Afeto e subjetividade nos primeiros trabalhos de Merleau-Ponty

  • Gilberto Hoffmann Marcon Universidade de São Paulo
  • Reinaldo Furlan Universidade de São Paulo
Palavras-chave: fenomenologia; afeto; corporeidade; Merleau-Ponty

Resumo

O presente estudo teve como objetivo investigar o tema da “afetividade” presente no primeiro momento da filosofia de Maurice Merleau-Ponty (1908 – 1961), mais especificamente nas obras: A estrutura do comportamento, de 1942 e Fenomenologia da percepção, de 1945. Procuramos apontar de que forma tal concepção se articula com a noção de subjetividade apresentada pelo autor nos referidos trabalhos. Merleau-Ponty enfatiza a impossibilidade de compreender-se o afeto segundo os pressupostos tanto do empirismo quanto do intelectualismo. Para o autor, a afetividade apresenta-se como um campo original da consciência corporificada, uma maneira que o sujeito tem de se abrir para o mundo através de determinado estado afetivo. Tomado na corporeidade, o afeto não se apresenta como fisiologia ou ideia. A afetividade corporificada surge como realização de um significado próprio, ligado à abertura do sujeito ao mundo, que sempre se dá a partir do próprio corpo.

 

Biografia do Autor

Gilberto Hoffmann Marcon, Universidade de São Paulo
psicólogo, mestrando em Psicologia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de Sâo Paulo (FFCLRP-USP).
Reinaldo Furlan, Universidade de São Paulo
professor de filosofia no curso de Psicologia da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de Sâo Paulo (FFCLRP-USP).

Referências

Bimbenet, E. (2004). Nature et humanite, le probleme anthropologique dans l'oeuvre de Merleau-Ponty. Paris: Vrin.

Descartes, R. (1983). Meditações. Em R. Descartes. Discurso do método; Meditações; Objeções e respostas; As paixões da alma; Cartas (3a ed.; pp. 93-121; Coleção Os Pensadores). (J. Guinsburg & B. Prado Júnior, Trad.s). São Paulo: Abril Cultural. (Original publicado em 1641).

Ferraz, M. S. A. (2009). Fenomenologia e ontologia em Merleau-Ponty. Campinas, SP: Papirus.

Furlan, R. (2001a). A noção de consciência n'A estrutura do comportamento (Merleau-Ponty).Psicologia USP,12(1), 11-31.

Furlan, R. (2001b). Objetivismo, intelectualismo e experiência do corpo próprio. Natureza humana,3(2), 289-314.

Furlan, R. (2012). Da existência ao desejo da carne: ontologia em Merleau-Ponty. Em I. O. Caminha (Org.). Merleau-Ponty em João Pessoa (pp. 133-155).João Pessoa: UFPB.

Merleau-Ponty, M. (2000). A natureza: notas de cursos no Collège de France, 1956-1960(D. Séglard, Org.; A. C., Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Originais de 1956-1960, publicação póstuma em 1995).

Merleau-Ponty, M. (2006). A estrutura do comportamento(M. V. M. Aguiar, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1942).

Merleau-Ponty, M. (2006). Fenomenologia da percepção(C. A. R. Moura, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1945).

Moutinho, L. D. S. (2006). Razão e experiência: ensaios sobre Merleau-Ponty. Rio de Janeiro: Unesp.

Pontalis, J. B. (1961). Note sur le problème d‟inconscient chez Merleau-Ponty.Les temps modernes, 184/185(n. esp.), 287-303.

Politzer, G. (1994). Crítica dos fundamentos da psicologia(M. Marcionilo & Y. M. C. T. Silva, Trad.s). Piracicaba, SP: Unimep. (Original publicado em 1928).

Saint Aubert, E. (2013). Être et chair, du corps au désir: l'habilitation ontologique de la chair. Paris: Vrin.

Silva, C. A. F. (2012). A estrutura do sentido: Goldstein e Merleau-Ponty. Trans/Form/Ação,35(3), 133-156.

Sombra, J. C. (2006). A subjetividade corpórea: a naturalização da subjetividade na filosofia de Merleau-Ponty. São Paulo: Unesp.

Veríssimo, D. S. & Furlan, R. (2007). Entre a filosofia e a ciência: Merleau-Ponty e a psicologia.Paidéia (Ribeirão Preto),17(38), 331-342.

Publicado
2015-10-24
Como Citar
Marcon, G. H., & Furlan, R. (2015). Afeto e subjetividade nos primeiros trabalhos de Merleau-Ponty. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 29, 208-232. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6478
Seção
Artigos