Medindo o que não se conhece

o conceito de inteligência no contexto educacional brasileiro nas décadas de 1920 e 1930

  • César Rota Júnior Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros (FIPMoc).
  • Sérgio Dias Cirino Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
  • Laurent Gutierrez Université de Paris Nanterre.
Palavras-chave: história da psicologia; medida de inteligência; psicologia escolar

Resumo

Os testes de inteligência desenvolvidos no início do XX tiveram papel decisivo no processo de reorganização da educação escolar brasileira. Em Belo Horizonte, à Escola de Aperfeiçoamento de Professores cabia a função de capacitar os professores para práticas modernas e científicas. O objetivo da presente pesquisa foi analisar os conceitos de inteligências que circularam em Minas Gerais nas décadas de 1920 e 1930, sob a influência do ensino dos testes aos alunos da Escola de Aperfeiçoamento. Como metodologia, partimos do conceito de recepção/circulação, que se refere ao processo de apropriação dos instrumentos, ideias e conceitos produzidos em outros locais. Como resultado, pudemos demonstrar que a utilização prática dos testes teve supremacia sobre o debate teórico sobre a noção de inteligência. Concluímos que a experiência da Escola de Aperfeiçoamento deu ênfase à utilização pragmática dos testes, em detrimento da discussão teórica sobre a inteligência.

Biografia do Autor

César Rota Júnior, Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros (FIPMoc).
Psicólogo, doutor em Educação (FAE/UFMG), professor nas Faculdades Integradas Pitágoras de Montes Claros (FIPMoc).
Sérgio Dias Cirino, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Psicólogo, Doutor em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP). Professor associado IV no Departamento de Psicologia da UFMG.
Laurent Gutierrez, Université de Paris Nanterre.
Professeur des universités en Sciences de l’éducation à l’université de Paris Nanterre, travaille sur l’histoire du mouvement de l’Education nouvelle et, plus largement, sur celle des réformes de l’enseignement en France depuis la fin du XIXe jusqu’à nos jours.

Referências

Alves, I. (1934). Os testes e a reorganização escolar (2a ed.). Rio de Janeiro: Francisco Alves. (Original publicado em 1930).

Antipoff, H. (1992). A homogeneização das classes escolares. Em CDPH (Org.). Coletânea das obras escritas de Helena Antipoff: educação do excepcional (Vol. 3; pp. 31-35). Belo Horizonte: Imprensa Oficial de Minas. (Original publicado em 1931).

Antunes, M. A. M. (2001). A psicologia no Brasil: leitura histórica sobre sua constituição (3a ed.). São Paulo: Unimarco.

Antunes, M. A. M. (2003). Psicologia e educação no Brasil: um olhar histórico-crítico. Em M. E. M. Meira & M. A. M. Antunes (Org.s). Psicologia escolar: teorias críticas (pp. 139-168). São Paulo: Casa do psicólogo.

Azevedo, F. e outros (2010). Manifesto dos pioneiros da Educação Nova (1932) e dos educadores (1959). Recife: Fundação Joaquim Nabuco.

Ballard, P. B. (1922). Group tests of intelligence. London: Hodder and Stoughton.

Binet, A. & Simon, T. (1904). Sur la nécessité d'etablir un diagnostic scientifique des états inférieurs de l'intelligence. L'année psychologique, 11, 163-190.

Brown, W. & Thomson, G. H. (1921). The essentials of mental measurement. Cambridge: Cambridge University.

Carroy, J., Ohayon, A. & Pals, P. (2006). Histoire de la psychologie en France : XIXᵉ-XXᵉ siècles. Paris: La Découverte.

Castelo-Branco, P. C., Rota-Júnior, C., Miranda, R. L. & Cirino, S. D. (2016). Recepção e circulação: implicações para pesquisas em história da psicologia. Em R. M. Assis & S. P. Peres (Org.s). História da psicologia: tendências contemporâneas (pp. 31-49). Belo Horizonte: Artesã.

Campos, R. H. F. (2001). Helena Antipoff (1892–1974): a synthesis of Swiss and Soviet psychology in the context of Brazilian education. History of Psychology, 4(2), 133-158.

Campos, R. H. F. (2003) Helena Antipoff: razão e sensibilidade na psicologia e na educação. Estudos Avançados, 17(49), 209-231. dx.doi.org/10.1590/S0103-40142003000300013

Campos, R. H. F. (2010a). Helena Antipoff (1892-1974) e a perspectiva sociocultural em psicologia e educação. Tese de Professora Titular, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Campos, R. H. F. (2010b). Helena Antipoff. Recife: Fundação Joaquim Nabuco. (Coleção Educadores).

Castro, A. C., Castro, A. G., Josephson, S. C. & Jacó-Vilela, A. M. (2007). Medir, classificar e diferenciar. Em A. M. Jacó-Vilela, A. A. L. Ferreira F. T. & Portugal. História da psicologia: rumos e percursos (2a ed.; pp. 265-290). Rio de Janeiro: Nau. (Coleção Ensino da Psicologia).

Cianciolo, A. T. & Sternberg, R. J. (2004). Intelligence: a brief history. Malden, Estados Unidos: Blackwell.

Dearborn, W. F. (1928). Intelligence tests: their significance for school and society. Boston: Houghton Mifflin.

Decreto n. 9.653. (1930, 30 de agosto). Aprova o Regulamento da Escola de Aperfeiçoamento. Collecção das Leis e Decretos do Estado de Minas Gerais. Belo Horizonte: Imprensa Oficial.

Fazzi, E. H., Oliveira, B. J. & Cirino, S. D. (2010). Notas sobre o Laboratório de Psicologia da Escola de Aperfeiçoamento de Belo Horizonte. Memorandum, 20, 58-69. Retirado em 08 de novembro, 2012, de periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6623

Grynzspan, M. (2012). Por uma sociologia histórica da recepção e da circulação de textos. Revista de Sociologia e Política, 20(44), 11-30. Retirado em 17 de maio, 2014, de www.scielo.br/pdf/rsocp/v20n44/v20n44a02.pdf

Gould, S. J. (2014). A falsa medida do homem (3a ed.). (V. L. Siqueira, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1980).

Haggerty, M. E. (1921). Intelligence and its measurement. Journal of Educational Psychology, 12(4), 212-216.

Herschmann, M. M. & Pereira, C. A. M. (Org.s). (1994). A invenção do Brasil moderno: medicina, educação e engenharia nos anos 20 – 30. Rio de Janeiro: Rocco.

Huteau, M. (2007). L'étude de l'intelligence: nouveauté et portée de l'œuvre d'Alfred Binet. Bulletin de Psychologie, 4(490), 357-370.

Huteau, M. & Lautrey, J. (2003). Evaluer l’intelligence : psychométrie cognitive. Paris: PUF.

Kohs, S. C. (1920). The block-design test. Journal of Experimental Psychology, 3, 357-376.

Martin, O. (1997a). La mesure de l'esprit : origines et dévelopments de la psychométrie 1900-1950. Paris: L'Harmattan. (Coleção Histoire des Sciences Humaines).

Martin, O. (1997b). La mesure en psychologie de Binet à Thurstone, 1900-1930. Revue de synthèse, 4(4), 457-493.

McCall, W. A. (1922). How to measure in education. New York: MacMillan.

Medeiros e Albuquerque, J. J. C. C. (1928). Tests (5a ed.). Rio de Janeiro: Francisco Alves.

Nicolas, S., Andrieu, B., Croizet, J.-C., Sanitioso, R. B. & Burman, J. T. (2013). Sick? or slow? on the origins of intelligence as a psychological object. Intelligence, 41, 699-711. doi.org/10.1016/j.intell.2013.08.006

Peixoto, A. M. C. (2003). Uma nova era na escola mineira: a reforma Francisco Campos e Mário Casassanta (1927-1928). Em M. C. Leal & M. A. L. Pimentel (Org.s.). História e memória da Escola Nova (pp. 75-116). São Paulo: Loyola.

Popplestone, J. A. & McPherson, M. W. (1994). An illustrated history of American psychology. Dubuque, Estados Unidos: Brown & Benchmark.

Pressey, S. L. (1921). Intelligence and its measurement. Journal of Educational Psychology, 12(3), 144-147.

Curso de Aperfeiçoamento para o professorado primário. (1930). Revista do Ensino, 5(44), 36-97.

Rota-Júnior, C. (2016). Recepção e circulação dos testes de inteligência na Escola de Aperfeiçoamento de Professores de Belo Horizonte (1929-1946). Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Saviani, D. (2007). Escola e democracia (39a ed.). Campinas, SP: Editores Associados. (Coleção Polêmicas do Nosso Tempo). (Original publicado em 1983).

Saviani, D. (2013). História das ideias pedagógicas no Brasil (4a ed.). Campinas, SP: Editores Associados. (Coleção Memórias da Educação).

Schneider, W. H. (1992). Alfred Binet: French intelligence testing, 1900-1950. Journal of the history os behavioral sciences,28, 111-132.

Simon, T. (1923-4). La mesure collective du niveau d'intelligence: tests américan, résultats français. Bulletin de la Societé Alfred Binet, 176-177, 33-46.

Simon, T. (1954). Avant-propos. Em A. Binet & T. Simon. La mesure du développement de l'intelligence chez les jeunes enfants (10a ed. ; p. 21). Paris: Bourrelier.

Souza, R. C. (2008). História das punições e da disciplina escolar: grupos escolares de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Argmentvm.

Souza Júnior, E. J. (2015). Circulação da instrução programada no Brasil (1960-1980). Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Terman, L. (1916). The measurement of intelligence: an explanation of and a complete guide for the use of the Standford Revision and Extension of The Binet-Simon Intelligence Scale. Boston: Houghton Mifflin.

Terman, L. (1919). The intelligence of school children: how children differ in ability in use of mental tests in school grading and the proper education of exceptional children. Boston: Houghton Mifflin.

Vieira, R. C. & Campos, R. H. F. (2011) Notas sobre a introdução, recepção e desenvolvimento da medida psicológica no Brasil. Temas em Psicologia, 19(2), 417-425. Retirado em 07 de novembro, 2012, de pepsic.bvsalud.org/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S1413-389X2011000200006&lng=pt&nrm=iso

Publicado
2019-06-02
Como Citar
Rota Júnior, C., Cirino, S., & Gutierrez, L. (2019). Medindo o que não se conhece. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 36. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6542
Seção
Artigos