Pulsão de Morte e Crítica Cultural

  • Gabriel Almeida Assumpção Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais

Resumo

Entre as concepções da metapsicologia que influenciaram as idéias de Sigmund
Freud sobre a cultura, a pulsão de morte recebe especial destaque, dado que
acentua uma visão mais radical acerca da violência humana. Além disso, o
referido conceito apresenta sérias implicações na passagem do primeiro
dualismo pulsional ao segundo dualismo pulsional a na transição da primeira
tópica à segunda tópica do aparelho psíquico. O presente trabalho trata de um
estudo teórico centrado em textos metapsicológicos freudianos circunscritos
ao período de 1919 a 1940 – desde “O Estranho” (1919) até o Compêndio de
Psicanálise (1938[1940]) – tendo por meta expor como evoluiu, no pensamento
freudiano, a concepção de pulsão de morte, observando como essa se articula
à compulsão à repetição, à culpa e à crítica cultural freudiana. Além dos textos
estritamente metapsicológicos, daremos ênfase à obra O Mal-Estar na Cultura
(1930). Buscaremos, também, auxílio de comentadores de Freud.

Palavras-chave: Compulsão à repetição, Culpa, Pulsão de morte, Visão
freudiana da cultura.

Como Citar
Assumpção, G. A. (1). Pulsão de Morte e Crítica Cultural. Mosaico: Estudos Em Psicologia, 3(1). Recuperado de https://periodicos.ufmg.br/index.php/mosaico/article/view/6253
Seção
Artigos 2007-2013