Centro de Memória da Medicina da UFMG e o tratamento de Teses Inaugurais

um estudo de caso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2237-6658.2021.29230

Palavras-chave:

Coleções especiais, Documentos primários, Centros de Memória

Resumo

O presente artigo é um estudo de caso do tratamento realizado em uma das coleções especiais do Centro de Memória da Medicina (Cememor) da Universidade de Minas Gerais (UFMG). Trata-se da coleção de teses médicas inaugurais, datadas entre os séculos XIX ao XX. Por conter pesquisas científicas na área da saúde publicadas no Brasil desde o século XIX, essas teses têm muita relevância histórica, contribuindo assim com a preservação de registros sobre a trajetória da Medicina no país. O objetivo principal da pesquisa foi a organização das teses antigas do Cememor. Os objetivos específicos foram: aplicar técnicas de conservação preventiva na coleção; criar instrumentos que possibilitem a recuperação desse acervo no Sistema Pergamum da UFMG; propiciar mais visibilidade para a coleção e para o Cememor, enquanto principal responsável pela gestão dos objetos de memória em saúde da Universidade. Os resultados demonstram uma nova organização e melhora visibilidade da coleção de de teses inaugurais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mirian Ferreira Duarte, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduanda em Biblioteconomia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e bolsista de iniciação científica no Centro de Memória da Faculdade de Medicina da UFMG.

Ana Paula Meneses Alves, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutora em Ciência da Informação. Mestre em Ciência, Tecnologia e Sociedade. Bacharel em Biblioteconomia. Docente da Escola de Ciência da Informação da UFMG.

Ráisa Mendes Fernandes de Souza, Universidade Federal de Minas Gerais

Bibliotecária do Centro de Memória da Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais. Mestre em Ciência da Informação pela UFMG. Doutora em Ciência da Informação pela Universidade Federal da Paraíba.

Ethel Mizrahy Cuperschmid, Universidade Federal de Minas Gerais

Historiadora. Graduada em Comunicação Social - habilitação Relações Públicas - pelo Instituto Cultural Newton Paiva; Mestre e Doutora em História pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente coordenadora acadêmica do Centro de Memória da Medicina da UFMG.

Referências

ALMEIDA, R. J. T. de, EL-HANI, C. Ñ. A medicina como “philosophia social”: Domingos Guedes Cabral e a tese inaugural “Funcções do Cerebro” (1875). Revista da SBHC, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 6-33, jan./ jul 2007.

ARAÚJO, A. V. de F. Gestão de coleções raras e especiais no séc. XXI: conceitos, problemas, ações. In: VIEIRA, B. G. V.; ALVES, A. P. M. (org.). Acervos especiais: memórias e diálogos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015. p. 15-32. (Coleção Memória da FCL, n. 3). Disponível em: https://www.fclar.unesp.br/Home/Instituicao/Administracao/DivisaoTecnicaAcademica/ApoioaoEnsino/LaboratorioEditorial/colecao-memoria-da-fcl-n9.pdf . Acesso em: 08 out. 2020.

AXT, G. A função social de um memorial: a experiência com memória e história no Ministério Público. MÉTIS: história & cultura, v. 12, n. 24, 2013. Disponível em: http://ucs.br/etc/revistas/index.php/metis/article/view/2338 .Acesso em: 24 maio 2020.

BARBANTI, C. H. Representação e recuperação da informação em centros de memória. 2015. 77f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27151/tde-13012016-103551/pt-br.php . Acesso em: 07 out. 2020

BARCELLOS, Jorge. O memorial como instituição no sistema de museus: conceitos e práticas na busca de um conteúdo. Palestra apresentada no Fórum Estadual de MUSEUS, Porto Alegre, 1999. Disponível em: http://lproweb.procempa.com.br/pmpa/prefpoa/camarapoa/usu_doc/concmemor.pdf . Acesso em: 07 out. 2020

BASTOS, M. H. C.; JACQUES, A. E. Liturgia da memória escolar: Memorial do Deutscher Hilfsverein ao Colégio Farroupilha (2002). Revista Linhas, Florianópolis, v. 15, n. 28, p. 49-76, jan./jun. 2014. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/linhas/article/view/1984723815282014049/3100 . Acesso em: 20 nov. 2020.

BEITES, A. M. R. O museu aberto e comunicativo: fundamentação e proposta para estudos de públicos à luz de um enfoque info-comunicacional. 2011. 211f. Dissertação (Mestrado em Museologia). Faculdade de Letras, Universidade do Porto, Porto, 2011. Disponível em: https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/57067/2/TESEMESALEXANDREBEITES000142010.pdf .Acesso em: 07 dez. 2020

BICALHO, L. M. Centro de Memória da Farmácia da UFMG: uma experiência interdisciplinar. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO,14., 2013. Anais [...] Florianópolis: ENANCIB, 2013. Disponível em: http://enancib.ibict.br/index.php/enancib/xivenancib/paper/viewFile/4595/3718 .Acesso em: 07 nov. 2020.

CAMARGO, O. P. de; LEME, L. E. G. Livre-docência. Revista Diagnóstico & Tratamento, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 82-83, 2011. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1413-9979/2011/v16n2/a2059.pdf . Acesso em: 20 out. 2020.

CARVALHO, T. C. O. N. de. UNICAMP: coleções especiais e obras raras. In: VIEIRA, B. G. V.; ALVES, A. P. M. (org.). Acervos especiais: memórias e diálogos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015. p. 89-100. (Coleção Memória da FCL, 3). Disponível em: https://www.fclar.unesp.br/Home/Instituicao/Administracao/DivisaoTecnicaAcademica/ApoioaoEnsino/LaboratorioEditorial/colecao-memoria-da-fcl-n9.pdf . Acesso em: 08 out. 2020.

CENTRO DE MEMÓRIA DA MEDICINA [CEMEMOR]. Plano Museológico. Belo Horizonte: UFMG, 2017. Disponível em: https://www.medicina.ufmg.br/cememor/wp-content/uploads/sites/51/2016/06/PlanoMuseologico2017-31-03-2017.pdf . Acesso em: 05 jan 2021.

COSTA, R. M. P.; VIEIRA, I. C. O trabalho acadêmico como fonte histórica: as teses inaugurais da Escola médico-cirúrgica do Porto (1827-1910). CEM: Cultura, Espaço e Memória, Porto, n. 3, p. 251-260, 2012. Disponível em: http://ojs.letras.up.pt/index.php/CITCEM/article/view/4836/4518 . Acesso em: 08 jan. 2021.

CUNHA, M. B. da; CAVALCANTI, C. R. de O. Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia. Brasília: Briquet de Lemos, 2008, Disponível em: https://repositorio.unb.br/handle/10482/34113 . Acesso em: 06 de out. 2020

DOOLEY, J. M.; LUCE, K. Taking our pulse: the OCLC research survey of special collections and archives. Dublin, Ohio: OCLC, 2010. Disponível em: https://www.webjunction.org/content/dam/research/publications/library/2010/2010-11.pdf . Acesso em: 22 nov. 2020.

FONTANELLI, S. A. Centro de memória e ciência da informação: uma interação necessária. 2005. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Biblioteconomia) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

GOMES, C. M. do P. Centros de memória acadêmicos: um estudo de multicasos na UFMG. 2015. 156 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/BUBD-A8SHXF . Acesso em: 23 dez. 2020.

GUIMARÃES, J. T. da S. Os discursos dos médicos do Estado do Pará nas “teses de doutoramento ou inaugurais” (1929- 1954): saúde, assistência e educação da infância pobre. 2016. 320 f. Tese (Doutorado em Educação) - Instituto de Ciências da Educação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2016. Disponível em: http://www.ppged.propesp.ufpa.br/arquivos2/File/TESEFINAL.pdf . Acesso em: 22 nov. 2020.

INTERNATIONAL COUNCIL OF MUSEUMS [ICOM]. Museum Definition. 2020. Disponível em: https://icom.museum/en/resources/standards-guidelines/museum-definition/ . Acesso em: 08 dez. 2020.

INSTITUTO ITAÚ CULTURAL. Centros de memória: manual básico para implantação. São Paulo: Itaú Cultural, 2013. Disponível em: https://www.itaucultural.org.br/centros-de-memoria-manual-basico-para-implantacao-2 . Acesso em: 07 dez. 2020.

JOINT STEERING COMMITTEE FOR REVISION OF AACR. Código de catalogação anglo-americano. 2. ed. São Paulo: FEBAB, 2005. 2 v.

NEVES, K. F. R. Memorial da Resistência de São Paulo: uma perspectiva museológica processual. In: FERREIRA, M. L. M.; MICHELON, F. F. (org.). Memória e esquecimento. Pelotas: Ed. da Universidade Federal de Pelotas, 2012. p. 35-66.

NOGUEIRA, F. P. M.; GRACIOSO, L. S. Identificação e caracterização dos lugares de memória institucionais das universidades federais brasileiras. In: CONGRESSO ISKO ESPANHA-PORTUGAL, 4.; ISKO Espanha, 14., 2019, Barcelona. Anais [...]. Disponível em: https://fima.ub.edu/isko2019/sites/isko2019/files/2019-05/isko41.pdf . Acesso em: 29 out. 2020.

PERES, R. S. Ferramentas Web 2.0 em Unidades de Informação: aspectos de divulgação e melhora contínua. 2017. 73 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Biblioteconomia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017. Disponível em: https://pantheon.ufrj.br/handle/11422/2601 . Acesso em: 09 out. 2020.

PERUZZO, T.; OLIVEIRA, G. O. de. As teses da seção de obras raras da biblioteca de ciências biomédicas da Fiocruz e a saúde pública no Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO,14., 2013. Anais [...] Florianópolis: ENANCIB, 2013. Disponível em: https://ridi.ibict.br/handle/123456789/493 . Acesso em: 07 jan. 2021.

RIBEIRO, A. M. de C. M. Catalogação de recursos bibliográficos: AACR2R em MARC 21. 4. ed. Brasília: A. Motta de Castro Memória Ribeiro, 2009.

SANTOS, M. H. et. al. (coord.). Manual de entrada de dados em formato MARC: monografias. Belo Horizonte: [s. n.], 2001.

SANTOS, M. S. dos. Políticas da memória na criação dos museus brasileiros. Cadernos de Sociomuseologia, Lisboa, v. 19. n. 19, 2002. Disponível em: https://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/article/view/369 . Acesso em: 18 dez. 2020.

SILVA, D. V. dos S. A homossexualidade masculina nas teses inaugurais da Faculdade de Medicina da Bahia (1850 - 1900). Cadernos de História, Belo Horizonte, v. 18, n. 29, ago-dez. 2017. Disponível em: http://200.229.32.43/index.php/cadernoshistoria/article/view/P.2237-8871.2017v18n29p409/12523 . Acesso em: 20 dez. 2020.

SILVEIRA, F. J. N. Sendas entre o visível e o invisível: a biblioteca como “lugar de memória” e de preservação do patrimônio. DataGramaZero: revista de informação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 5, p. [1-16], out. 2012. Disponível em: https://brapci.inf.br/index.php/res/download/101752 . Acesso em: 12 out. 2020.

YASSUDA, Sílvia Nathaly. Documentação museológica: uma reflexão sobre o tratamento descritivo do objeto no Museu Paulista. 2009. 123 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, Marília, 2009. Disponível em: https://www.marilia.unesp.br/Home/Pos-Graduacao/CienciadaInformacao/Dissertacoes/yassuda_sn_me_mar.pdf . Acesso em: 08 out. 2020.

Downloads

Publicado

2021-05-04

Como Citar

DUARTE, M. F. .; ALVES, A. P. M.; SOUZA, R. M. F. de; CUPERSCHMID, E. M. Centro de Memória da Medicina da UFMG e o tratamento de Teses Inaugurais: um estudo de caso. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, [S. l.], v. 11, p. e–29230, 2021. DOI: 10.35699/2237-6658.2021.29230. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/moci/article/view/29230. Acesso em: 15 jun. 2021.