Fenomenologia e espiritualidade

consciência e meditação

  • Walter Andrade Parreira Universidade Fundação Mineira de Educação e Cultura
Palavras-chave: fenomenologia, espiritualidade, meditação, consciência, sabedorias orientais

Resumo

Este trabalho apresenta uma reflexão sobre a relação entre o postulado da intencionalidade da consciência, proposição maior da Fenomenologia, e a experiência da meditação. Distingue a meditação, como experiência humana vivida a partir de uma consciência intencional (consciência-de) e a meditação vivida como experiência do vazio da consciência-de (consciência pura, silêncio absoluto). Identifica, na linguagem da espiritualidade mística, a primeira, como uma experiência de não-dualidade e, a segunda, como uma experiência de unidade, e aponta que o percurso para se viver uma e outra se inicia a partir da consciência mundana, que se crê dual, que separa sujeito e objeto, observador e observado, pensador e pensamento. Coteja as concepções ocidental e oriental de consciência, eu, vazio e vacuidade e registra a relação entre consciência e liberdade. Encontra, na poesia, a linguagem que melhor expressa a experiência da meditação, sobretudo a vivida como vazio da consciência-de, como consciência pura, silêncio absoluto.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Walter Andrade Parreira, Universidade Fundação Mineira de Educação e Cultura
psicólogo, professor e coordenador do Curso de Pós-Graduação em Psicoterapia Humanista/Fenomenológico/Existencial da Universidade Fundação Mineira de Educação e Cultura – Fumec -, Belo Horizonte, MG.

Referências

Blattchen, E. (2002). Trinh Xuan Thuan: o agrimensor do cosmo (M. L. Loureiro, Trad.). São Paulo: UNESP. (Original publicado em 2001).

Bhagavad Gita. (1963). (H. Rohden, Trad.). São Paulo: Martin Claret. (Originais dos séc. V a I a.C.).

Bíblia de Jerusalém (2003). São Paulo: Paulus.

Câmara, H. D. (1985). O deserto é fértil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Durckeim, K. G. (1988). Experiencia y transformación (D. G. Valverde, Trad.). Málaga, Espanha: Sírio. (Original publicado em 1978).

Gendlin, E. T. (2006). Focalização: uma via de acesso à sabedoria corporal (C. S. M. Rosa, Trad.). São Paulo: Gaia. (Original publicado em 2005).

Gonçalves, R.M. (Org.). (2006). Textos budistas e zen-budistas. São Paulo: Cultrix.

Goswami, A. (2007). O universo autoconsciente: como a consciência cria o mundo material (R. Jungmann, Trad.). São Paulo: Aleph. (Original publicado em 1993).

Griffiths, B. (1992). Retorno ao Centro: o conhecimento da verdade, o ponto de reconciliação de todas as religiões (V. Morais, Trad.). São Paulo: Ibrasa. (Original publicado em 1976).

Gyatso Tenzin (1999). Bondade, amor e compaixão (C. G. Duarte, Trad.). São Paulo: Pensamento. (Original publicado em 1984).

Husserl, E. (2001). Meditações cartesianas: introdução à fenomenologia (M. G. Lopes e Souza, Trad.). Porto: Rés. (Original publicado em 1931).

Huxley, A. (1984). A filosofia perene. Em J. White (Org.). Iluminação interior: razão de ser do caminho espiritual (pp. 42-55). (O. M. Cajado, Trad.). São Paulo: Cultrix. (Original publicado em 1944).

Krishnamurti, J. (1980). Escrito por Krishnamurti em 1980 a pedido da sua biógrafa, Mary Lutyens. Recuperado em 7 de setembro, 2013, de http://www.jkrishnamurti.org/pt/about-krishnamurti/the-core-of-the-teachings.php

Leloup, J-Y. (2003). Escritos sobre o Hesicasmo: uma tradição contemplativa esquecida (L. M. E. Orth, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Original publicado em 1990).

Meireles, C. (1998). Cânticos. São Paulo: Moderna.

Merton, T. (1956). Sementes de contemplação (T. L. Barros, Trad.). Porto: Livraria Tavares Martins. (Original publicado em 1955).

Merton, T. (2006). Místicos e mestres zen (M. Oliva, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1967).

Metsavath, L. & Metsavath, O. (Diretores). (2008). Surfando nas montanhas sagradas do Himalaia [VHS]. Rio de Janeiro: Terras de Aventura Produções.

Michelazzo, J. C. (2010). Do um como princípio ao dois como unidade: Heidegger e a reconstrução ontológica do real (2a ed.). São Paulo: Annablume.

Nisargadatta, M. S. (1988). Yo soy eso (R. Frutos, Trad.). Málaga, Espanha: Sírio. (Original publicado em 1973).

Parreira, W. A. (2012). Orações místicas silenciosas: livro inédito.

Poggeler, O. (2001). A via do pensamento de Martin Heidegger (J. T. Menezes, Trad.). Lisboa: Instituto Piaget. (Original publicado em 1963).

Suzuki, D. T. (1976). Mística: cristã e budista (D. Jardim, Trad.). Belo Horizonte: Itatiaia. (Original publicado em 1957).

Suzuki, D. T. (1993). A doutrina zen da não-mente (E. Bebianno, Trad.). São Paulo: Pensamento. (Original publicado em 1969).

Watts, A. W. (1956). O budismo zen (C. Grifo, Trad.). Lisboa: Presença. (Original publicado em 1932).

Watts, A. W. (1960). O zen e a experiência mística (J. R. W. Penteado, Trad.). São Paulo: Cultrix. (Original publicado em 1957).

Watts, A. W. (1975). Tao: o curso do rio (T. Santos, Trad.). São Paulo: Pensamento. (Original publicado postumamente em 1975).

Wilber, K. (1980). Um modelo de desenvolvimento da consciência. Em R. Walsh & F. Vaughan (Org.s). Além do ego: dimensões transpessoais em Psicologia (A. U. Sobral & M. S. Gonçalves, Trad.s). São Paulo: Cultrix/Pensamento. (Original publicado em 1980).

Yoshinori, T. (Org.) (2006). A espiritualidade budista I (M. C. Cescato, Trad.). São Paulo: Perspectiva. (Original publicado postumamente em 1993).

Publicado
2014-10-29
Como Citar
Parreira, W. A. (2014). Fenomenologia e espiritualidade. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 27, 61-72. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2014.6509
Seção
Artigos