A técnica da psicanálise frente a um caso de histeria: as reminiscências como fenômenos do inconsciente

  • Allan Moura Oliveira Gonçalves Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – Unidade Betim.
  • Celso Renato Silva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – Unidade Betim.

Resumo

manobra do estudante psicanalista tomando como índice um caso de neurose
histérica. Nesse sentido, trata-se de um caso clínico com sintomas peculiares à
histeria, como dores que mudam de lugar no corpo da paciente em questão;
reminiscências em sonhos traumáticos; e pesadelos. Sintomas esses que
convocam a uma tentativa de escrita, de transposição para o papel, ato que
se norteia justamente por um importante pilar que deve haver nesta clínica: a
ética. A partir do trato dado a alguns sonhos da paciente e das subseqüentes
interpretações clínicas, colocamos no cerne da discussão a metáfora paterna
que traz consigo a interdição da castração do sujeito. Uma vez internalizada
essa metáfora, falaremos da busca significante pelo pai simbólico de que é
privada a histérica.
Palavras-Chave: histeria, metáfora paterna, reminiscências, sonhos.

Como Citar
Gonçalves, A. M. O., & Silva, C. R. (1). A técnica da psicanálise frente a um caso de histeria: as reminiscências como fenômenos do inconsciente. Mosaico: Estudos Em Psicologia, 2(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/mosaico/article/view/6239
Seção
Artigos 2007-2013