Corpos Tatuados

desejo de memória em completude

  • Marlene Brito de Jesus Pereira Faculdade Ruy Barbosa. Universidade Católica do Salvador
  • Elaine Pedreira Rabinovich Universidade Católica do Salvador
Palavras-chave: corpo, tatuagem, impressão, desejo, memória

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar vivências e significados de tatuagens a partir de narrativas de sujeitos adultos e idosos, com base em uma abordagem interdisciplinar. Questionamos: do culto ao corpo jovem, da exigência do labor do corpo adulto e da hipervigilância do corpo envelhecido, qual a significação do corpo tatuado em idades tão díspares? Realizamos uma descrição das narrativas de adultos e idosos com corpos tatuados a partir de um desenho de pesquisa qualitativa. Participaram da pesquisa 15 adultos com idades entre 22 e 67 anos em duas capitais brasileiras, Salvador e São Paulo. Entre as ideias conclusivas estão, de um lado, a tatuagem como metamorfose, liberdade e afirmação de si e, de outro, significações que ressaltam a tatuagem como desejo de memória em completude, uma forma de fazer do corpo lugar de arquivo ou o próprio corpo como arquivo de memória completa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marlene Brito de Jesus Pereira, Faculdade Ruy Barbosa. Universidade Católica do Salvador

Marlene Brito de Jesus Pereira é psicóloga. Mestre e Doutora em Família na Sociedade Contemporânea pela Universidade Católica de Salvador – UCSal e EHESS em Paris (2014). Professora do Curso de Psicologia do Centro Universitário UniRuy – Wyden. Fundadadora e psicóloga clínica do La Vie Instituto de Psicologia, Psicanálise e Ensino em Humanidades, Salvador.

Elaine Pedreira Rabinovich, Universidade Católica do Salvador

Elaine Pedreira Rabinovich é psicóloga. Doutora em Psicologia Social pela Universidade de São Paulo (1997) e pós-doutorado na mesma instituição (1998). Professora do Programa de Pós-graduação em Família e Sociedade Contemporânea da Universidade Católica de Salvador – UCSal.

Referências

Armstrong, M., Deboer, R. N. & Cetta, F. (2008). Infective endocarditis after body art: a review of the literature and concerns. Journal of Adolescent Health, 43(3), 217-225.

Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo (L. A. Reto & A. Pinheiro, Trad.). Lisboa: Edições 70 (Original publicado em 1977).

Barros, S. (2015). Tatuagem urbanas e o uso de piriguetes. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Design e Ergonomia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE.

Bauman, Z. (2007). Vida líquida (C. A. Medeiros, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar (Original publicado em 2005).

Bosi, E. (1987). Memória e sociedade. lembranças de velhos. São Paulo: EDUSP.

Debert, G. G. (2010). A dissolução da vida adulta e a juventude como valor. Horizontes Antropológicos, 16(34), 49-70.

Derrida. J. (2001). Mal de arquivo: uma impressão freudiana (C. M. Rego, Trad.). Rio de Janeiro. Relume Dumará (Original publicado em 1995).

Erikson, E. H. (1976). Identidade, juventude e crise (A. Cabral, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar (Original publicado em 1968).

Erikson, E. H. (1998). O ciclo de vida completo (M. A. V. Veronese, Trad.). Porto Alegre: Artes Médicas (Original publicado em 1997).

Fonseca, A. L. (2003). Tatuar e ser tatuado: etnografia da prática contemporânea da tatuagem. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

Fontanella, B. J. B., Ricas, J. & Turato, E. R. (2008). Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cadernos de Saúde Pública, 24(1), 17-27.

Freud, Sigmund (1996). Além do princípio do prazer. Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. Volume 18 (pp. 11-77). Rio de Janeiro, Imago Editora (original publicada em 1920).

Galliot, S. (2014). From global to marginal, all tattooed. In Musée du Quai Branly. Catalogue Tatoueurs, Tatoués Actes Sud (pp. 15-45). Paris: Musée du Quai Branly.

Le Breton, D. (1990). Antropologie du corps et modernité. Paris: PUF.

Le Breton, D. (2002). Signes d'identité: tatouages, piercings et autres marques corporelles. Paris: Métailié.

Le Breton, D. (2003). Adeus ao corpo (M. Appenzeller, Trad.). 3a ed. Campinas, SP: Papirus (Original publicado em 1999).

Le Breton, D. (2004). O corpo como acessório da presença: notas sobre a adolescência do homem. Revista de Comunicação e Linguagem, 33, 67-81.

Oliveira Dias, T. M. (2014). Tinta e dor: a prática da tatuagem na construção da identidade. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais e Humanas, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Natal, RN.

Organização Mundial da Saúde (2015). Relatório Mundial de Envelhecimento e Saúde. Genebra, Suíça: OMS.

Ortega, F. (2008). O corpo incerto: corporeidade, tecnologias médicas e cultura contemporânea. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

Renaut, L. (2014). From global to marginal, tattoing in Antiquity. In Musée du Quai Branly. Catalogue Tatoueurs, Tatoués Actes Sud (pp. 69-115). Paris: Musée du Quai Branly.

Revista Pesquisa FAPESP. As mais antigas tatuagens figurativas. Revista Pesquisa Fapesp, n. 266, Abril, 2018.

Singly, F. (2003). Les uns avec les autres: quand l’individualisme crée du lien. Paris: Armand Colin.

Thompson, A. (1997). Recompondo a memória: questões sobre a relação entre a história oral e as memórias. São Paulo: EDUC.

Publicado
2020-04-01
Como Citar
Pereira, M. B. de J., & Rabinovich, E. P. (2020). Corpos Tatuados. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 37. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2020.6872
Seção
Artigos