O humano em Søren Kierkegaard e em Viktor Frankl

  • Glenda Matias de Oliveira Rosa Universidade de Brasília
  • Lúcia Helena Cavasin Zabotto Pulino Universidade de Brasília
Palavras-chave: antropologia filosófica, Viktor Frankl, Søren Kierkegaard, existencialismo

Resumo

Este trabalho é um estudo teórico que objetiva abordar aspectos centrais da Antropologia Filosófica presentes em dois autores existencialistas: Søren Kierkegaard e Viktor Frankl. A partir do estudo do que é o homem, apresentamos algumas importantes questões existenciais que, embora desenvolvidas pelos autores supracitados nos séculos XIX e XX, respectivamente, permanecem atuais: o desespero e a busca pelo sentido, liberdade, responsabilidade, possibilidade e necessidade, angústia e vazio existencial. Partimos da pesquisa qualitativa, por meio de uma revisão de literatura, buscando atender ao objetivo proposto. Compreendemos que a dimensão do espírito diferencia o homem dos outros seres. Ambos os autores destacam a esfera espiritual e compreendem o humano em sua integralidade. Conclui-se que Kierkegaard e Frankl, em seus pressupostos, oferecem possibilidade de conhecimento do homem e de questões existenciais relevantes para nossa sociedade permeada pelo desespero e pelo vazio existencial. Assim, as proposições dos autores contribuem especialmente para as ciências humanas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Glenda Matias de Oliveira Rosa, Universidade de Brasília

Glenda Matias de Oliveira Rosa é psicóloga pela Universidade Federal de Uberlândia. Mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Processos do Desenvolvimento e Saúde da Universidade de Brasília. Atualmente, é doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Escolar do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília.

 
Lúcia Helena Cavasin Zabotto Pulino, Universidade de Brasília

Lúcia Helena Cavasin Zabotto Pulino é psicóloga pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto – Universidade de São Paulo. Mestra em Lógica e Filosofia pela Universidade Estadual de Campinas e doutora em Filosofia pela mesma universidade. Professora-associada do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília.

Referências

Adorno, T. W. & Horkheimer, M. (1985). A dialética do esclarecimento (G. A. Almeida, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar.

Aquino, T. A. A. (2013). Logoterapia e análise existencial: uma introdução ao pensamento de Viktor Frankl. São Paulo: Paulus.

Aquino, T. A. A., Damásio, B. F., & Silva, J. P. (2010). Logoterapia e educação: fundamentos e prática. São Paulo: Paulus.

Benjamin, W. (1985). Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política (S. P. Rouanet, Trad.). São Paulo: Brasiliense.

Bessa, J. (2009). Kierkegaard: (1813-1855): vida e obra. 27 ago. 2009. Disponível em:

http://www.josemarbessa.com/2009/08/kierkegaard-1813-1855-vida-eobra.html>. Acesso em: 03 jun. 2017.

Dourado, E. T. S. e outros (2010). Educar para o sentido: uma intervenção prática. Em: T. A. A. Aquino, B. F. Damásio & J. P. Silva (Org.s). Logoterapia e educação: fundamentos e prática (pp.79-138). São Paulo: Paulus.

Farago, F. (2006). Compreender Kierkegaard. Rio de Janeiro: Vozes.

Frankl, V. E. (1978). Fundamentos antropológicos da psicoterapia (R. Bittencourt, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar.

Frankl, V. E. (1983). Psicoanalisis y existencialismo: de la psicoterapia a la logoterapia de Viktor E. Frankl (C. Silva & J. Mendoza, Trad.). México: Fondo de Cultura Económica.

Frankl, V. E. (1988). The Will to Meaning. New York: Meridian Books.

Frankl, V. E. (1991). Psicoterapia para todos (A. Allgayer, Trad.). Petrópolis: Vozes.

Frankl, V. E. (1995). Logoterapia e análise existencial: texto de cinco décadas (J. P. Santos, Trad.). Campinas: Editorial Psy II.

Frankl, V. E. (2003). A presença ignorada de Deus (W. O. Schlupp; H. H. Reinhold, Trad.). São Leopoldo: Sinodal.

Frankl, V. E. (2004). Em busca de sentido: um psicólogo no campo de concentração (W. O. Schlupp; C. C. Aveline, Trad.). Petrópolis: Vozes.

Frankl, V. E. (2005). Um sentido para a vida: psicoterapia e humanismo (V. H. Lapenta, Trad.). 11. ed. Aparecida: Ideias e Letras.

Frankl, V. E. (2010). O que não está escrito em meus livros: memórias (C. Abeling, Trad.). São Paulo: É Realizações.

Garaventa, R. (2011). Søren Kierkegaard: uma fenomenologia da angústia. Sacrilegens, 8(1), 5-19.

Gouvêa, R. Q. (2000). Paixão pelo paradoxo: uma introdução à Kierkegaard. Barueri, SP: Novo Século.

Kierkegaard, S. (1986). Textos selecionados (E. Reichmann, Trad.). Curitiba: Universidade Federal do Paraná.

Kierkegaard, S. (2007). O conceito de angústia (T. Guimarães, Trad.). São Paulo: Hemus.

Kierkegaard, S. (2008). La enfermedad mortal (D. G. Rivero, Trad.). Madrid: Editorial Tratta.

Lukas, E. (1989). Logoterapia: a força desafiadora do espírito. (J. S. Porto, Trad.). São Paulo: Loyola; Santos: Leopoldianum (Original publicado em 1987).

Marcuse, H. (1975). A ideologia da sociedade industrial (G. Rebuá, Trad.). Rio de Janeiro: Zahar.

Miguez, E. M. (2014). Educação em busca de sentido: pedagogia inspirada em Viktor Frankl. São Paulo: Paulus.

Miguez, E. M. (2015). Educação em Viktor Frankl: entre o vazio existencial e o sentido da vida. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Miguez, E. M. (2019). Educação em Viktor Frankl: entre o vazio existencial e o sentido da vida. Curitiba: Brazil Publishing.

Mora, J. F. (2000). Dicionário de filosofia. 6. ed. São Paulo: Loyola.

Pereira, I. S. (2013). A ética do sentido da vida: fundamentos filosóficos da logoterapia. Aparecida: Ideias e Letras.

Pereira, I. S. (2015). A ontologia dimensional de Viktor Frankl: o humano entre corpo, psiquismo e espírito. Logos e Existência, 4(1), 2-13.

Ponte, C. R. S. (2010). Sobre os conceitos de indivíduo em Sören Kierkegaard e de pessoa em Carl Rogers: semelhanças e diferenças. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Psicologia, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE.

Silveira, D. R. & Mahfoud, M. (2008). Contribuições de Viktor Emil Frankl ao conceito de resiliência. Estudos de Psicologia, 25(4), 567-576.

Vaillant, G. E. (2010). Fé: evidências científicas (I. Alves, Trad.). Barueri, SP: Manole.

Volkmer, S. A. J. (2006). O perceber do valor na ética de Max Scheler. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS.

Publicado
2020-04-01
Como Citar
Rosa, G. M. de O., & Pulino, L. H. C. Z. (2020). O humano em Søren Kierkegaard e em Viktor Frankl. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 37. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2020.6877
Seção
Artigos