Entre o passado e o presente

identidades e representações sociais da história da América Latina

  • Julia Alves Brasil Universidade do Minho/Portugal http://orcid.org/0000-0003-0445-1207
  • Rosa Cabecinhas Universidade do Minho/Portugal
  • Mariana Bonomo Universidade Federal do Espírito Santo/Brasil
Palavras-chave: América Latina, identidade social, história, memória social, representações sociais

Resumo

Neste estudo, objetivou-se analisar as representações sociais da história da América Latina para latino-americanos. Os dados foram coletados por meio de questionário online, contendo questões de evocação livre sobre acontecimentos e personalidades importantes na história latino-americana. Participaram do estudo 213 estudantes brasileiros, chilenos e mexicanos, com idades entre 18 e 35 anos. Seguindo orientação teórico-metodológica da análise estrutural da Teoria das Representações Sociais, os dados foram processados com o Programa EVOC. Os resultados indicaram que, para os participantes, os eventos mais centrais à memória social da América Latina são a colonização e as independências, enquanto as principais personalidades mencionadas foram Cristóvão Colombo e Simón Bolívar, em consonância com a dinâmica nuclear conquista/descobrimento, colonização e independências. Discute-se a articulação entre memória, identidade e representações sociais para a compreensão da forma como os grupos lidam com o seu passado, a partir do presente.

Referências

Abric, J. C. (1993). Central system, peripheral system: their functions and roles in the dynamics of social representations. Papers on Social Representations, 2(2), 75-78. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de www.psych.lse.ac.uk/Psr/PSR1993/2_1993Abric.pdf

Abric, J. C. (1998). A abordagem estrutural das representações sociais. Em A. S. P. Moreira & D. C. Oliveira (Org.s). Estudos interdisciplinares de representação social (pp. 27-38). Goiânia: AB.

Acemoglu, D. & Robinson, J. (2013). Por que falham as nações: as origens do poder, da prosperidade e da pobreza. Lisboa: Temas e Debates – Círculos de Leitores.

Almeida, M. V. (2000). Um mar cor de terra: raça, cultura e política da identidade. Oeiras, Portugal: Celta.

Amado, M. L. (2012). The “new mestiza,” the old mestizos: contrasting discourses on mestizaje. Sociological Inquiry, 82(3), 446-459. doi: 10.1111/j.1475-682X.2012.00411.x

Anderson, B. (2008). Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras. (Original publicado em 1983).

Anzaldúa, G. (1987). Borderlands, la frontera: the new mestiza. San Francisco: Aunt Lute.

Bar-Tal, D. (2014). Collective memory as social representations. Papers on Social Representations, 23(1), 5.1-5.26. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de www.psych.lse.ac.uk/psr/PSR2014/2014_1_5.pdf

Bartlett, F. C. (1995). Remembering: a study in experimental and social psychology. Cambridge: Cambridge University. (Original publicado em 1932).

Bethell, L. (1990). Historia de América Latina. Barcelona: Crítica.

Bhabha, H. K. (1990). Nation and narration. Londres: Routledge.

Brasil, J. A. & Cabecinhas, R. (2017). Social representations of Latin American History and (post)colonial relations in Brazil, Chile and Mexico. Journal of Social and Political Psychology, 5(2), 537–557. doi: 10.5964/jspp.v5i2.701.

Brum, E. (2016, 26 de março). Acima dos muros. El País. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de brasil.elpais.com/brasil/2016/03/28/opinion/1459169340_306339.html

Burns, E. P. & Charlip, J. A. (2002). Latin America: a concise interpretative history (7a ed.). New Jersey, Estados Unidos: Prentice Hall.

Cabecinhas, R. & Abadia, L. (2013). Preamble – narratives and social memory: dialogic challenges. Em R. Cabecinhas & L. Abadia (Org.s). Narratives and social memory: theoretical and methodological approaches (pp.5-9). Braga, Portugal: CECS.

Cabecinhas, R. & Feijó, J. (2013). Representações sociais do processo colonial – perspetivas cruzadas entre estudantes moçambicanos e portugueses. Configurações: Revista de sociologia, 12, 117-139. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de configuracoes.revues.org/2053

Cabecinhas, R., Lima, M. E. O. & Chaves, A. M. (2006). Identidades nacionais e memória social: hegemonia e polémica nas representações sociais da história. Em J. Miranda & M. I. João (Org.s). Identidades Nacionais em Debate (pp. 67-92). Oeiras, Portugal: Celta.

Cabecinhas, R., Liu, J. H., Licata, L., Klein, O., Mendes, J., Feijó, J. & Niyubahwe, A. (2011). Hope in Africa? social representations of world history and the future in six African countries. International journal of psychology, 46(5), 354-367. doi: 10.1080/00207594.2011.560268

Canclini, N. G. (2010). A globalização imaginada (S. Molina, Trad.). São Paulo: Iluminuras. (Original publicado em 1999).

Castelo, C. (1998). 'O modo português de estar no Mundo', o luso-tropicalismo e a ideologia colonial portuguesa (1933-1961). Porto, Portugal: Afrontamento.

De Alba, M. (2011). Representações sociais e memória coletiva: uma releitura. Em A. M. O. Almeida, M. F. S. Santos & Z. A. Trindade (Org.s). Teoria das representações sociais: 50 anos (pp. 393-430). Brasília: Technopolitik.

Duveen, G. (2010). Introdução – o poder das ideias. Em S. Moscovici. Representações sociais: investigações em psicologia social (pp. 7-28). (G. Duveen, Org.; P. A. Guareschi, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Original publicado em 2000).

Farret, R. L. & Pinto, S. R. (2011). América Latina: da construção do nome à consolidação da ideia. Topoi, 12 (23), 30-42. doi: 10.1590/2237-101X012023002

Freyre, G. (2003). Casa-grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal (48a ed.). São Paulo: Global. (Original publicado em 1933).

Halbwachs, M. (1968). La mémoire collective. Paris: Presses Universitaires de France. (Original publicado postumamente em 1950).

Halbwachs, M. (1994). Les cadres sociaux de la mémoire. Paris: Albin Michel. (Original publicado em 1925).

Hall, S. (2006). A identidade cultural na pós-modernidade (T. T. Silva, Trad.). Rio de Janeiro: DP&A. (Original publicado em 1992).

Hanke, K., Liu, J. H., Sibley, C. G., Páez, D., Gaines, S. O., Jr., Moloney, G., … & Cabecinhas, R. (2015). “Heroes” and “villains” of world history across cultures. PloS one, 10(2), 1-21. doi: 10.1371/journal.pone.0115641

Jedlowski, P. (2001). Memory and sociology themes and issues. Time & society, 10(1), 29-44. doi: 10.1177/0961463X01010001002

Jodelet, D. (1992). Mémoire de masse: le côté moral et affective de l'histoire. Bulletin de Psychologie, 45(405), 239-256.

Jovchelovitch, S. (2012). Narrative, memory and social representations: a conversation between history and social psychology. Integrative psychological and behavioral science, 46(4), 440-456. doi: 10.1007/s12124-012-9217-8

Lahaye, C., Hernandez, M., Boëda, E., Felice, G. D., Guidon, N., Hoeltz, S., … & Viana, S. (2013). Human occupation in South America by 20,000 BC: the Toca da Tira Peia site, Piauí, Brazil. Journal of Archaeological Science, 40(6), 2840-2847. doi: 10.1016/j.jas.2013.02.019

Licata, L. & Klein, O. (2005). Regards croisés sur un passé commun: anciens colonisés et anciens coloniaux face à l’action belge au Congo. Em M. Sanchez-Mazas & L. Licata (2005). L'Autre: regards psychosociaux (pp.241-277). Saint-Martin d'Hères, França: Presses Universitaires de Grenoble.

Liu, J. H. & Hilton, D. (2005). How the past weighs on the present: towards a social psychology of histories. British Journal of Social Psychology, 44, 537–556. doi: 10.1348/014466605X27162

Liu, J. H., Goldstein-Hawes, R., Hilton, D. J., Huang, L. L., Gastardo-Conaco, C., Dresler-Hawke, E., … & Hidaka, Y. (2005). Social representations of events and people in world history across twelve cultures. Journal of Cross Cultural Psychology, 36, 171–191. doi: 10.1177/0022022104272900

Marková, I. (2006). Dialogicidade e representações sociais: as dinâmicas da mente (H. Magri Filho, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Original publicado em 2003).

Montes, R. (2015, 6 de abril). Um novo escândalo de corrupção aprofunda a crise política no Chile. El País. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de brasil.elpais.com/brasil/2015/04/05/internacional/1428256900_831734.html

Moscovici, S. (1988). Notes towards a description of social representations. European journal of social psychology, 18(3), 211-250. doi: 10.1002/ejsp.2420180303

Moscovici, S. (2004). La psychanalyse son image et son public (3a ed.). Paris: Presses Universitaires de France. (Original publicado em 1961).

Moscovici, S. (2010). O fenômeno das representações sociais. Em S. Moscovici. Representações sociais: investigações em psicologia social (pp. 29-109). (G. Duveen, Org.; P. A. Guareschi, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Original publicado em 2000).

ONU – Organização das Nações Unidas, Department of Economic and Social Affairs, Population Division (2017). International Migration Report 2017 (ST/ESA/SER.A/403).

Onuki, J., Mouron, F. & Urdinez, F. (2016). Latin American perceptions of regional identity and leadership in comparative perspective. Contexto Internacional, 38(1), 45-77. doi: 10.1590/S0102-8529.2016380100012

Ordaz, O. & Vala, G. (1997). Objetivação e ancoragem das representações sociais de suicídio na imprensa escrita. Análise Social, 32(143-144), 847-874. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de analisesocial.ics.ul.pt/documentos/1218793753B7iWA0wj8Pl84HM9.pdf

Páez, D., Bobowik, M., De Guissmé, L., Liu, J. H. & Licata, L. (2016). Mémoire collective et représentations sociales de l’Histoire. Em G. Lo Monaco, S. Delouvée & P. Rateu (Org.s). Les représentations sociales. Théories, méthodes et applications (pp. 539-552). Brussels: De Boeck.

Perosa, T. (2016, 30 de maio). México vive crise de direitos humanos, diz ativista. Revista Época. Recuperado em 8 de setembro, de epoca.globo.com/ideias/noticia/2016/05/ mexico-vive-crise-de-direitos-humanos-diz-ativista.html

Porto-Gonçalves, C. W. (2011). Abya Yala, el descubrimiento de América. Em N. Giarraca (Org.). Bicentenarios (otros), trasiciones y resistencias (pp. 39-46). Buenos Aires: Uma Ventana.

Quijano, A. (2005). Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. Em E. Lander (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas (pp. 227-278). Buenos Aires: Colección Sur Sur, CLACSO.

Sá, C. P. (2005). As memórias da memória social. Em C. P. Sá (Org.). Memória, imaginário e representações sociais (pp. 63-86). Rio de Janeiro: Museu da República.

Sá, C. P. (2007). Sobre o campo de estudo da memória social: uma perspectiva psicossocial. Psicologia: reflexão e crítica, 20(2), 290-295. doi: 10.1590/S0102-79722007000200015

Sá, C. P. (2012). Psicologia social da memória: sobre memórias históricas e memórias geracionais. Em A. M. Jacó- Vilela & L. Sato (Org.s). Diálogos em psicologia social (pp. 46-57). Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais.

Sá, C. P., Oliveira, D. C. & Prado, L. A. (2005). As memórias coletivas do descobrimento do Brasil: imagem comum e juízos diferenciados nas populações portuguesa e brasileira. Em C. P. Sá & P. Castro (Org.s). Memórias do descobrimento do Brasil (pp. 27-44). Rio de Janeiro: Museu da República.

Sakki, I. (2016). Raising European citizens: constructing european identities in French and English textbooks. Journal of Social and Political Psychology, 4(1), 444-472. doi: 10.5964/jspp.v4i1.350

Solis, L. R. (2000). Identidad latinoamericana: bases epistemológicas y proyecciones éticas. Revista de Psicología, 9, 1-11. Recuperado em 8 de setembro, de www.redalyc.org/articulo.oa?id=26409111

Tajfel, H. (1981). Human groups and social categories: studies in social psychology. Cambridge: Cambridge University.

Vala, J. & Castro, P. (2013). Pensamento social e representações sociais. Em J. Vala & M. B. Monteiro (Org.s). Psicologia social (9a ed.; pp. 569-602). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Vala, J., Lopes, D. & Lima, M. (2008). Black immigrants in Portugal: Luso-tropicalism and prejudice. Journal of Social Issues, 64(2), 287-302. doi: 10.1111/j.1540-4560.2008.00562.x

Vasconcelos, J. (1925). La raza cósmica: misión de la raza iberoamericana: notas de viajes a la América del Sur. Madrid: Agencia Mundial de Libreria.

Vergès, P. (2000). EVOC – ensemble de programmes permettant l’analyse des évocations: manual version 2. Aix-en-Provence, França: LAMES.

Villas Bôas, L. P. S. (2014). Representações sociais: a historicidade do psicossocial. Revista Diálogo Educacional, 14(42), 585-603. Recuperado em 8 de setembro, de www2.pucpr.br/reol/pb/index.php/dialogo?dd1=12761&dd99=view&dd98=pb

Wachelke, J. & Wolter, R. (2011). Critérios de construção e relato da análise prototípica para representações sociais. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 27(4), 521-526. doi: 10.1590/S0102-37722011000400017

Wagner, W., Holtz, P. & Kashima, Y. (2009). Construction and decronstruction of essence in representating social groups: identity projects, stereotyping and racism. Journal for the Theory of Social Behaviour, 39(3), 363-383. doi: 10.1111/j.1468-5914.2009.00408.x

Wenzel, M., Mummendey, A. & Waldzus, S. (2007). Superordinate identities and intergroup conflict: The ingroup projection model. European Review of Social Psychology, 18(1), 331-372. doi: 10.1080/10463280701728302

Williamson, E. (2009). História da América Latina (P. Xavier, Trad.). Lisboa: 70. (Original publicado em 1992).

Publicado
2019-06-02
Como Citar
Alves Brasil, J., Cabecinhas, R., & Bonomo, M. (2019). Entre o passado e o presente. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 36, 1-31. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6835
Seção
Artigos