Resiliência psicológica

da primeira fase às Abordagens Baseadas em Trajetória

  • Juliana Mendanha Brandão Universidade Federal de Minas Gerais https://orcid.org/0000-0002-6434-668X
  • Elizabeth do Nascimento Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: resiliência; enfrentamento; adaptabilidade; stress psicológico

Resumo

O presente trabalho é um estudo teórico que tem por objetivo traçar um panorama sobre o campo de pesquisas sobre resiliência para situar as contribuições atuais daquelas realizadas a partir das Abordagens baseadas em Trajetórias. São retomadas quatro fases das pesquisas e discutidos conceitos relevantes associados, como adversidades e risco; fatores de resiliência; coping; critérios de avaliação, como competência ou ausência de psicopatologia; e trajetórias de enfrentamento. Apresenta considerações sobre as diferenças entre os estudos que focalizam os enfrentamentos de condições estressantes crônicas e aqueles que estudam os enfrentamentos de adversidades pontuais agudas, discutindo as implicações dessas diferenças para os estudos sobre resiliência. Por fim, são discutidas as contribuições que as chamadas Abordagens baseadas em Trajetórias oferecem, com a explanação acerca das várias possibilidades de trajetórias percorridas pelos sujeitos antes e após o enfrentamento de adversidades.

Biografia do Autor

Juliana Mendanha Brandão, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutoranda no programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidadade Federal de Minas Gerais, mestre em Psicologia pela UFMG
Elizabeth do Nascimento, Universidade Federal de Minas Gerais

Psicóloga, mestre em psicologia pela UFMG e doutora em psicologia pela Universidade de Brasília. Professora associada do departamento de psicologia da UFMG. Membro do Laboratório de Avaliação e Intervenção em Saúde (LAVIS).

Referências

Almeida, H., Brito-Costa, S., Alberty, A., Gomes, A., Lima, P. & Castro, F. V. (2016). Modelos de stress ocupacional: sistematização, análise e descrição. International Journal of developmental and aducational Psychology, 1(2), 435-454. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de www.infad.eu/RevistaINFAD/OJS/index.php/IJODAEP/article/view/309

Amatuzzi, M. M. (1996). Apontamentos acerca da pesquisa fenomenológica. Estudos de Psicologia, 13(1), 5-10.

Anthony, E. J. (1987). Risk, vulnerability, and resilience: an overview. Em E. J. Anthony & B. J. Cohler (Org.s). The invulnerable child (pp. 3-48). New York: The Guilford.

Assis, S. G., Pesce, R. P., & Avanci, J. Q. (2006). Resiliência: enfatizando a proteção dos adolescentes. Porto Alegre: Artmed.

Bennett, K. M. (2010). How to achieve resilience as an older widower: turning points or gradual change? Ageing and Society, 30(3), 369-382. doi: 10.1017/S0144686X09990572

Bennett, K. M., Reyes-Rodriguez, M. F., Altamar, P. & Soulsby, L. K. (2016). Resilience among older colombians living in poverty: na ecological approach. Journal Cross Cult geronthology, 31(4), 385–407. doi: 10.1007/s10823-016-9303-3

Bonanno, G. A. (2004). Loss, trauma, and human resilience: have we underestimated the human capacity to thrive after extremely aversive events? American Psychologist, 59(1), 20-28. doi: 10.1037/0003-066X.59.1.20

Bonanno, G. A. (2012). Uses and abuses of the resilience construct: loss, trauma, and health-relates adversities. Social Science and Medicine, 74, 753-756. doi: 10.1016/j.socscimed.2011.11.022

Bonanno, G. A. & Burton, C. L. (2013). Regulatory flexibility: an individual differences perspective on coping and emotion regulation. Perspectives on Psychological Science, 8(6), 591-612. doi: 10.1177/1745691613504116

Bonanno, G. A. & Diminich, E. D. (2013). Annual research review: positive adjustment to adversity-trajectories of minimal-impact resilience and emergent resilience. Journal of Child Psychology and Psychiatry, 54(4), 378-401. doi: 10.1111/jcpp.12021

Bonanno, G. A., Romero, S. A. & Klein, S. I. (2015). The temporal elements of psychological resilience: an integrative framework for the study of individuals, families, and communities. Psychological Inquiry, 26(2), 139-169. doi: 10.1080/ 1047840X.2015.992677

Brandão, J. M. (2009). Resiliência: de que se trata? o conceito e suas imprecisões. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG.

Brandão, J. M., Mahfoud, M. & Gianordoli-Nascimento, I. F. (2011). A construção do conceito de resiliência em psicologia: discutindo as origens. Paideia, 21(49), 263-271.

Carvalho, V. D., Teodoro, M. L. M. & Borges, L. O. (2014). Escala de resiliência para adultos: aplicação entre servidores públicos. Avaliação Psicológica, 13(2), 287-295. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de pepsic.bvsalud.org/pdf/avp /v13n2/v13n2a16.pdf

Cortez, C. P. (2014) Resiliencia psicológica: una aproximación hacia su conceptualización, enfoques teóricos y relación con el abuso sexual infantil. Summa psicológica UST, 11(2), 19-33. Recuperado em 8 de setembro, de dialnet.unirioja. es/descarga/articulo/4953998.pdf

Earls, F., Beardslee, W. & Garrison, W. (1987). Correlates and preditors of competence in young children. Em E. J. Anthony & B. J. Cohler (Org.s). The invulnerable child (pp. 70-83). New York: The Guilford.

Estamati, M. (2005). Programas em saúde mental comunitária. Em A. Melillo & E. N. S. Ojeda (Org.s). Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas (pp. 151-160). (V. Campos, Trad.). Porto Alegre: Artmed. (Original publicado em 2001).

Freitas, S. M. P. (2007). A pesquisa fenomenológica em psicologia. Em M. N. Baptista & D. C. Campos (Org.s). Metodologias de pesquisa em ciências (pp. 196-218). Rio de Janeiro: LTC.

Galatzer-Levy, I. R., Huang, S. A. & Bonanno, G. A. (2018). Trajectories of resilience and dysfunction following potential trauma: a review and statistical evaluation. Clinical Psychology Review, 63, 41-55.

Gupta, S. & Bonanno, G. A. (2010). Trait self-enhancement as a buffer against potentially events: a prospective study. Psychological trauma: theory, research, practice, and policy, 2(2), 83-92. doi: 10.1037/a0018959

Hemjal, O., Friborg, O., Stiles, T. C., Rosenvinge, J. H. & Martinussem, M. (2006). Resilience predicting psychiatric symptons: a prospective stdy of protective factors and their role in adjustment to stressful life events. Clinical Psychology and Psychotherapy, 13, 194-201.

Hutz, C. S., Koller, S. H. & Bandeira, D. R. (1996). Resiliência e vulnerabilidade em crianças em situação de risco. Em S. H. Koller (Org.). Aplicações da psicologia na melhoria da qualidade de vida (pp. 79-86). Rio de Janeiro: Anpepp.

Infante, F. (2005). A resiliência como processo: uma revisão da literatura recente. Em A. Melillo & E. N. S. Ojeda (Org.). Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas (pp. 23-38). (V. Campos, Trad.). Porto Alegre: Artmed. (Original publicado em 2001).

Infurna, F. J. & Luthar, S. S. (2016). Resilience to major life stressors is not as common as thought. Perspect psychol Science, 11(2), 175-194. doi: 10.1177/1745691615621271

Infurna, F. J. & Luthar, S. S. (2017). Parent’s adjustment following the death of their child: resilience is multidimensional and differs across outcomes examined. Journal of Personality, 68, 38-53. doi: 10.1016/j.jrp.2017.04.004

Junqueira, M. F. P. S. & Deslandes, S. F. (2003). Resiliência e maus-tratos à criança. Cadernos de Saúde Pública, 19(1), 227-235. doi: 10.1590/S0102-311X2003000100025

Laperrière, A. (2012). A teorização enraizada (grounded theory): procedimento analítico e comparação com outras abordagens similares. Em J. Poupart, J. P. Deslauriers, L. H. Groulx, A. Laperrière, R. Mayer & A. Pires (Org.s). A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos (pp. 353-385). (A. C. A. Nasser, Trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Original publicado em 1997).

Libório, R. M. C., Castro, B. M. & Coêlho, A. E. L. (2006). Desafios metodológicos para a pesquisa em resiliência: conceitos e reflexões críticas. Em D. D. Dell’Aglio, S. H. Koller & M. A. M. Yunes (Org.s). Resiliência e psicologia positiva: interfaces do risco à proteção. (pp. 89-116). São Paulo: Casa do psicólogo.

Loureiro, E. M. F. (2006). Estudo da relação entre o stress e os estilos de vida nos estudantes de medicina. Dissertação de Mestrado, Instituto de Educação e Psicologia, Universidade do Minho, Minho, Portugal.

Luthar, S. S. (1991). Vulnerability and resilience: a study of high risk adolescents. Child Development, 62, 600-616. doi: 10.1111/j.1467-8624.1991.tb01555.x

Luthar, S .S. (1993). Annotation: methodological and conceptual issues in research on childhood resilience. Journal of Child Psychology and Psychiatric, 34, 441-453. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/ PMC4269552/pdf/nihms199 301.pdf

Luthar, S. S. & Zigler, E. (1991). Vulnerability and competence: a review of research on resilience in childhood. American Journal of Orthopsychiatric, 61(1), 6-22. doi: 10.1037/h0079218

Marcelino, C. A. O. R. (2014). Vulnerabilidade ao stress e autoestima em professores do 1º, 2º, e 3º ciclo. Dissertação de Mestrado, Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal.

Masten, A. S. (2001). Ordinary magic: resilience process in development. American Psychologist, 53(2), 227-238. doi: 10.1037/0003.066X. 56.3.227

Masten, A. S. (2007). Resilience in development systems: progress and promise as the fourth wave rises. Development and Psychopathology, 19, 921-930. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17705908

Masten, A. S. & Narayan, A. J. (2012). Child development in the context of disaster, war, and terrorism: pathways of risk and resilience. Annual Review of Psychology, 63, 227-257. doi: 10.1146/annurev-psych-120710-100356

Masten, A. S. & Powell, J. L. (2003). A resilience framework for research, policy, and practice. Em S. S. Luthar (Org). Resilience and vulnerability: adaptation in the context of childhood adversities (pp. 1-25). New York: Cambridge University.

Melillo, A., Estamati, M. & Cuestas, A. (2005). Alguns fundamentos psicológicos do conceito de resiliência. Em A. Melillo & E. N. S. Ojeda (Org.s). Resiliência: descobrindo as próprias fortalezas (pp. 59-72). (V. Campos, Trad.). Porto Alegre: Artmed. (Original publicado em 2001).

Munist, M., Biedak, E., Quinteros, L. W., Diaz, A., Wegsman, S. & Paladini, M. A. (2005). A missão do CIER: desenvolvimento do conceito de resiliência e sua aplicação em projeto sociais. Em J. Tavares (Org.). Resiliência e educação (2a ed.; pp. 39-46). São Paulo: Cortez.

Munist, M., Santos, H., Kotliarenco, M. A., Ojeda, E. N. S., Infante, F. & Grotberg, E. (1998). Manual de identificación e promoción de la resiliencia. Washington: Organización Panamericana de la salud. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de www1.paho.org/hq/dmdocuments /2009/Resilman.pdf

Perim, P. C., Dias, C. S., Corte-Real, N. J., Andrade, A. L. & Fonseca, A. M. (2015). Análise fatorial confirmatória da versão brasileira da escala de resiliência (ER – Brasil). Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 8(2), 373-384. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de pepsic.bvsalud.org/pdf/gerais/v8n2/v8n2a07.pdf

Oshio, A., Kaneko, H., Nagamine, S. & Nakaya, M. (2003). Construct validity of the Adolescent Resilience Scale. Psychological Reports, 93, 1217-1222.

Ralha-Simões, H. (2017). Resiliência e desenvolvimento pessoal: novas ideias para compreender a adversidade. Lisboa: Papa Letras.

Ram, N. & Grimm, K. J. (2009). Growth mixture modeling: a method for identifying differences in longitudinal change among unobserved groups. International Journal of Behavioral Development, 33(6), 565-576. doi: 10.1177/0165025409343765.

Ramos, F. P., Enumo, S. R. F. & Paula, K. M. P. (2015). Teoria motivacional do coping: uma proposta desenvolvimentista de análise do enfrentamento do estresse. Estudos de Psicologia Campinas, 32(2), 269-279. doi:.10.1590/0103-166X2015000200011

Reppold, C. T., Mayera, J. C., Almeida, L. S. & Hutz, C. S. (2012). Avaliação da resiliência: controvérsia em torno do uso das escalas. Psicologia: Reflexão e Crítica, 25(2), 248-255. doi: 10.1590/S0102-79722012000200006

Reppold, C. T., Pacheco, J. T. B. & Gurgel, L.G. (2016). Histórico, definição e situação da pesquisa atual. Em Hutz, C. S. (Org.). (2016). Avaliação em psicologia positiva (pp. 153-168). São Paulo: CETEPP.

Rooke, M. I. (2015). Aspectos conceituais e metodológicos da resiliência psicológica: uma análise da produção científica brasileira. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 15(2), 671-687. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S1808-42812015000200013

Rooke, M. I., & Pereira-Silva, N. L. (2012). Resiliência familiar e desenvolvimento humano: análise da produção científica. Psicologia em Pesquisa, 6(2), 179-186. doi: 10.5327/Z1982-12472012000200011

Rutter, M. (1985). Resilience in the face of adversity: protective factors and resistance to psychiatric disorder. British Journal of Psychiatry, 147, 598-611.

Rutter, M. (1993) La “resiliencia”: consideraciones conceptuales. Journal of Adolescent Health, 14(8), 690-696.

Rutter, M. (2012). Resilience as a dynamic concept. Development and Psychopatology, 24, 335-344. doi: 10.1017/S0954579412000028

Rutter, M. (2013). Annual research review: resilience – clinical implications. Journal of child Psychology and Psychiatry, 54(4), 474-487. doi: 10.1111/j.1469-7610. 2012.02615.x

Santos, L. L. (2006). Habitar a rua: compreendendo os processos de risco e resiliência. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento, Universidade Federal do rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Santos, L. L. & Dell’Aglio, D. D. (2006). A constituição de moradas nas ruas como processos de resiliência em adolescentes. Em D. D. Dell’Aglio, S. H. Koller & M. A. M. Yunes (Org.s). Resiliência e psicologia positiva: interfaces do risco à proteção (pp. 201-227). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Seligman, M. E. P. (2011). Florescer: uma nova compreensão sobre a natureza da felicidade e do bem-estar (C. P. Lopes, Trad.). Rio de Janeiro: Objetiva. (Original publicado em 2011).

Southwick, S. M., Bonanno, G. A., Masten, A. S., Panter-Brick, C. & Yehuda, R. (2014). Resilience definitions, theory, and challenges: interdisciplinar perspectives. European Journal of Psychotraumatology, 5(1), 25338. doi: 10.3402/ejpt.v5.25338

Souza, M. S. T. & Cerveny, C. M. O. (2006). Resiliência psicológica: revisão da literatura e análise da produção científica. Revista Interamericana de Psicologia, 40(1), 119-126.

Trombeta, L. H. A. P. & Guzzo, R. S. L. (2002). Enfrentando o cotidiano adverso: estudo sobre resiliência em adolescentes. Campinas, SP: Alínea.

Ungar, M. (2015). Social ecological complexity and resilience processes: commentary on ‘A conceptual framework for the neurobiological study of resilience’. Behavioral and Brain Sciences, 38, 50-51. doi: 10.1017/S0140525X14001721

Vasconcelos, A.G., & Nascimento, E. (2016). Teoria motivacional do coping: um modelo hierárquico e desenvolvimental. Avaliação Psicológica, 15(n. esp.), 77-87. Recuperado em 8 de setembro, 2017, de pepsic.bvsalud.org/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712016000300009

Wagnild, G. M. & Young, H. M. (1993). Development and psychometric. Journal of Nursing Measurement, 1(2), 165-178.

Walsh, F. (2005). Fortalecendo a resiliência familiar. (M. F. Lopes, Trad.) São Paulo: Roca. (Original publicado em 1998).

Wagner, A. & Silveira, S. C. (2007). É possível florescer em lugares inóspitos? algumas reflexões sobre os processos de superação dos sujeitos em situações adversas. Ciência e Conhecimento, 42(4), 701-718.

Werner, E. E. & Smith, R. S. (1989). Vulnerable but invencible: a longitudinal study of resilient children and youth (2a ed.). New York: Adams, Bannister.

Werner, E. E. & Smith, R. S. (1992). Overcoming the odds: high risk children from birth to adulthood. London: Cornell University.

Werner, E. E. & Smith, R. S. (2001). Journeys from childhood to midlife: risk, resilience and recovery. London: Cornell University.

Wolin, S. J. & Wolin, S. (1993). The resilient self: how survivors of trouble families rise above adversity. New York: Villard.

Yates, T. M., Tyrell, F. & Masten, A. (2015). Resilience theory and the practice of positive psychology from individuals to societies. Em S. Joseph (Org.). Positive psychology in practice: promoting human flourishing in work, health, education, and everyday life (2a ed.; pp. 773-788). Hoboken, Estados Unidos: John Wiley & Sons.

Yunnes, M. A. M. (2006). Psicologia positiva e resiliência: o foco no indivíduo e na família. Em D. Dell’Aglio, S. H. Koller & M. A. M. Yunes (Org.s). Resiliência e psicologia positiva: interfaces do risco à proteção (pp. 45-68). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Yunnes, M. A. M. & Szymansky, H. (2001). Introdución: resiliencia e subjetividad. Em A. Melillo, E. N. S. Ojeda & D. Rodríguez (Org.s). Resiliencia e subjetividad: los ciclos de la vida (pp. 17-20). Buenos Aires: Paidós.

Publicado
2019-06-02
Como Citar
Brandão, J., & Nascimento, E. (2019). Resiliência psicológica. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 36, 1-31. Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/memorandum/article/view/6875
Seção
Artigos