A Reforma Psiquiátrica em Imola e o tempero brasileiro

  • Maria Stella Brandão Goulart Universidade Federal de Minas Gerais
  • Ernesto Venturini Azienda Sanitaria di Imola, Fondazione Franca e Franco Basaglia
  • Adelaide Lucimar Fonseca Chaves
Palavras-chave: Reforma Psiquiátrica, Saúde Mental, Inclusão Social

Resumo

Este artigo aborda o processo de desinstitucionalização no contexto da reforma psiquiátrica ocorrido em Ímola a partir da narrativa de brasileiros e brasileiras que participaram de seu cotidiano ao longo dos anos noventa. A pesquisa que sustenta o artigo procurou delinear as conexões entre Brasil e Itália no que concerne às contribuições no conjunto de ações que resultaram no fechamento dos manicômios e na constituição dos serviços territoriais (centros de saúde mental, centros diurnos) e de associações e cooperativas que sustentaram projetos de inclusão social. A metodologia utilizada nesta pesquisa qualitativa apoiou-se na realização de entrevistas semiestruturadas com integrantes dos serviços de Ímola de ambas as nacionalidades. Assim, foram identificadas práticas relevantes que denotam uma participação efetiva de brasileiros e brasileiras, como educadores profissionais e assistentes de base, que não apenas impactaram o cotidiano assistencial como também colaboraram para a construção de cultura e relações inclusivas, inventivas, reflexivas e propositivas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Stella Brandão Goulart, Universidade Federal de Minas Gerais

Maria Stella Brandão Goulart é doutora em Ciências Humanas: Sociologia e Política pelo Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais. É professora-associada do Departamento de Psicologia da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais.

Ernesto Venturini, Azienda Sanitaria di Imola, Fondazione Franca e Franco Basaglia

Ernesto Venturini é mestre em Administração e Gestão de Serviços Sanitários para Dirigentes de Aziende Sanitarie Saude pela Universidade de Bologna. Psiquiatria Democrática Italiana. Azienda Sanitaria di Imola, Fondazione Franca e Franco Basaglia.

Adelaide Lucimar Fonseca Chaves

Adelaide Lucimar Fonseca Chaves é psicóloga clínica. Especialista em Psicologia Transformacional (Azienda de Saúde de Nápoles) e em Psico-oncologia (Azienda de Saúde de Bologna).

Referências

Calvino, I. (1988). Lezioni Americane. Milano: Garzanti.

De Platô, G. & Venturini, E. (2000). La promoción de la Salud Mental. Bologna: Regione Emilia-Romagna Press.

Ferreira, G. (1996). De Volta Pra Casa: pratica de reabilitação com pacientes crônicos em Saúde Mental. Em A. M. F. Pitta (Org.). Reabilitação Psicossocial no Brasil (pp. 80-88). São Paulo: Hucitec.

Galassi, N. (1989). Diece secoli di storia ospedaliera a Imola. Ímola: Galeati.

Gaskell, G. (2002). Entrevistas individuais e grupais. Em M. W. Bauer & G. Gaskell. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som – um manual prático (pp. 64-89). Petrópolis: Vozes.

Giacanelli, F., Iachini, S. & Migani, C. (1994). L’assistenza psichiatrica a Imola in epoca pontificia. Em E. Venturini. La città proibita (pp. 14-16). Imola: AzUSL.

Goulart, M. S. B. (2004). De profissionais a militantes: a luta antimanicomial de psiquiatras italianos nos anos 60 e 70. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Ciências Humanas: Sociologia e Política, Universidade Federal de Minas Gerais.

Goulart, M. S. B. (2006). A Construção da Mudança nas Instituições Sociais: A Reforma Psiquiátrica. Pesquisas e Práticas Psicossociais, 1, p.1-19.

Goulart, M. S. B., Venturini, E., Baliero, H. G., & Chaves, A. L. F. (2015). La presenza storica dei brasiliani nella pratica della salute mentale di Trieste:“Venite a Vedere” o Fare Insieme?. Fogli d’Informazione 35/36, Luglio-dicembre2015, Ass. Epidauri, Firenze.

Lancetti, A. & Amarante, P. (2013). Saúde Mental e Saúde Coletiva. Em G. W. Campos. Tratado de Saúde Coletiva (pp. 661-680). São Paulo: Hucitec.

Levinas. E., Peperzak, A. & Ciaramelli, F. (2001). (a cura di). Etica come filosofia prima. Milano: Guerini e Associati.

Migani, C. (1994). La nascità dell’impresa manicomiale imolese dal 1862 al primo decennio del Novecento. Em E. Venturini. La città proibita (pp. 16-21). Imola: AzUSL.

Todorov, T. (1992). La conquista dell’America. Torino: Einaudi.

Venturini, E. (2016). A Linha Curva – o espaço e o tempo da desinstitucionalização. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz.

Venturini, E., Degano, L. & Gramantieri, N. (1995). La malattia del vento – uno sbocco possibile alla cronicità. Rimini: Guaraldi.

Publicado
2020-05-19
Como Citar
Goulart, M. S. B., Venturini, E., & Chaves, A. L. F. (2020). A Reforma Psiquiátrica em Imola e o tempero brasileiro. Memorandum: Memória E História Em Psicologia, 37. https://doi.org/10.35699/1676-1669.2020.6898
Seção
Artigos