Da “Escola” ao “Círculo” de Vigotski

uma perspectiva historiográfica crítica

  • Ana Carolina de Lima Bovo Universidade Federal de Goiás
  • Ana Paula Kunzler Universidade Federal de Goiás
  • Gisele Toassa Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: círculo de Vygotsky; psicologia histórico-cultural; Vygotsky, Lev Semenovich, 1896-1934; história da psicologia

Resumo

Discutir o contexto histórico de produção científica é tarefa para uma historiografica crítica das ciências que tem sido levada a cabo em relação à psicologia soviética. Assim, teve-se como objetivo discutir o conceito de Círculo de Vigotski (cunhado por Anton Yasnitsky) em oposição à ideia de Escola contida em trabalhos brasileiros, evidenciando as consequências disso no país. Procurou-se apreender as configurações deste Círculo no contexto histórico da URSS. Como método, resulta de uma pesquisa bibliográfica acerca do Círculo de Vigotski na obra de Anton Yasnitsky e sobre o contexto histórico da URSS, além de uma revisão bibliográfica em artigos e livros disponíveis no Google Acadêmico em língua portuguesa. Os resultados salientam que o conceito de Círculo de Vigotski evidenciaria uma dimensão dialógica e polifônica da pesquisa científica na psicologia soviética em oposição à ideia de “Escola de Vigotski” e a percepção de que a pesquisa era feita de forma centralizada e hierarquizada.

Referências

Adams, M. B. (2001) Networks in action: the Khrushchev era, the Cold War and the transformation of soviet science. Em G. E. Allen & R. M. Macleod (Org.s). Science, history and social activism: a tribute to Everett Mendelsohn (pp. 255-276). Dordrecth, Holanda: Kluwer Academic.

Cavalcanti, L. S. (2003). Geografia, escola e construção de conhecimentos (4a. ed). Campinas, SP: Papirus.

Chaiklin, S. (2011). A zona de desenvolvimento próximo na análise de vigotski sobre aprendizagem e ensino. Psicologia em Estudo, 16(4), 659-675. dx.doi.org/10.1590/S1413-73722011000400016

Costa, E. M. (2016). Revolução revisionista nos estudos vigotskianos. Memorandum, 31, 307-312. Recuperado em 13 de fevereiro, 2018, de periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6442

Duarte, N. (1996a). A escola de Vigotski e a educação escolar: algumas hipóteses para uma leitura pedagógica da psicologia histórico-cultural. Psicologia USP, 7(1-2), 17-50. doi.org/10.1590/S1678-51771996000100002

Duarte, N. (1996b). Educação Escolar, Teoria do Cotidiano e Escola de Vigotski. Campinas, SP: Autores Associados.

Duarte, N. (1998). Concepções afirmativas e negativas sobre o ato de ensinar. Cadernos Cedes 44(19), 85-106. dx.doi.org/10.1590/S0101-32621998000100008

Duarte, N. (2001). Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. Campinas, SP: Autores Associados.

Duarte, N. (2002). A teoria da atividade como uma abordagem para a pesquisa em educação. Perspectiva, 21(2), 279-301. Recuperado em 13 de fevereiro, 2018, de periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/9646/8881

Duarte, N. (2004). Formação do indivíduo, consciência e alienação: o ser humano na psicologia de AN Leontiev. Cadernos Cedes, 24(62), 44-63. dx.doi.org/10.1590/S0101-32622004000100004

Ferreira, M. C. I. (1998). A Escola de Vygotsky: uma nova matriz epistemológica. Interações, estudos e pesquisas em psicologia, 3(5), 37-42.

Garcia-Roza, L. A. (1974). Psicologia estrutural em Kurt Lewin (2a ed.). Petrópolis, RJ: Vozes.

González Rey, F. L. (2012). Reflexões sobre o desenvolvimento da psicologia soviética: focando algumas omissões da interpretação ocidental. Psicologia e Sociedade, 24(2), 263-271. dx.doi.org/10.1590/S0102-71822012000200003

Krementsov, N. (1997). Stalinist Science. New Jersey: Princeton.

Lima, T. C. S. & Mioto, R. C. T. (2007). Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Rev. Katál. Florianópolis, 10(esp), 37-45. dx.doi.org/10.1590/S1414-49802007000300004

Longarezi, A. M. & Puentes, R. V. (2017). Ensino desenvolvimental: vida, pensamento e obra dos principais representantes russos. Uberlândi, MG: Edufu.

Martins, J. B. (2013). Apontamentos sobre a relação Vigotski e Leontiev: a “troika”, ela existiu? Dubna Psychological Journal, 1, 71-83. Recuperado em 15 de julho, 2017,de psyanima.su/journal/2013/1/2013n1a4/2013n1a4.1.pdf

Prestes, Z. (2010). Quando não é quase a mesma coisa: análise das traduções de Lev Seminovitch Vigotski no Brasil repercussões no campo educacional. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de Brasília, Brasília, DF.

Reis Filho, D. A. (2003). As revoluções russas e o socialismo soviético. São Paulo: UNESP.

Silva, M. A. S. (2014). Compreensão do adoecimento psíquico: de L. S. Vigotski à Patopsicologia Experimental de Bluma V. Zeigarnik. Dissertação de Mestrado, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR.

Stetsenko, A. & Arievitch, I. (2004). Vygotskian collaborative project of social transformation: History, politics, and practice in knowledge construction. The International Journal of Critical Psychology, 12(4), 58-80.

Thompson, E. P. (1981). Intervalo: a lógica da história. Em E. P. Thompson (Org.) A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser. Rio de Janeiro: Zahar.

Toassa, G. (2016a). Atrás da consciência, está a vida: o afastamento teórico leontiev-vigotski na dinâmica dos círculos vigotskianos. Educação e Sociedade, 37(135), 445-462. dx.doi.org/10.1590/ES0101-73302016144457

Toassa, G. (2016b). Nem tudo que reluz é Marx: críticas stalinistas a Vigotski no âmbito da ciência soviética. Psicologia USP, 27, 1-11. dx.doi.org/10.1590/0103-656420140138

Toassa, G. & Pereira, A. M. B. (2017). O rio de minha aldeia e os blocos de Sakharov: formação de conceitos cotidianos e científicos no “Pensamento e Linguagem” de Vigotski. Obutchénie, 1(2), 330-355. doi.org/10.14393/OBv1n2a2017-5

Vigotski, L. S. (1997). El problema del retraso mental. Em L. S. Vigotski. Obras escogidas (Vol. V; p. 249-274). (L. Kuper, Trad.). Madrid: Visor. (Original publicado em 1935).

Vigotski, L. S. (2009). A construção do pensamento e da linguagem. (2a ed.). (P. Bezerra, Trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Original publicado em 1935).

Yasnitsky, A. (2009). Vygotsky Circle during the decade of 1931-1941: toward an integrative science of mind, brain, and education. Tese de Doutorado, Department of Curriculum, Teaching and Learning, University of Toronto, Toronto, Canadá.

Yasnitsky, A., Van Der Veer R., Aguílar, E. & García, L. N. (2016). Vygotski revisitado: una historia crítica de su contexto y legado. Buenos Aires: Miño y Dávila.

Publicado
2019-06-18
Como Citar
Bovo, A. C. de L., Kunzler, A. P., & Toassa, G. (2019). Da “Escola” ao “Círculo” de Vigotski. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 36, 1-23. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6842
Seção
Artigos