Os impactos da Reforma Trabalhista sobre o trabalho da Enfermagem

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2022.39242

Palavras-chave:

Enfermagem, Serviços Terceirizados, Saúde do Trabalhador, Legislação Trabalhista

Resumo

Objetivo: Refletir acerca das transformações ocorridas no universo do trabalho da Enfermagem, à luz da Reforma Trabalhista de 2017. Metodologia: Trata-se de uma produção teórica de reflexão, suportada pela sociologia do trabalho e por estudos da Enfermagem e da Saúde Coletiva sobre a dimensão do trabalho. Divide-se em três tópicos: o primeiro localiza a Enfermagem no âmbito da reestruturação produtiva do Estado brasileiro na década de 1990; o segundo apresenta o perfil dos profissionais no Brasil; o terceiro explana as repercussões da Reforma Trabalhista de 2017 no universo do trabalho da Enfermagem. Resultados: As alterações geradas pela reforma trabalhista apontam para uma perspectiva de vínculos mais precários e desprotegidos de trabalho, os quais comprometem a luta dos profissionais da Enfermagem e produzem adoecimento. Considerações Finais: Este estudo possui potencial para subsidiar o debate sobre a temática e a reflexão dos profissionais da Enfermagem, diretamente afetados, sobre as estratégias para superação desses desafios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Lombardi MR, Campos VP. A Enfermagem no Brasil e os contornos de gênero, raça/cor e classe social na formação do campo profissional. Rev Abet. 2018[citado em 2020 set. 06];17(1):28-46. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/abet/article/view/41162/20622

Hirata H. Mulheres brasileiras: relações de classe, de “raça” e de gênero no mundo do trabalho. Confins (Online). 2019[citado em 2020 jan.12]. Disponível em: https://journals.openedition.org/confins/10754

Bourdieu P. A dominação masculina. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil; 2002. 160p.

Souza HS, Mendes ÁN, Chaves AR. Nursing workers: trabalhadores da enfermagem: conquista da formalização, “dureza” do trabalho e dilemas da ação coletiva. Ciênc Saúde Colet. 2020[citado em 2021 jan. 11];25(1):113-22. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232020000100113&tlng=pt

Pires D. Reestruturação produtiva e consequências para o trabalho em saúde. Rev Bras Enferm. 2000[citado em 2020 out. 25];53(2):251-63. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/reben/v53n2/v53n2a10.pdf

Krein JD, Oliveira RV, Filgueiras VA. As reformas trabalhistas: promessas e impactos na vida de quem trabalha. Cad CRH. 2019[citado em 2020 set. 28];32(86):225-9. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/crh/article/view/33188/19668

Antunes R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. São Paulo: Boitempo; 2018. 325 p.

Marx K. O Capital (Livro I): crítica da economia política. O processo de produção do capital. 2ª ed. São Paulo: Boitempo; 2011. 894 p.

Silva MCN, Machado MH. Sistema de saúde e trabalho: desafios para a Enfermagem no Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2020[citado em 2021 jan. 22];25(1):7-13. Disponível em: https://www.scielosp.org/pdf/csc/2020.v25n1/7-13/pt

Machado MH, Koster I, Aguiar Filho W, Wermelinger MCMW, Freire NP, Pereira EJ. Mercado de trabalho e processos regulatórios - a Enfermagem no Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2020[citado em 2021 fev. 18];25(1):101-12. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/csc/v25n1/1413-8123-csc-25-01-0101.pdf

Mendonça MHM, Matta GC, Gondim R, Giovanella L. Atenção Primária à Saúde no Brasil: conceitos, práticas e pesquisa. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2018.

Martins ALX, David HMSL. Crise e Enfermagem na atenção primária: notas da prática social pelo materialismo histórico dialético. Rev Enferm UERJ. 2019[citado em 2020 out. 03];27(1):1-6. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/42472/31840

Ferreira DKS, Medeiros SM, Carvalho IM. Sofrimento psíquico no trabalhador de Enfermagem: uma revisão integrativa. Rev Pesqui (Univ Fed Estado Rio J Online). 2017[citado em 2020 dez. 13];9(1):253-8. Disponível em: http://seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/3912/pdf_1

Druck G. A terceirização na saúde pública: formas diversas de precarização do trabalho. Trab Educ Saúde. 2016[citado em 2020 out. 08];14:15-43. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tes/v14s1/1678-1007-tes-14-s1-0015.pdf

Ministério Público do Trabalho (BR). Observatório de Segurança e Saúde no Trabalho. Brasília: MPT; 2010[citado em 2021 jan. 22]. Disponível em: https://smartlabbr.org/sst

Arquivos adicionais

Publicado

29-06-2022

Como Citar

1.
Pereira Átila AC, Lemos M, Cunha CLF, Souza HS de, Alvarenga EC, Ferreira GRON, Mercês HLP, Pinho ECC. Os impactos da Reforma Trabalhista sobre o trabalho da Enfermagem . REME Rev Min Enferm. [Internet]. 29º de junho de 2022 [citado 4º de fevereiro de 2023];26. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/39242

Edição

Seção

Reflexão