De Leibniz às máquinas sociais: uma visão histórica do surgimento dos agentes inteligentes de informação sob a ótica da ciência da informação

Autores

Palavras-chave:

Agentes de Mineração. Máquinas Sociais. Internet 3.0.

Resumo

Tem como objetivo investigar o contexto histórico do desenvolvimento das ideias que culminaram com o surgimento dos agentes de mineração. Pressupõe, hoje, que cerca de metade da informação processada na Internet é feita por agentes o que estimula uma discussão sobre o papel dos bots na contemporaneidade, bem como da relação destes com pessoas e seus dados. A justificativa deste trabalho se dá pela observação do cenário atual em que tais agentes já interagem com as pessoas e pelo distanciamento presumido, do objeto de estudo que resulta na escassez de publicações a partir da CI. Apresenta como as necessidades informacionais que impulsionaram o surgimento da Ciência da Informação também inspiraram a criação dos agentes de mineração. O Procedimento metodológico utilizado foi uma revisão bibliográfica que parte do desejo de Leibniz em criar o Calculus Ratiocinator e segue até a contemporânea teoria das Máquinas Sociais. Sugere como conclusão, por um lado, que a CI já desenvolveu o seu olhar sobre a evolução dos Agentes de Mineração, que a princípio era atribuída, apenas, à lógica e matemática, e por outro lado articular estas desconexas e esparsas visões dos contextos próprios dos agentes de mineração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AABOE, A. Episodes from the early history of mathematics. MAA, v.13, 1964.

AHARONY, N.; REED, D.; LIPPMAN, A. Social area networks: Data networking of the people, by the people, for the people. In: COMPUTATIONAL SCIENCE AND ENGINEERING, 2009. Anais [...]. Nova York, IEEE, 2009.

ANJOS, L. Sistemas de Classificação do Conhecimento na Filosofia e na Biblioteconomia: Uma visão histórico-conceitual crítica com enfoque nos conceitos de classe, de categoria e de faceta. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade de São Paulo, São Paulo. 2008.

BERNERS-LEE, T. Weaving the Web: The Past, Present and Future of the World Wide Web by Its Inventor. London: Orion Business Books, 1999.

BERNERS-LEE, T. The Semantic Web. Scientific American, May 2001. Disponível em: https://www.scientificamerican.com/article/the-semantic-web/. Acesso em: 22 mar. 2021.

BIOLCHINI, J. Semântica na representação do conhecimento: do vocabulário controlado à ontologia. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, V, 2003. Anais […]. Rio de Janeiro: IBICT, 2003.

BUSH, V. As We May Think. The atlantic monthly, v. 176, n. 1, 1945. p. 101-10.

BURÉGIO, V., MEIRA, S., ROSA, N. Social machines: a unified paradigm to describe social web-oriented systems. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON WORLD WIDE WEB COMPANION, 22, 2013. New York. Anais[…]. New York, p. 885-890, 2013

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTELLS, M. A Galáxia Internet: reflexões sobre a Internet, negócios e a sociedade. Zahar, 2003.

CRNKOVIC, G. Shifting the Paradigm of the Philosophy of Science: the Philosophy of Information and a New Renaissance. Minds and Machines, v.13, n.4. 2003. Disponível em: https://link.springer.com/article/10.1023/A:1026248701090. Acesso em: 22 mar. 2021.

DAHLBERG, I. Teoria da classificação, ontem e hoje. In: CONFERENCIA BRASILEIRA DE CLASSIFICAÇÃO BIBLIOGRÁFICA, 1976, Rio de Janeiro. Anais […]. Rio de Janeiro: IBICT, 1979.

DUQUE, C., CARVALHÊDO, S. web semântica, as redes sociais e o futuro dos profissionais da informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, v. 9, 2008. Anais [...]. ANCIB, 2009.

FLORIDI, L. Internet: which future for organized knowledge, Frankenstein or Pygmalion. International journal of human-computer studies, v.43, p.261-274, 1995. Disponível em: https://uhra.herts.ac.uk/bitstream/handle/2299/1823/901824.pdf?sequence=1. Acesso em: 22 mar.2021.

FLORIDI, L. Information ethics: an environmental approach to the digital divide. Philosophy in the Contemporary World, v. 9, n. 1, p. 39–45, 2002.

FLORIDI, L. The fourth revolution: how the infosphere is reshaping human reality. Oxford: Oxford University Press, 2014.

GARCIA, J., SOUSA, M. Cultura digital: odisseia da tecnologia e da ciência. Em Questão, v. 17, n. 2, 2013. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/22252/14320. Acesso em: 22 mar. 2021.

GEHRINGER, M., LONDON, J. Odisseia digital. 2001. Disponível em: http://www.geocities.ws/teeboheli/anexos/odisseiaDigital2.pdf. Acesso em: 2 jun. 2016.

GLEICK, J. A informação: Uma história, uma teoria, uma enxurrada. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

GUEDES, W., ARAÚJO JÚNIOR, R. Estudo das similaridades entre a teoria matemática da comunicação e o ciclo documentário. Informação & Sociedade, v. 24, n. 2, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/16498. Acesso em: 22 mar. 2021.

HEIMS, J. John von Neumann and Norbert Wiener. Cambridge: MIT Press, 1980.

HERKEN, R. The Universal Turing Machine. A Half-Century Survey. Oxford: Oxford University Press, 1992.

JORENTE, M.; SANTOS, P.; VIDOTTI, S. Quando as Webs se encontram social e semântica: promessa de uma visão realizada? Informação & Informação, v. 14, n.1esp., p. 1-24, 2009. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/2215/3209. Acesso em: 22 mar. 2021.

KOPETZ, H. Internet of things. In: KOPETZ, H. Real-time systems. Springer US, 2011.

KURZWEIL, R., RICHTER, R., SCHNEIDER, M. The age of intelligent machines. Cambridge: MIT Press, 1990.

LÉVY, P. A inteligência coletiva. São Paulo: Loyola, 1998.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2010.

MANESS, J. Teoria da Biblioteca 2.0: Web 2.0 e suas implicações para as bibliotecas. Informação & Sociedade, v. 17, n. 1, 2007. Disponível em: https://brapci.inf.br/_repositorio/2010/11/pdf_d1b75c96ad_0012775.pdf. Acesso em: 22 mar. 2021.

MATHEUS, R. Rafael Capurro e a filosofia da informação: abordagens, conceitos e metodologias de pesquisa para a Ciência da Informação. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 10, n. 2, 2005. Disponível em: http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/341. Acesso em: 22 mar. 2021.

MEIRA, S. Novos negócios inovadores de crescimento empreendedor no Brasil. São Paulo: Leya, 2015.

MUHERONI, M. O paradigma físico da informação, segundo James Gleick. In: SILVA, J; PALETTA, F. (Orgs.) Tópicos para ensino de biblioteconomia. São Paulo: ECA-CBD, 2016. P. 166-175. v. 1.

NEIL, S. The Late George Boole. 1865. Tese (Doutorado em Matématica) - Queen’s College, Cork.

OTLET, P. Traité de Documentation: Le livre sur le Livre – Théorie et pratique. Bruxelles: Mundaneum, 1934.

PECKHAUS, V. Calculus ratiocinator versus characteristica universalis? The two traditions in logic, revisited. History and Philosophy of Logic, v. 25, n. 1, p. 3-14, 2004.

PIERUCCINI, I. Fundamentos em Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação. 2013. Disponível em: https://www.passeidireto.com/arquivo/6393254/pieruccini-ivete-fundamentos-em- biblioteconomia-documentacao-e-ci/2. Acesso em: 01 fev. 2016.

POMBO, O. Dispersão e unidade para uma poética da simpatia. In: LARA, M.; SMIT, J. (Orgs). Temas de Pesquisa em Ciência da Informação no Brasil. São Paulo: USP, 2010.

PRICEWATERHOUSE, H. The business value of APIs. 2012 Disponível em: http://www.pwc.com/us/en/technology-forecast/2012/issue2/download.html. Acesso em: 23 abr. de 2016.

RECUERO, R. Redes sociais na internet. Porto Alegre: Sulina, 2011.

ROSENBLUETH, A., WIENER, N., BIGELOW, J. Behavior, purpose and teleology. Philosophy of science, v. 10, n. 1, 1943. Disponivel em: https://www.jstor.org/stable/184878?refreqid=excelsior%3A4862a6a1c17dfdcda1f2ef5a0af6a1eb&seq=1. Acesso em: 22 mar. 2021.

ROUSH, W. Social machines: Computing means connecting. Technology Review, v. 108, n. 8, p. 44, 2005.

SEMMELHACK, P. Social machines: how to develop connected products that change customers' lives. New York: John Wiley & Sons, 2013.

SHANNON, C., WEAVER, W. The mathematical theory of information. 1949.

SOLOVE, D. The digital person: Technology and privacy in the information age. New York: Ny U. Press, 2004.

TOFFLER, A. A Terceira Onda. São Paulo: Record, 2007.

TSVETKOVA, M., GARCIA-GAVILANES, R., FLORIDI, L. Even Good Bots Fight. 2016. Disponível em: https://arxiv.org/abs/1609.04285. Acesso em: 23 abr. 2016.

TURING, A. Computing machinery and intelligence. Mind, v. 59, n. 236, 1950. Disponível em: https://www.csee.umbc.edu/courses/471/papers/turing.pdf. Acesso em: 22 mar. 2021.

VICKERY, A; VICKERY, B. Information science in theory and practice. Berlim: Walter de Gruyter, 2004.

https://www.incapsula.com/blog/bot-traffic-report-2015.html

www.wikipedia.com

http://goo.gl/ONtVlj

Visicalc foi o primeiro programa de planilha eletrônica utilizado em computadores pessoais. Lançado em 1979 para computadores Apple II e foi o primeiro programa de computador a vender mais de 10 milhões de cópias.

Downloads

Publicado

2021-04-01

Edição

Seção

Artigos