-274). São Paulo:Cortez.

Castilho, W.C.P. (2001).Nas trilhas do trabalho comunitário e social: teoria, método e prática. Petrópolis, RJ:Vozes.

Coleman, J. S. (1988). Social capital in the creation of human capital. American Journal of Sociology,94,S95-S120.Recuperado em 12 de maio, 2014, dewww.jstor.org/stable/2780243

Cordaz, A. S. D. (2004). Capitale sociale, reti e disagio sociale: materiali empirici da un'esperienza di ricerca. Pisa, Itália: Università di Pisa.

Costa, A. B. (2005). Cooperação e capital social em arranjos produtivos locais. Em Anais Encontro Nacional de economia, XXXIII(s. p.). Recuperado em 12de maio, 2014, de www.anpec.org.br/encontro2005/artigos/A05A113.pdf

Cox, E. A. (1995). Truly civil society. Sidney: ABC Books.Cunha, L. A. G. (2000). Confiança, capital social e desenvolvimento territorial. Ra'e Ga,4, 49-60.

Danes, S. M.,Stafford, K.,Haynes, G. & Amarapurkar, S. (2009). Family capital of family firms: bridging human, social, and financial capital.Family Business Review, 22(3),199-215. Recuperado em 24 de junho, 2014, de fbr-sagepub-com.ez54.periodicos.capes.gov.br/content/22/3/199

Demo, P. (2003). A pobreza da pobreza. Petrópolis, RJ: Vozes.

Donati, P. (2003a). La famiglia come capitale sociale primário. Em P. Donati. Famiglia e capitale sociale nella società italiana(pp. 31-101). Cinisello Balsamo, Itália: San Paolo.

Donati, P. (2003b). Sociologia delle politiche familiari. Roma: Carocci.

Donati, P. (2005). Manuale di sociologia della famiglia. Roma: Laterza.

Donati, P. (2007). L’approccio relazionale al Capitale Sociale. Sociologia e Politiche Sociali, 10(1), 9-39.

Donati, P. (2011). Beni relazionali e capitale sociale. Em P. Donati & R. Solci(Org.s). I beni relazionali: che cosa sonoe quali effetti producono(pp. 140–189). Torino, Itália: Bollati Boringhieri.

Donati, P. (2012). I beni e mali generati della famiglia a seconda dele sue qualità. Em P. Donati (Org.) Famiglia risorsa della società (pp. 10-58). Bolonha, Itália: Mulino.

Dowbor, L. (2015). A economia da família. Psicologia USP, 26(1), 15-26. Recuperado em 24 de junho, 2015, de www.scielo.br/pdf/pusp/v26n1/0103-6564-pusp-26-01-00015.pdf

Fukuyama, F. (1995). Trust: the social virtutes and the creation of the prosperity. New York: Free Press.

Gianezini, M.,Gianezini, Q. D.,Scarton, L.&Rodrigues,R. G. (2009). O cooperativismo e seu papel no processo de desenvolvimento local: a experiência das cooperativas agrícolas no médio norte de Mato Grosso.Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural-SOBER. Recuperado em08de setembro, 2014, de www.sober.org.br/palestra/13/1319.pdf

Góis, C. W. L. (2005). Psicologia comunitária:atividade e consciência. Fortaleza: Instituto Paulo Freire de Estudos Psicossociais.Godbout, T. (2007). Ce qui circule entre nous: donner, recevoir, rendre. Paris: Le Seuil.

Goldani, A. M. (2002). Família, gênero e políticas: famílias brasileiras nos anos 90 e seus desafios como fator de proteção. Revista Brasileira de Estudos Populacionais,19(1), 29-48.

Hanifan, L. J. (1916). The rural school community center. The Annals of the American Academy of Political and Social Science, 67, 130-138. Recuperado em 8 de setembro, 2014, dewww.jstor.org/stable/1013498?seq=1#page_scan_tab_contents

Hasenbalg, C. (2003). A distribuição de recursos familiares.Em C. Hasenbalg & N. V. Sila (Org.s).Origens e destinos: desigualdades sociais ao longo da vida (pp. 147-172).Rio de Janeiro: Tobook.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE] (2010). Pesquisa nacional por amostra de domicílios: síntesede indicadores2009. Rio de Janeiro: Autor. Recuperado em 8 de setembro, 2014, de biblioteca.ibge.gov.br/biblioteca-catalogo.html?view=detalhes&id =245767

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE] (2013). Pesquisa nacional de amostra por domicílio. Rio de Janeiro: Autor. Recuperado em 8 de setembro, 2014, dewww.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2013/default.shtm

Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística [IBOPE] (2013, 2 de agosto). Cai a confiança dos brasileiros nas instituições.Recuperado em 8 de setembro, 2014, de www.ibope.com.br/pt-br/noticias/Paginas/Cai-a-confianca-dos-brasileiros-nas-instituicoes-.aspx

Loch, M. R., Souza, R. K. T. D., Mesas, A. E., González, A. D.& Rodriguez-Artalejo, F. (2015). Association between social capital and self-perception of health in Brazilianadults.Revista de saúde publica,49, 1-9.

Mauss, M. (2001). Ensaio sobre a dádiva(A. F. Marques, Trad.). Lisboa: Edições 70. (Original publicado em 1925).

Mesquita, A.P. (2011). A família como centralidade nas políticas públicas: a constituição da agenda política da assistência social no Brasil e as rotas de reprodução das desigualdades de gênero. Em Anais Ciclo de Debates Acadêmico IPEA, I (s. p.).Recuperado em 07 denovembro, 2015, dewww.ipea.gov.br/code2011/chamada2011/pdf/area2/area2-artigo29.pdf

Montero, M. (2004). Introducción a la psicología comunitária: desarrollo, conceptos y procesos. Buenos Aires: Paidós

Montero, M. & Serrano-Garcia, I. (2011). Historiasde la psicología comunitaria en América Latina: participación y transformación.Buenos Aires: Paidós.

Moreira, L.V.C.& Rabinovich, E.P. (2011). Família e parentalidade: olhares da psicologia e da história. Curitiba: Juruá.

Moura,J. F., Jr.,Cidade,E. C.,Ximenes,V. M.& Sarriera, J. C. (2014).Concepções de pobreza: um convite à discussão psicossocial. Temas em Psicologia,22(2), 341-352. Recuperado em 25 de junho, 2014, de pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v22n2/v22n2a07.pdf

Nepomuceno, L. B., Ximenes, V. M., Cidade, E. C., Mendonça, F. W O. & Soares, C. A. (2008). Por uma psicologia comunitária como práxis de libertação. Psico, 39(4), 456-464.

Nicola, P. (2006). Dalla società civile al capitale sociale: reti associative e strategiedi prossimità. Milano: FrancoAngeli.

Oliveira, I. F. & Amorim, K. M. O. (2012). Psicologia e política social: otrato à pobreza como “sujeito psicológico”. Psicologia Argumento, 30(70), 559-566.

Paiva, I. L. & Yamamoto, O. H. (2010). Formação e prática comunitária do psicólogo no âmbito do “terceiro setor”.Estudos de Psicologia,15(2), 153-160.

Peixoto, C.E.,Singly, F. & Cicchelli, V. (2000). Família e individualização. Rio de Janeiro: FGV.

Pereira, P. A. P. (2009). Discussões conceituais sobre política social como política pública e direito de cidadania. Em I. Boschetti, E. R. Behring, S.M. M. Santos&R. C. T. Mioto (Org.s). Política social no capitalismo: tendências contemporâneas(pp. 87-108). São Paulo: Cortez.

Petrini G. (2009). Significado social da família. Cadernos de Arquitetura e Urbanismo,16(18+19), 112-123. Recuperado em 20 de maio, 2014, de periodicos.pucminas.br/index.php/ Arquiteturaeurbanismo/article/view/1204/ 1248

Petrini, J.C.,Fonseca, R.&Porreca, W. (2010). Pobreza, capital humano, capital social e familiar. Memorandum, 19, 184-187. Recuperado em 20 de setembro, 2014, de www.fafich.ufmg.br/memorandum/revista/wpcontent/uploads/2010/12/petrinifonsecaporreca01.pdf

Petrini, G., Alcântara, M. A. R., Moreira, L. V. C., Reis, L. P. C., Fonseca, R. S. S. & Dias, M. C. (2012). Família, capital humano e pobreza: entre estratégias de sobrevivência e projetos de vida. Memorandum, 22, 165-186. Recuperado em 19 de novembro, 2015, dewww.fafich.ufmg.br/memorandum/a22/petrinialmorefodi01

Porreca, W. (2013a).Famílias em segunda união: questões pastorais(3aed.). São Paulo: Paulinas.

Porreca, W. (2013b). Filhos desafios e adaptações na família em segunda união. São Paulo: Paulinas.

Prandini, R. (2006). Il capitale sociale familiare:cos’è, come si distribuisce e quali correlazioni ha con gli altricapitali sociali. Em P. Donati &I.Colozzi(Org.s).Capitale sociale delle famiglie e processi di socializzazione(pp.19-60). Milano: FrancoAngeli.

Prandini, R. (2007). Il capitale sociale familiare in prospecttiva relazionale: come definirlo, misurarlo e sussidiarlo. Sociologia e Politiche Sociali,10(1), 41-74.

Prandini, R. (2012). Famiglia e capitale sociale. Em P. Donati (Org.).Famiglia risorsa della società(pp. 243-266). Bolonha, Itália: Mulino.

Pratta, E.M.M. & Santos, M.A. (2007). Família e adolescência: ainfluência do contexto familiar no desenvolvimento psicológico de seus membros. Psicologia em Estudo,12(2), 247-256. Recuperado em 22 de setembro, 2014, de www.scielo.br/scielo.php?pid=S14137372200 7000 200005 &script= sci_ arttext

Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento[PNUD]. (2014, 24 de julho). Brasil sobe uma posição no ranking do IDH e fica em 79º entre 187 países.Recuperado em 22 de setembro, 2014, de, de www.pnud.org.br/noticia.aspx?id=3909

Putnam, R. D. (2000). Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna(L.A.Monjardim, Trad). Rio de Janeiro: FGV.(Original publicado em 1993).

Rossi,G. & Boccacin, L.(2007).Il capitale sociale in un'organizzazione multilivello di terzo settore. Milano: FrancoAngeli.

Sarriera, J. C. (2010) Psicologia comunitária:estudos atuais(3a. ed.). Porto Alegre: Sulina.

Schmidt, J. P. (2015). Comunitarismo e capital social: convergências.Revista Debates,9(2), 55-75.

Sloan, T. (2009). Globalização, pobreza e justiça social: papéis para os psicólogos. EmR. S. L Guzzo & F. Lacerda Jr. (Org.s).Psicologia social para a América Latina: o resgate da psicologia da libertação (pp. 223-244). São Paulo: Alínea.

Stanzani, S. (2003). Percorsi di civilizzazione. Rimini, Itália: Maggioli.

Tocqueville, A. (2001). A democracia na América: livro 1(E. Brandão, Trad.). São Paulo: Martins Fontes.(original publicado em 1835).

Ximenes V. M.,Paula L. R. C. & Barros J. P. P. (2009). Psicologia comunitária e política de assistência social: diálogos sobre atuações em comunidades. Psicologia,Ciência e Profissão, 29(4), 686-699. Recuperado em 28 de setembro, 2014, dewww.scielo.br/pdf/pcp/v29n4/v29n4a04

Zanella, A. V., Da Ros, S. Z., Reis, A. C.&França, K. B. (2004). Doce, pirâmide ou flor?: o processo de produção de sentidos em um contexto de ensinar e aprender. Interações, 9(17), 91-108.

Publicado
2015-10-24
Como Citar
Porreca, W. (2015). Desafios da família brasileira em gerar e transmitir capital social familiar. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 29, 169-193. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6476
Seção
Artigos