Karl Weissmann e os caminhos da psicanálise no Brasil

um psicanalista entre a política, a educação e a criminologia

Palavras-chave: Karl Weissmann, história da psicanálise, educação, criminologia, Era Vargas

Resumo

No presente artigo, discutimos elementos da vida e do pensamento de Karl Weissmann, um psicanalista ainda pouco estudado na história da psicanálise no Brasil. Aqui, destacamos os fundamentos de sua concepção de psicanálise, bem como os efeitos da sua leitura sobre os campos da educação e da criminologia. Partindo de fontes primárias, damos destaque para seu primeiro livro, publicado em 1937, época em que Weissmann começa a despontar como importante psicanalista e intelectual de renome. Reconhecemos sua leitura da psicanálise como centrada no desenvolvimento da libido, marcada por fases e com um perfil de maturidade definido. Essa mesma leitura possibilitou a Weissmann contribuir para o campo da criminologia, tendo traçado tipos de crime a partir de transtornos no desenvolvimento. Por fim, assinalamos a compatibilidade entre seu pensamento e o ideário político do período, sobretudo quanto às noções de família e de infância.

Biografia do Autor

Rodrigo Afonso Nogueira Santos, Universidade de São Paulo
Rodrigo Afonso é psicólogo, com graduação e mestrado em psicologia pela Universidade Federal de São João del-Rei. Atualmente é aluno de doutorado no Programa de Pós Graduação em Psicologia Social e do Trabalho do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IP/USP).
Belinda Piltcher Haber Mandelbaum, Universidade de São Paulo

Belinda Mandelbaum é psicanalista e professora associada do Departamento de Psicologia Social e do Trabalho do Instituto de Psicologia da USP, onde coordena o Laboratório de Estudos da Família, Relações de Gênero e Sexualidade. Autora de Psicanálise da Família (2a edição, 2010), Trabalhos com famílias em Psicologia Social (2014) e Desemprego: uma abordagem psicossocial (2017). Coordena atualmente o projeto “Psicanálise e contexto social no Brasil: fluxos transnacionais, impacto cultural e regime autoritário".

Referências

Alexander, F. & Staub, H. (1934). Le criminel et ses juges. Paris: Gallimard.

Almeida, M. G. A. A. (1998). Estado Novo: projeto pedagógico e a construção do saber. Revista Brasileira de História, 18(36), 137-160. dx.doi.org/10.1590/S0102-01881998000200008

Antipoff, H. W. & Assumpção, Z. (2002). Ideais e interesses das crianças de Belo Horizonte e algumas sugestões pedagógicas. Em R. H. F. Campos (Org.). Helena Antipoff: textos escolhidos (pp. 133-160). São Paulo: Casa do Psicólogo; Brasília: Conselho Federal de Psicologia. (Original publicado em 1930).

Brasil (1934). Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil. Rio de Janeiro: Autor.

Bomeny, H. M. B. (1999). Três decretos e um ministério: a propósito da educação no Estado Novo. Em D. Pandolfi (Org). Repensando o Estado Novo (pp. 137-166). Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Correio da Manhã. (1953, 24 de março). Psicanalista na penitenciária de Neves. Correio da Manhã, 4.

Dunker, C. I. L. (2015). Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros. São Paulo: Boitempo.

Facchinetti, C. & Castro, R. D. (2015). The historiography of psychoanalysis in Brazil: the case of Rio de Janeiro. Dynamis, 35(1), 13-34.

Facchinetti, C. & Ponte, C. (2003). De barulhos e silêncios: contribuições para a história da psicanálise no Brasil. Psychê, 7(11), 59-83. Recuperado em 15 de janeiro, 2018, de www.redalyc.org/articulo.oa?id=30701105

Freud, S. (1996). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. Em S. Freud. Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. VII). (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1905).

Freud, S. (1996). Psicologia de grupo e análise do Ego. Em S. Freud. Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. XVIII). (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1922).

Freud, S. (1996). Mal-estar na civilização. Em S. Freud. Edição standard das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (Vol. XXI). (J. Salomão, Trad.). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1929).

Gallo, R. (2015). Freud in Mexico: into de wilds of psychoanalysis. Cambridge: MIT.

Gomes, A. C. (1999). Ideologia e trabalho no Estado Novo. Em D. Pandolfi (Org). Repensando o Estado Novo (pp. 53-72). Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Guimaraes, R. M. (2014). Um compromisso de origem: Minas cada vez mais mineira. Em E. Parreiras (Org.). O gigante do ar: a história da Radio Inconfidência narrada por Ricardo Parreiras e convidados (pp. 29-43). Belo Horizonte: Rádio Inconfidência.

Jorge, M. A. C. (1984). Entrevista com Karl Weissmann. Revirão Revista da Prática Freudiana, 2, 160-176.

Jorge, M. A. C. (1985). Entrevista com Gastão Pereira da Silva. Revirão Revista da Prática Freudiana, 1, 139-149.

Lacan, J. (1987). Da psicose paranoica e suas relações com a personalidade (A. Menezes, M. A. C. Jorge & P. M. Silveira Jr., Trad.s). Rio de Janeiro: Forense Universitária. (Original publicado em 1932).

Marcondes, S. R. A. (2015). Nós, os charlatães: Gastão Pereira da Silva e a divulgação da psicanálise em O Malho (1936-1944). Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em História das Ciências da Saúde, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, RJ.

Marinho, J. Z. S. (2017). “Manter sadia a criança sã”: as políticas públicas de saúde materno-infantil no Piauí de 1930 a 1945. Tese de doutorado, Programa de Pós Graduação em História, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR.

Mezan, R. (2015). O tronco e os ramos: estudos de história da psicanálise. São Paulo: Companhia das Letras.

Nunes, S. A. (1988). Da medicina social à psicanálise. Em J. Birman (Org.). Percursos na história da psicanálise (pp. 61-122). Rio de Janeiro: Taurus.

Oliveira, C. L. M. V. (2002). Os primeiros tempos da psicanálise no Brasil e as teses pansexualistas na educação. Ágora, 5(1), 133-154. dx.doi.org/10.1590/S1516-14982002000100010

Oliveira, C. L. M. V. (2006). História da psicanálise: São Paulo (1920-1969). São Paulo: Escuta.

Oliveira, C. L. M. V. (2012). Psychoanalysis in Brazil during Vargas‟ time. Em J. Damousi & M. Plotkin (Org.s). Psychoanalysis and politics (pp. 113-133). New York: Oxford.

Pereira, A. R. (1999). A criança no Estado Novo: uma leitura de longa duração. Revista Brasileira de História, 19(38), pp. 165-198. dx.doi.org/10.1590/S0102- 01881999000200008

Porto-Carrero, J. P. (1932). Criminologia e psicanálise. Rio de Janeiro: Flores & Mano.

Ramos, A. (1937). Loucura e crime: questões de psiquiatria, medicina forense e psicologia social. Porto Alegre: Globo.

Ribeiro, L. (2010). Ciência homossexualismo e endocrinologia. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 13(3), 498-511. (Original publicado em 1935).

Roudinesco, E. (1995). Genealogias. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Santos, R. A. N. (2016). A história da Psicanálise em Minas Gerais: dos primeiros tempos à institucionalização (1925-1963). Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei, MG.

Santos, R. A. N. & Mandelbaum, B. P. H. (2017). A psicanálise e seus pioneiros no Brasil: notas sobre o “vigoroso psicanalista” Karl Weissmann. Analytica, 6(11), 34-68. Recuperado em 17 de janeiro, 2018, de seer.ufsj.edu.br/index.php/analytica/article/view/2659/1758

Silva, G. P. (1937). Prefácio. Em K. Weissmann. O dinheiro na vida erótica (pp. 7-32). Rio de Janeiro: Brasília.

Silva, G. P. (1978). 25 anos de psicanálise. Rio de Janeiro: Apperj.

Vilhena, C. P. S. (1992). A família na doutrina social da igreja e na política social do Estado Novo. Psicologia Usp, 3(1-2), 45-57. Recuperado em 22 de janeiro, 2018, de pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-51771992000100005

Weissmann, K. (1937). O dinheiro na vida erótica. Rio de Janeiro: Brasília.

Weissmann, K. (1952). A base anal da criminalidade. Acaiaca, 36, 28-33.

Weissmann, K. (1953, 19 de abril). Nossos delinquentes são quase todos homens pacatos. Correio da manhã, primeiro caderno.

Weissmann, K. (1958). O hipnotismo: psicologia, técnica e aplicação. Rio de Janeiro: Prado.

Weissmann, K. (1961). A conquista da maturidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Weissmann, K. (1964). Masoquismo e comunismo: contribuições para a patologia do pensamento político. Rio de Janeiro: Martins Fontes.

Weissmann, K. (1967). Psicanálise: ensaios e experiências. Rio de Janeiro: Freitas Bastos.

Publicado
2019-10-08
Como Citar
Santos, R. A. N., & Mandelbaum, B. P. H. (2019). Karl Weissmann e os caminhos da psicanálise no Brasil. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 36, 1-27. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6838
Seção
Artigos