ESTUDO ETNOGRÁFICO NO LAZER DO JIU-JITSU AO MEIO DIA:

UMA CONFRARIA DE HOMENS E SUAS MASCULINIDADES

Autores

  • Mateus Silva Barcelos de Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Mauro Myskiw Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Raquel da Silveira UFRGS

Resumo

Este artigo trata de uma investigação etnográfica no lazer de homens praticantes de jiu-jitsu no horário do meio dia. Com o objetivo de compreender esse espaço/tempo vivenciado por eles identificamos o estabelecimento de uma ‘confraria’ que se sustentava a partir de ações cotidianas que se tornavam socializadoras em prol de uma dada masculinidade. Aqueles homens ao demarcarem a importância do trabalho e, com isso, reafirmarem suas posições de autoridade; assim como, ressaltarem uma suposta supremacia em relação às mulheres e aos homens que não sejam heterossexuais, faziam daquele espaço/tempo de lazer um meio de manutenção do ‘mandato de masculinidade’ que historicamente se sustenta em nossa sociedade. Em síntese, as contribuições que esse estudo oferece para a compreensão do lazer é que este espaço/tempo da vida das pessoas carrega a complexidade de elementos sociais do cotidiano em que elas estão inscritas, e que ao assumir a configuração de uma ‘confraria’ potencializa os vínculos e os acordos implicando de maneira significativa esse cotidiano.

Palavras-chaves: lazer, masculinidades, jiu-jitsu

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mateus Silva Barcelos de Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Licenciado e bacharel em Educação Física pela UFRGS

Mauro Myskiw, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Docente da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano. Coordenador do Grupo de Estudos Socioculturais em Educação Física (GESEF).

Raquel da Silveira, UFRGS

Docente da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e coordenadora do Grupo de Estudos Socioculturais em Educação Física (GESEF).

Downloads

Publicado

2021-02-16