A digitalização de documentos do setor jurídico da UFV

eficiência administrativa e preservação documental

Autores

  • Daniel Waquim Ferreira Universidade Federal de Viçosa
  • Douglas Ribeiro de Moura Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-6658.2020.19978

Palavras-chave:

Arquivo, Gestão documental, Secretariado executivo

Resumo

O presente estudo teve como objetivo indicar os possíveis benefícios da digitalização arquivística no setor jurídico de uma instituição pública federal de educação superior. Utilizando uma abordagem teórica que vai desde a constituição histórica dos arquivos até o uso de técnicas mais recentes, bem como uma observação participante, buscou-se apresentar de que forma as rotinas administrativas do setor jurídico da Universidade Federal de Viçosa poderiam ser otimizadas. Através da descrição pormenorizada da estrutura e das atividades do setor, concluiu-se que a adesão de práticas arquivísticas, sobretudo a digitalização de documentos de arquivos, conduziria a um salto na qualidade dos serviços prestados, facilitando a recuperação de informações e as tomadas de decisões, assim como colaboraria fortemente para a conservação preventiva dos documentos originais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Waquim Ferreira, Universidade Federal de Viçosa

Bacharel em Secretariado Executivo Trilíngue pela Universidade Federal de Viçosa.

Referências

BARBEDO, Francisco. Arquivos digitais: da origem à maturidade. Cadernos BAD. Revista da Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalis-tas. v. 2, 2005. Disponível em: https://www.bad.pt/publicacoes/index.php/cadernos/article/view/810/809. Acesso em: 20 jun. 2018.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivística: objeto, princípios e rumos. São Paulo: Associação dos Arquivistas de São Paulo, 2002.

BERNARDES, Ieda Pimenta; DELATORRE, Hilda. Gestão Documental Aplicada. São Paulo: Arquivo público de São Paulo, 2008. Disponível em: http://www.arquivoestado.sp.gov.br/site/assets/publicacao/anexo/gestao_documental_aplicada.pdf. Acesso em: 10 maio 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 1988. Disponível em: http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/legisacaoConstituicao/anexo/CF.pdf. Acesso em: 10 jul. 2019.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 19, de 4 de junho de 1998. Disponível em: https://www.-senado.leg.br/atividade/const/con1988/con1988_12.07.2016/art_37_.asp. Acesso em: 10 jul. 2019.

BRASIL. Lei 8.159, de 8 de janeiro de 1991. Dispõe sobre a política nacional de ar-quivos públicos e privados e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/cCIVIL_03/Leis/L8159.htm. Acesso em: 13 maio 2019.

BRASIL. Lei nº 10.480, de 2 de julho de 2002. Dispõe sobre o Quadro de Pessoal da Advocacia-Geral da União, a criação da Gratificação de Desempenho de Atividade de Apoio Técnico-Administrativo na AGU – GDAA, cria a Procuradoria-Geral Fede-ral, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/2002-/L10480.htm. Acesso em: 12 jun. 2019.

BRIGGS, Asa; BURKE, Peter. Uma história social da mídia: de Gutenberg à internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2ª Ed., 2006.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (CONARQ). Resolução nº 25, de 27 de abril de 2007. Dispõe sobre a adoção do Modelo de Requisitos para Sistemas Infor-matizados de Gestão Arquivística de Documentos – e-ARQ Brasil pelos órgãos e en-tidades integrantes do Sistema Nacional de Arquivos – SINAR. Disponível em: http://conarq.-arquivonacional.gov.br/resolucoes-do-conarq/267-resolucao-n-25,-de-27-de-abril-de-2007.html. Acesso em: 12 jul. 2018.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (CONARQ). Resolução nº 31, de 28 de abril de 2010. Dispõe sobre a adoção das Recomendações para Digitalização de Do-cumentos Arquivísticos Permanentes. Disponível em: http://conarq.arquivonacional.gov.br/images/publicacoes_textos/Recomendacoes_digitalizacao_completa.pdf. Acesso em: 30 abr. 2018.

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS (CONARQ). O Conselho Nacional de Arquivos. 2014. Disponível em: http://conarq.arquivonacional.gov.br/o-conselho/17-o-conselho-nacional-de-arquivos.html. Acesso em: 12 jul. 2018.

DUDZIAK, Elisabeth Adriana. Arquivos e documentos empresariais: da organização cotidiana à gestão eficiente. Revista de Gestão e Secretariado, v. 1, p. 90-110, 2010. Disponível em: https://www.revistagesec.org.br/secretariado/article/view/5/74. Acesso em: 30 abr. 2019.

PAES, Marilena Leite. Arquivo: Teoria e Prática. 3. Ed. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

PORTO, Daniela Miguéns. História e evolução do arquivo: a exemplaridade da Tor-re do Tombo (Dissertação de Mestrado). 84p. Universidade da Beira Interior, Portu-gal, 2013. Disponível em: https://ubibliorum.ubi.pt/bitstream/10400.6/1836/1/Dissertação_Daniela-_Porto.pdf. Acesso em: 19 maio 2019.

RODRIGUES, Ana Márcia Lutterbach. A teoria dos arquivos e a gestão de documen-tos. Perspectivas em Ciência da Informação (Online), v. 11, n.1., p. 102-117., 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/pci/v11n1/v11n1a09.pdf. Acesso: 23 abr. 2019.

ROUSSEAU, Jean-Yves; COUTURE, Carol. Os fundamentos da disciplina arqui-vística. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1998.

SANTOS, Henrique Machado dos; FLORES, Daniel. Políticas de preservação digital para documentos arquivísticos. Perspectivas em Ciência da Informação (Online), v. 20, n. 4, 197-217, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-99362015000400197&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em: 23 abr. 2019.

SCHELLENBERG, Theodore Roosevelt. Arquivos modernos: princípios e técnicas. 6. Ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

SOUSA, Renato Tarciso Barbosa de. A classificação como função matricial do que - fazer arquivístico. In: INNARELLI, Humberto Celeste; SANTOS, Vanderlei Batista dos (Org.); SOUSA, Renato Tarciso Barbosa de. Arquivística: temas contemporâ-neos: classificação, preservação digital, gestão do conhecimento. 3. ed. Brasília, DF: SENAC, 2009, p. 100-173.

TEIXEIRA, Thiciane Mary Carvalho; VALENTIM, Marta Lígia Pomim. Processo de busca e recuperação de informação em ambientes organizacionais: uma reflexão teó-rica sobre a subjetividade da informação. Perspectivas em Ciência da Informação (Online), v. 22, n.4., p. 82-97, 2017. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index-.php/pci/article/view/2938/1983. Acesso em: 13 maio 2019.

VALLADARES, Lícia. Os dez mandamentos da observação participante. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 22, n. 63, 2007. São Paulo. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092007000100012. Acesso em: 13 maio 2019.

Downloads

Publicado

2020-06-01

Como Citar

FERREIRA, D. W.; MOURA, D. R. de . A digitalização de documentos do setor jurídico da UFV: eficiência administrativa e preservação documental. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, [S. l.], v. 10, 2020. DOI: 10.35699/2237-6658.2020.19978. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/moci/article/view/19978. Acesso em: 31 out. 2020.