Senhora das águas e da canção

Iemanjá na música popular brasileira

  • Luanda do Carmo Queiroga Universidade Federal de Minas Gerais
  • Adriano Roberto Afonso do Nascimento Programa de Pós-graduação em Psicologia. Universidade Federal de Minas Gerais.
Palavras-chave: Iemanjá; representação social; música

Resumo

Adotando como fonte de investigação o cancioneiro popular, este trabalho pretendeu investigar como, ao longo da história da música brasileira, a figura e aspectos da orixá Iemanjá foram transportados dos terreiros e incorporados como elementos da própria cultura brasileira, tornando-se presentes nas letras de canções como algo habitual, cotidiano. Para tanto, utilizamos a técnica da análise temática de conteúdo. Um total de 193 músicas foi submetido à análise. Em geral, é possível afirmar que as descrições de Iemanjá nas músicas analisadas se distanciaram da cosmovisão religiosa e da mitologia. As variações ocorridas entre 1933 e 2014 contribuíram para a popularização de Iemanjá na canção popular, e, ao mesmo tempo, para sua reapresentação enquanto figura autônoma em relação às religiões afro-brasileiras.

Biografia do Autor

Luanda do Carmo Queiroga, Universidade Federal de Minas Gerais
Programa de Pós-graduação em Psicologia.
Adriano Roberto Afonso do Nascimento, Programa de Pós-graduação em Psicologia. Universidade Federal de Minas Gerais.
Bolsista em Produtividade do CNPq.

Referências

Antunes-Rocha, M. I. (2012). Da cor de terra: representações sociais de professores sobre alunos no contexto da luta pela terra. Belo Horizonte: UFMG.

Augras, M. (2000). De Iyá Mi a Pomba-gira: transformações e símbolos da libido. Em C. E. M. Moura (Org.). Candomblé: religião de corpo e de alma - tipos psicológicos nas religiões afro-brasileiras (pp. 17-44). Rio de Janeiro: Pallas.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo (5a ed.). (L. A. Reto & A. Pinheiro, Trad.s). Lisboa: 70. (Original publicado em 1977).

Bastide, R. (1983). Contribuição ao estudo do sincretismo católico-fetichista. Em R. Bastide. Estudos afro-brasileiros (pp. 159-191). São Paulo: Perspectiva.

Bauer, M. W. (2002). Análise de conteúdo clássica: uma revisão. Em M. W. Bauer & G. Gaskell (Org.s). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático (pp. 189-217). Petrópolis, RJ: Vozes.

Cabrera, L. (2004). Iemanjá e Oxum (C. E. M. Moura, Trad.). São Paulo: EdUsp. (Original publicado em 1974).

Ferreti, M. (2008). Cura e pajelança em terreiros do maranhão (Brasil). I Quaderni del CREAM, 8, 67-91. Recuperado em 22 de janeiro, 2014, de www.repositorio.ufma.br:8080/jspui/bitstream/1/197/1/Cura e pajelanca-1.pdf

Iwashita, P. (1991). Maria e Iemanjá: análise de um sincretismo. São Paulo: Paulinas.

Jodelet, D. (2001). Representações sociais: um domínio em expansão. Em D. Jodelet (Org.). As representações sociais (pp. 17-44). (T. B. Mazzotti, Trad.). Rio de Janeiro: EdUERJ. (Original publicado em 1989).

Menandro, P. R. M. & Nascimento, A. R. A. (2007). Análise de conteúdo de material documental pré-existente à investigação: o caso da música popular. Em M. M. P. Rodrigues & P. R. M. Menandro (Org.s). Lógicas metodológicas: trajetos de pesquisa em psicologia (pp. 207-224) Vitória: GM.

Moscovici, S. (2012). A psicanálise, sua imagem e seu público (S. Fuhrrmann, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Original publicado em 1961).

Moscovici, S. (2013). Representações sociais: investigações em psicologia social (P. A. Guareschi, Trad.). Petrópólis, RJ: Vozes. (Original publicado em 2000).

Napolitano, M. (2002). História & música: história cultural da música popular. Belo Horizonte: Autêntica.

Naves, S. C. (2010). Canção popular no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Ortiz, R. (1978). A morte branca do feiticeiro negro. Petrópolis, RJ: Vozes.

Prandi, R. (2005). Segredos guardados: Orixás na alma brasileira. São Paulo: Companhia das Letras.

Prandi, R. (2011). Mitologia dos orixás. São Paulo: Companhia das Letras.

Rodrigues, R. N. (1933/1977). Os africanos no Brasil (5a ed.). São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Vallado, A. (2008). Iemanjá: a grande mãe Africana do Brasil. Rio de Janeiro: Pallas.

Velloso, M., P. (1990). As tias baianas tomam conta do pedaço: espaço e identidade cultural no Rio de Janeiro. Estudos Históricos, 3(6), 207-228.

Verger, P. F. (1999). Notas sobre o culto aos orixás e voduns (A. E. M. Moura, Trad.). São Paulo: Edusp. (Original publicado em 1951).

Verger, P. F. (2002). Orixás: deuses Iorubás na África e no novo mundo (6a ed.). (M. A. Nóbrega, Trad). Salvador: Corrupio. (Original publicado em 1982).

Publicado
2019-06-18
Como Citar
Queiroga, L., & Nascimento, A. (2019). Senhora das águas e da canção. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 36, 1-21. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6845
Seção
Artigos