Um estudo ator-rede para o brinquedo artesanal

herança que se traduz em Minas

  • Maria de Fátima Aranha de Queiroz e Melo Universidade Federal de São João del-Rei
  • Roselne Santarosa de Souza Universidade Federal de São João del-Rei
  • Yone Maria Andrade Paiva Rogério Universidade Federal de São João del-Rei
  • Ana Luiza Brandão Leal Universidade Federal de São João del-Rei
  • Fernanda Rodrigues Ferreira Universidade Federal de São João del-Rei
  • Liliam Medeiros da Silva Universidade Federal de São João del-Rei
  • Elaine Maria Almeida de Andrade Universidade Federal de São João del-Rei
Palavras-chave: brinquedos e jogos, memória coletiva, psicologia social

Resumo

Este artigo apresenta uma revisão crítica de literatura que teve como objetivo contextualizar, em uma região de Minas Gerais, a pesquisa sobre os brinquedos e jogos tradicionais que, passando de grupo em grupo, foram assumindo versões particulares na produção artesanal. Tendo como suporte teórico-metodológico a Teoria Ator-Rede, defendemos a realização desta investigação no campo da Psicologia Social num movimento de mapear, registrar e preservar objetos que, em sua mistura de materialidade e socialidade, fazem parte da memória e da identidade dos grupos de brincantes. Nesta primeira etapa do projeto, para seguir o traçado deixado por estes artefatos, foi realizado este estudo no sentido de fundamentar a nossa entrada no campo para a verificação das práticas artesanais vigentes na região.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Fátima Aranha de Queiroz e Melo, Universidade Federal de São João del-Rei
Professora do Mestrado em Psicologia da UFSJ, membro do Laboratório de Pesquisa e Intervenção Psicossocial (LAPIP), coordenadora da Brinquedoteca da UFSJ e coordenadora/orientadora do projeto.
Roselne Santarosa de Souza, Universidade Federal de São João del-Rei
foi Bolsista de Iniciação Científica pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica UFSJ/Fapemig no período de março de 2008 a fevereiro de 2009. Titulou-se em 2012 pelo mestrado em Psicologia da UFSJ.
Yone Maria Andrade Paiva Rogério, Universidade Federal de São João del-Rei
Pedagoga, Funcionária Técnica Administrativa da Brinquedoteca da UFSJ, atualmente aluna do mestrado em Psicologia da UFSJ.
Ana Luiza Brandão Leal, Universidade Federal de São João del-Rei
foi Bolsista de Iniciação Científica pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica UFSJ /CNPq no período de agosto de 2008 a julho de 2009, atualmente aluna do mestrado em Psicologia da UFSJ.
Fernanda Rodrigues Ferreira, Universidade Federal de São João del-Rei
foi Bolsista de Iniciação Científica pelo Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica UFSJ/ Fapemig no período de março de 2009 e fevereiro de 2010.
Liliam Medeiros da Silva, Universidade Federal de São João del-Rei
foi Bolsista de Iniciação Científica por projeto financiado pela Fapemig no período de março de 2009 e fevereiro de 2010, atualmente aluna do mestrado em Psicologia da UFSJ.
Elaine Maria Almeida de Andrade, Universidade Federal de São João del-Rei
foi Bolsista de Iniciação Científica por projeto financiado pela Fapemig no período de março de 2010 e fevereiro de 2011 e orientanda do Programa Institucional de Iniciação Científica da UFSJ de março de 2011 a fevereiro de 2012.

Referências

Altman, R. Z. (2007). Brincando na história. Em M. D. Priore (Org.). História das crianças do Brasil (6ª ed., pp. 231-258). São Paulo: Contexto.

Alves, A. M. P. (2003). A história dos jogos e a constituição da cultura lúdica. Linhas, 4(1) 47-62.

Amado, J. (2007). Universo dos brinquedos populares (2a ed.). Coimbra, Portugal: Quarteto.

Ariès, P. (1981). A história social da criança e da família (D. Flaksman, Trad.). Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S. A. (Original publicado em 1975).

Atzingen, M. C. V. (2001). História do brinquedo, para as crianças conhecerem e os adultos lembrarem. São Paulo: Alegro.

Benjamin, W. (1984). Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação (M. V. Mazzari, Trad.). São Paulo: Summus. (Original publicado em 1969).

Boschi, C. (1988). O barroco mineiro: artes e trabalho. São Paulo: Brasiliense.

Brougère, G (2002). A criança e a cultura lúdica (I. Matoanelli, Trad.; T. M. Kishimoto, Rev.). Em T. M. Kishimoto (Org.) O brincar e suas teorias (pp.19-32). São Paulo: Pioneira.

Brougère, G (2004). Brinquedos e companhia (M. A. S. Dória, Trad.). São Paulo: Cortez. (Original publicado em 2003).

Carvalho, A. M. A. & Pontes, F. A. R. (2003). Brincadeira é cultura. Em A. M. A. Carvalho, C. M. C. Magalhães, F. A. R. Pontes &I. D. Bichara (Orgs.) Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca (Vol. 1, pp. 15-30). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Dosse, F. (2003). O império do sentido: a humanização das ciências humanas (I. S, Cohen, Trad.). Bauru, SP: Edusc. (Original publicado em 1995).

Houaiss, A. (Org.). (1976). Paradigma. Em Dicionário da Enciclopédia Mirador Internacional (p. 1277). São Paulo: Companhia Melhoramentos.

Houaiss, A. (Org.). (1976). Sintagma. Em Dicionário da Enciclopédia Mirador Internacional (p. 1606).

Jacomy, B. (1996). A habilitação das habilidades. Em R. Scheps (Org.). Império das técnicas (pp. 37-45). (M. L. Pereira, Trad.). Campinas, SP: Papirus. (Original publicado em 1994).

Kishimoto, T. M. (1993). Jogos infantis: o jogo, a criança e a educação. Petrópolis, RJ: Vozes.

Latour, B., Schwartz, C. & Charvolin, F. (1998). Crises nos meios ambientes: desafios às ciências humanas (L. P. Rouanet, Trad.). Em H. R. Araújo (Org.) Tecnociência e cultura (pp. 91-125). São Paulo: Estação Liberdade. (Original publicado em 1991).

Latour, B. (1999). Morale et Technique: la fin des moyens. Recuperado em 24 de julho, 2004 de www.ensmp.fr/~latour

Latour, B. (2000). Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora (I. C. Benedetti, Trad). São Paulo: Unesp. (Original publicado em 1998).

Latour, B. (2001). A esperança de Pandora. (G. C. C. de Souza, Trad). Bauru, SP: Edusc. (Original publicado em 1999).

Latour, B. (2004). Políticas da Natureza: como fazer ciência na democracia (C. A. M. Souza, Trad). Bauru, SP: EDUSC. (Original publicado em 1999).

Law, J. & Mol. A. M. (1995). Notes on materiality and sociality. The Sociological Review, 43(2), 274-294.

Law, J. (1997). Tradução/traição: notas sobre a teoria ator-rede. Recuperado em 09 de abril, 2006 de www.comp.lancs.ac.uk/sociology/papers

Leroi-Gourhan, A. (1984a). Evolução e técnicas I: o homem e a matéria (F. P. Bastos, Trad.). Lisboa: Edições 70. (Original publicado em 1943).

Leroi-Gourhan, A. (1984b). Evolução e técnicas II: o meio e as técnicas (E. Godinho, Trad.;P. C. Henriques, Rev.). Lisboa: Edições 70. (Original publicado em 1945).

Manson, M. (2002). História dos brinquedos e dos jogos (C. C. M. de Oliveira, Trad.). Lisboa: Teorema. (Original publicado em 2001).

Mefano, L. (2005). Design de brinquedos no Brasil: uma arqueologia do projeto e suas origens. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Design, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Moraes, M. O. (2003). Alianças para uma psicologia em ação: sobre a noção de rede. Recuperado em 17 de maio, 2005 d ewww.necso.ufrj.br/ato2003

Mumford, L. (1934). Techniques and civilization. New York: Harcourt, Brace and Company.

Oliveira, P. S. (1984). O que é o brinquedo. São Paulo: Brasiliense. São Paulo: Companhia Melhoramentos.

Priore, M. D. (2007). História das crianças do Brasil (6a ed.). São Paulo: Contexto.

Queiroz e Melo, M. F. A. (2007). Voando com a pipa: esboço para uma psicologia social do brinquedo à luz das ideias de Bruno Latour. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ.

Rabinovich, E. P. (2003). No tempo dos avós. Em A. M. A. Carvalho, C. M. C. Magalhães, F. A. R. Pontes & I. D. Bichara (Orgs.) Brincadeira e cultura: viajando pelo Brasil que brinca (Vol. 1, pp. 15-30).São Paulo: Casa do Psicólogo.

Serres, M. (1999). Luzes: cinco entrevistas com Bruno Latour (L. P. Rouanet, Trad.).São Paulo: Unimarco. (Original publicado em 1994).

Spink, P. K. (2003). Pesquisa de campo em psicologia social: uma perspectiva pós-construtivista. Psicologia e Sociedade, 15(2), 18-42.

Simondon, G. (1989). Du mode d’existence des objets technics. Paris: Aubier. (Original publicado em 1958).

Villalta, L. C. & Lage, M.E. (2007). História de Minas Gerais: as minas setecentistas (Vol.1). Belo Horizonte: Autêntica.

Voce, S. (2002). Brincando com pipas múltiplas e de duplo comando. São Paulo: Global.

Vygotsky, L. S. (1984). A formação social da mente (J. C. Neto. L. S. M. Barreto, S. C. Afeche, Trads.). Rio de Janeiro: Martins Fontes. (Original publicado em 1930).

Publicado
2012-04-14
Como Citar
Melo, M. de F. A. de Q. e, Souza, R. S. de, Rogério, Y. M. A. P., Leal, A. L. B., Ferreira, F. R., Silva, L. M. da, & Andrade, E. M. A. de. (2012). Um estudo ator-rede para o brinquedo artesanal. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 22, 187-210. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6598
Seção
Artigos