Práticas parentais

um estudo sobre escolhas educativas

  • Fernanda Santini Franco Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
  • Heloisa Szymanski Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Palavras-chave: família, fenomenologia, práticas de criação infantil

Resumo

A pesquisa aqui relatada teve como objetivo realizar um estudo de escolhas educativas, de forma a descrever as dificuldades narradas por mães e pais para educar, bem como as alternativas encontradas por eles para lidar com esses desafios. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de base fenomenológica, de cunho interventivo, que teve como procedimento a realização de quatro encontros reflexivos, dois com mães e dois com homens pais.  Os relatos dos 58 participantes sobre suas práticas educativas foram gravados, transcritos e analisados segundo perspectiva hermenêutica de análise do sentido. Foi possível concluir que escolhas educativas parentais que, num primeiro olhar, poderiam parecer falta de cuidado ou interesse, estão enraizadas em diversos aspectos, como dificuldades sociais e cultura familiar. Compreendê-los favorece a desconstrução de pré-conceitos e o estabelecimento de ações interventivas que considerem desafios que os pais efetivamente enfrentam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Santini Franco, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Mestre em Psicologia da Educação. Doutoranda do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Psicologia da Educação, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil. Professora da Universidade Nove de Julho (Uninove).
Heloisa Szymanski, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Professora doutora do Programa de Estudos Pós-Graduados em Educação: Psicologia da Educação, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil. Endereço: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Setor de Pós-Graduação, Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Educação.

Referências

Benjamin, W. (1994). Magia e técnica, arte e política (Vol. 1; 4ª ed.). (S. P. Rouanet, Trad.). São Paulo: Brasiliense. (Original publicado em 1985).

Bicudo, M. A. V. (2005). Pesquisa qualitativa: significados e a razão que a sustenta. Revista pesquisa qualitativa, 1(1), 7-26.

Bruns, M. A. T. (2005). A redução fenomenológica em Husserl e a possibilidade de superar impasses entre a subjetividade e a objetividade. Em M. A. T. Bruns, & A. F. Holanda (Orgs.). Psicologia e pesquisa fenomenológica: reflexões e perspectivas (pp. 57-66). São Paulo: Ômega.

Cecconello, A. M.; Antoni, C. & Koller, S. H. (2003). Práticas educativas, estilos parentais e abuso físico no contexto familiar. Psicologia em Estudo, Maringá, 8, 45-54. Recuperado em 04 de agosto, 2009, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722003000300007&lng=pt&nrm=iso

Chauí, M. S. (1979). Heidegger: vida e obra. (Coleção Os Pensadores). São Paulo: Duas Cidades.

Critelli, D. M. (1996). Analítica do sentido: uma aproximação e interpretação do real de orientação fenomenológica. São Paulo: EDUC/Brasiliense.

Freire, P. (1970). Educação “bancária‟ e educação libertadora. Em P. Freire. Pedagogia do oprimido (2a ed., pp. 65-87). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Heidegger, M. (1981). Todos nós... ninguém: um enfoque fenomenológico do social (D. Critelli, Trad.). São Paulo: Moraes. (Original publicado em 1981).

Heidegger, M. (2006). Ser e tempo (M. de S. Cavalcante, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Original publicado em 1927).

Lahire, B. (2004). Sucesso escolar nos meios populares: as razões do improvável (R. A. Vasques & S. Goldefer, Trads.). São Paulo: Ática. (Original publicado em 1997).

Matos, R., & Madeira, A. M. F. (2000). Mãe adolescente cuidando do filho. Revista da escola de enfermagem da USP, 34 (4), 332-338. Recuperado em 01 de julho, 2009, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342000000400003&lng=pt&nrm=iso

Novaes de Sá, R. (2006). As influências da fenomenologia e do existencialismo na psicologia. Em A. M. Jacó-Vilela, A. A. L. Ferreira, & F. T. Portugal (Orgs.). História da psicologia: rumos e percursos (pp. 334-335). Rio de Janeiro: Nau Ed.

Ricoeur, P. (2009). Teoria da interpretação: o discurso e o excesso de significação (A. Mourão, Trad.). Rio de Janeiro: Edições 70. (Original publicado em 1976).

Souza, L. G. A. & Boemer, M. R. (2003). O ser-com o filho com deficiência mental: alguns desvelamentos. Revista Paidéia, 13(26), 209-219.

Szymanski, H. (2000). A família como locus educacional: perspectivas para um trabalho psicoeducacional. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, 81(197), 14-25.

Szymanski, H. (Org.). (2002). A entrevista na pesquisa em educação; a prática reflexiva. Brasília: Plano.

Szymanski, H. (2006). Práticas educativas familiares e o sentido da constituição identitária. Paidéia, 16(33), 81-90. Recuperado em 23 março, 2009, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2006000100011&lng=pt&nrm=iso

Publicado
2012-04-14
Como Citar
Franco, F. S., & Szymanski, H. (2012). Práticas parentais. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 22, 211-225. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2012.6599
Seção
Artigos