ESPORTE E ESTRUTURA SOCIAL: LAZER E SAÚDE PÚBLICA À LUZ DO PRINCÍPIO DA SEGMENTARIDADE

  • Wecisley Ribeiro do Espírito Santo Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Atividades de lazer, Saúde pública, Organização social.

Resumo

O presente ensaio teórico investiga a estrutura mimética do lazer esportivo, em sua relação com a saúde afetiva. Evoca-se o princípio da segmentaridade, categoria absolutamente nuclear para a antropologia, como conceito operador da interpretação elaborada. O argumento central sugere que o esporte organiza em termos mais estáveis, processos de segmentação social que, na vida cotidiana, são dotados de grande incerteza. Nesse sentido, a prática lúdica do esporte oferece um laboratório de experimentação emocional que concorre para a formação de subjetividades habituadas a interagir com conflitos e diferenças; portanto, subjetividades resistentes à evitação da alteridade e, por conseguinte, ao medo e ao mal-estar que marcam as formas de vida baseadas em padronização identitária.

Biografia do Autor

Wecisley Ribeiro do Espírito Santo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Licenciado em Educação Física, mestre e doutor em Antropologia Social, professor adjunto do IEFD/UERJ, Rio de Janeiro.
Publicado
2018-12-17