FUTEBOL, FERROVIA E PATERNALISMO

A RELAÇÃO RIO CLARO FUTEBOL CLUBE E COMPANHIA PAULISTA DE ESTRADAS DE FERRO, 1909-1931

  • Renan Vidal Mina Doutorado em Sociologia UFSCAR
  • Marco Antonio Bettine de Almeida Universidade de São Paulo

Resumo

Este artigo analisa três pontos principais: i) o desenvolvimento do futebol operário em Rio Claro mediante a criação do Rio Claro Futebol Clube; ii) a influência do paternalismo da Companhia Paulista de Estradas de Ferro sobre a agremiação futebolística frequentada pelos trabalhadores ferroviários; iii) e os fatores que levaram ao declínio deste influxo. A adesão dos ferroviários ao futebol, além de possibilitar o distanciamento momentâneo da extenuante rotina de trabalho, contribuía para o fortalecimento dos laços do grupo. A direção da Paulista, disposta a vigiar as ações de seus funcionários fora do universo fabril, empenhou-se em intervir nos rumos do Rio Claro F. C.. Contudo, esse processo veio acompanhado de tensões, especialmente com os comerciantes e filhos de imigrantes italianos que passaram a adquirir maior relevância no cotidiano da agremiação.

Biografia do Autor

Renan Vidal Mina, Doutorado em Sociologia UFSCAR

 Doutorando em Sociologia pela Universidade Federal de São Carlos. Mestre em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Mudança Social e Participação Política da Universidade de São Paulo.

Marco Antonio Bettine de Almeida, Universidade de São Paulo

Professor Livre Docente da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo.

Publicado
2019-10-02