A reforma psiquiátrica em contextos periféricos

o Piauí em análise

  • João Paulo Macedo Universidade Federal do Piauí
  • Magda Dimenstein Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: reforma psiquiátrica – história;, Piauí;, atenção psicossocial;, formulação de políticas

Resumo

Para contribuir com o debate sobre a reforma psiquiátrica em localidades periféricas, objetiva-se conhecer a realidade piauiense, evidenciando os principais desafios que constituíram seu processo reformista e particularidades perante a realidade nacional e regional. Trata-se de um estudo qualitativo com base no levantamento documental e pesquisa participante para acompanhar as movimentações sociopolíticas mais recentes do contexto investigado. Como resultado, identificou-se que o Piauí foi marcado por significativo atraso quanto à implantação da rede psicossocial. Porém, rapidamente, o Estado alcançou boa cobertura de serviços devido à participação do Ministério Público como principal ator do processo reformista local. Se antes, o desafio era reverter à rede manicomial de serviços para a psicossocial; hoje, mais do que nunca, é urgente fazê-la operar sob tal perspectiva para compor ações de continuidade do cuidado e afirmação da cidadania, especialmente em contextos periféricos ou “minúsculos”, onde a cultura manicomial ainda se mantém forte ou absoluta.

Palavras-chave: reforma psiquiátrica – história; Piauí; atenção psicossocial; formulação de políticas

Biografia do Autor

João Paulo Macedo, Universidade Federal do Piauí
Doutor em Psicologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte e docente do Depto. de Psicologia da Universidade Federal do Piauí.
Magda Dimenstein, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Doutora em Saúde Mental pelo Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro e Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Referências

Amarante, P. (2007). Saúde mental e atenção psicossocial. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Andrade, M. T. M., Medeiros, E. F. & Patriota, L. M. (2010). A reforma psiquiátrica na prática e a prática da reforma psiquiátrica: um estudo a partir das percepções dos profissionais do CAPSI de Campina Grande –PB. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, (2)4-5, 47–59. Recuperado em 08 de dezembro, 2011, de http://periodicos.incubadora.ufsc.br/index.php/cbsm/article/view/1103/1263

Antunes, S. M. M. O. & Queiroz, M. S. (2007). A configuração da reforma psiquiátrica em contexto local no Brasil: uma análise qualitativa. Cadernos de Saúde Pública, (23)1, 207-215. Recuperado em 08 de dezembro, 2011, de http://www.scielo.br/pdf/csp/v23n1/21.pdf

Bezerra Jr., B. C. (2007). Desafios da reforma psiquiátrica no Brasil. Physis. Revista de Saúde Coletiva, 17(2), 243-250. Recuperado em 08 de dezembro, 2011, de http://www.scielo.br/pdf/physis/v17n2/v17n2a02.pdf

Boarini. M. L. (2009). A (desconhecida) reforma psiquiátrica em municípios aquém de pequeno porte. Psicologia em Revista, (1)15, 28-50. Recuperado em 08 de dezembro, 2011, de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/per/v15n1/v15n1a03.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2002). Legislação em saúde mental 1990-2002 (3a ed.). Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. Ministério da Saúde. (2012). Saúde mental em dados 10, 7(10). Recuperado em 28 de maio, 2012, de http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/mentaldados10.pdf

Casé, V. (2001). Saúde mental e sua interface com o programa saúde da família: quantos anos de experiência em Camaragibe. Em A. Lancetti (Org.). Saúde mental e saúde da família (pp. 121-136). São Paulo: Hucitec.

Castel, R. (1978). A ordem psiquiátrica: a idade de outro do alienismo. Rio de Janeiro: Edições Graal.

Colombarolli, M. S., Alves, A. C. A., Soares, A. C., Souza, J. C. P., Silva, M. V. V. & Katsurayama, M. (2010). Desafios e progressos da reforma psiquiátrica no Amazonas: as perspectivas baseadas no primeiro CAPS de Manaus. Revista de Psicologia: Teoria e Prática, 12(3), 22-33. Recuperado em 08 de dezembro, 2011, de http://www3.mackenzie.br/editora/index.php/ptp/article/view/2887/2721

Consoli, G., Hirdes, A. & Costa, J. S. (2009). Saúde Mental nos municípios do Alto Uruguai, RS, Brasil: um diagnóstico da reforma psiquiátrica. Ciência & Saúde Coletiva, 14(1), 117-128. Recuperado em 08 de dezembro, 2011, de http://www.scielo.br/pdf/csc/v14n1/a17v14n1.pdf

Costa-Rosa, A (2000). O modo psicossocial: um paradigma das práticas substitutivas ao modo asilar. Em P. Amarante (Org.). Ensaios- subjetividade, saúde mental e sociedade (pp. 141-168). Rio de janeiro: Fiocruz.

Cotrim, R. C. (2006). A descentralização federativa, regras institucionais e desempenho municipal da saúde no Brasil: um estudo comparativo. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, Fiocruz, Rio de Janeiro, RJ.

Desviat, M (1999). A reforma psiquiátrica. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Dias, M. K., Araújo, L. U. A. A., Freitas, E. & Biegas, M. O. C. (2010a). Formação de redes intermunicipais substitutivas em saúde mental: a experiência do Seridó Potiguar. EmF. B. Campos & A. Lancetti. Saúde Loucura 9 (pp. 73-90). São Paulo: Hucitec.

Dias, M. K.; Ferigato, S. & Biegas, M. O. C. (2010b). A cultura manicomial além do hospital: o estudo dos cárceres privados em Caicó (RN). Em F. B. Campos & A. Lancetti (Org.).Saúde Loucura9(pp. 49-72). São Paulo: Hucitec.

Dimenstein, M. & Libertado, M. T. C. (2009). Desinstitucionalizar é ultrapassar fronteiras sanitárias: o desafio da intersetorialidade e do trabalho em rede. Cadernos Brasileiros de Saúde Mental, 1(1), 1-10. Recuperado em 08 de dezembro, 2011, de http://www.esp.rs.gov.br/img2/21_Magda_dimenstein.pdf

Fagundes, S. (2010). Os municípios e a desinstitucionalização em saúde mental coletiva. Em F. B. Campos & A. Lancetti (Org.). Saúde Loucura 9 (pp. 203-232). São Paulo: Hucitec.

Ferrari, M. J. & Mulazzani, M. F. (1997). Ressiginificando a história: de técnicos e políticos. Saúde Mental Coletiva 3(3), 19-26.

Guimarães, L., Rosa, L.& Evelin, M.(Orgs.). (2008). (Con)textos em saúde mental: saberes, práticas e histórias de vidas.Teresina: EDUFPI.

Kinker, F., Cirilo, L., Campos, F. B., Robortela, S. & Medeiros Jr., G. (2010). Desconstruindo mentalidades. Em F. B. Campos & A. Lancetti (Org.). Saúde Loucura 9 (pp. 11-48). São Paulo: Hucitec.

Luzio, C. A. & L'Abbate, S. (2009). A atenção em saúde mental em municípios de pequeno e médio portes: ressonâncias da reforma psiquiátrica. Ciência & Saúde Coletiva, 14(1), 105-116. Recuperado em 08 de dezembro, 2011, de http://www.scielo.br/pdf/csc/v14n1/a16v14n1.pdf

Minayo, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (7aed.). São Paulo: Hucitec. 2000.

Oliveira, Edineia A. (2009). A política de saúde mental em municípios de pequeno porte do Espírito Santo: entre mínimas equipes e múltiplos projetos. Dissertação de Mestrado, Mestrado em Política Social, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES.

Oliveira, E. (2011). A incrível história de Von Meduna e a filha do sol do equador. Teresina: Edição do autor.

Oliveira, J. A. M. & Passos, E. (2007). A implicação de serviços de saúde mental no processo de desinstitucionalização da loucura em Sergipe. Vivência, 32, 259-275.

Passamani, M. C. (2005). Reforma da assistência psiquiátrica: representações sociais construídas pelos gestores e trabalhadores de saúde mental. Dissertação de Mestrado, Curso de Mestrado em Ciências e Saúde, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI.

Passos, I. C. F. (2009). Loucura e sociedade: discursos, práticas e significações sociais. Belo Horizonte: Argvmentvm.

Pereira, A. A. & Andrade, L. O. M. (2001). Rede integral de atenção à saúde mental de Sobral, Ceará. Em A. Lancetti (Org.). Saúde mental e saúde da família (pp. 167-197). São Paulo: Hucitec.

Ramminger, T. (2006). Trabalhadores de saúde mental: reforma psiquiátrica, saúde do trabalhador e modos de subjetivação nos serviços de saúde mental. Santa Cruz do Sul, RS: Edunisc.

Rocha, U., Rocha, A. & Magalhães, C. (1995). A trajetória bageense no contexto da saúde mental coletiva. Saúde Mental Coletiva, 2(2), 29-36.

Rosa, L. C. S. (2004). Retrospectiva dos impactos da reforma psiquiátrica no Piauí. Em L. C. S. Rosa (Org.). Panorama da assistência psiquiátrica no Piauí (pp.13-41). Teresina: Edufpi.

Rosa, L. C. S. (2006). O nordeste na reforma psiquiátrica. Teresina: Edufpi.

Sampaio, J. J. C. & Barroso, C. M. C. (2001). Centros de atenção psicossocial e equipes de saúde da família: diretrizes e experiências no Ceará. Em A. Lanncetti (Org.). Saúde mental e saúde da família (pp. 199-220). São Paulo: Hucitec.

Santos, L. & Andrade, L. O. M. (2007). SUS: o espaço da gestão inovada e dos consensos interfederativos. São Paulo: Prisma Printer.

Vasconcelos, E. M. (2008). Reforma psiquiátrica no Brasil: periodização histórica e principais desafios na conjuntura atual. Em E. M. Vasconcelos (Org.). Abordagens psicossociais: vol. II –Reforma psiquiátrica e saúde mental na ótica da cultura e das lutas populares (pp. 27-55). São Paulo: Hucitec.

Vasconcelos, E. M. (2010). Desafios políticos no campo da saúde mental na atual conjuntura: uma contribuição ao debate da IV Conferência Nacional. Em E. M. Vasconcelos. (Org.). Desafios políticos da reforma psiquiátrica brasileira (pp.17-74). São Paulo: Hucitec.

Volpe, F. M., Silva, E. M., Carmo, L. S. & Santos, T. N. (2010). Perfil da clientela atendida em um serviço público de urgência psiquiátrica no município de Belo Horizonte, Brasil, no período de 2002 a 2007. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, 59(3), 203-209. Recuperado em 08 de dezembro, 2011, dehttp://www.scielo.br/pdf/jbpsiq/v59n3/a06v59n3.pdf

Wagner, G. (2006). Efeitos paradoxais da descentralização no Sistema Único de Saúde no Brasil. Em S. Fleury (Org.). Democracia, descentralização e desenvolvimento: Brasil e Espanha (pp. 417-442). Rio de Janeiro: FGV.

Yasui, S. & Costa-Rosa, A. (2008). A estratégia atenção psicossocial: desafio na prática dos novos dispositivos de saúde mental. Saúde em Debate, 32(78-80), 27-37.

Yasui, S. (2010). Rupturas e encontros: desafios da reforma psiquiátrica brasileira. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Publicado
2012-04-14
Como Citar
Macedo, J. P., & Dimenstein, M. (2012). A reforma psiquiátrica em contextos periféricos. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 22, 138-164. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6595
Seção
Artigos