O uso da simulação no ensino da técnica de aspiração de vias aéreas: ensaio clínico randomizado controlado

Autores

  • Patrícia Oliveira Salgado Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Medicina e Enfermagem, Viçosa MG , Brazil, Universidade Federal de Viçosa - UFV, Departamento de Medicina e Enfermagem. Viçosa, MG - Brasil.
  • Cristiane Chaves Souza Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Medicina e Enfermagem, Viçosa MG , Brazil, Universidade Federal de Viçosa - UFV, Departamento de Medicina e Enfermagem. Viçosa, MG - Brasil.
  • Pedro Paulo do Prado Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Medicina e Enfermagem, Viçosa MG , Brazil, Universidade Federal de Viçosa - UFV, Departamento de Medicina e Enfermagem. Viçosa, MG - Brasil.
  • Paula Coelho Balbino Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Medicina e Enfermagem, Viçosa MG , Brazil, Universidade Federal de Viçosa - UFV, Departamento de Medicina e Enfermagem. Viçosa, MG - Brasil.
  • Luciane Ribeiro Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Medicina e Enfermagem, Viçosa MG , Brazil, Universidade Federal de Viçosa - UFV, Departamento de Medicina e Enfermagem. Viçosa, MG - Brasil.
  • Luciano Cortês Paiva Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Medicina e Enfermagem, Viçosa MG , Brazil, Universidade Federal de Viçosa - UFV, Departamento de Medicina e Enfermagem. Viçosa, MG - Brasil.
  • Nathália Lorena Martins Brombine Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Medicina e Enfermagem, Viçosa MG , Brazil, Universidade Federal de Viçosa - UFV, Departamento de Medicina e Enfermagem. Viçosa, MG - Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2018.49658

Palavras-chave:

Enfermagem, Ensino, Ensaio Clínico, Simulação, Sucção

Resumo

Estudo com o objetivo de avaliar o efeito do uso da simulação no ensino da habilidade de aspiração de vias aéreas inferiores. Trata-se de ensaio clínico controlado randomizado realizado em uma universidade pública federal em outubro de 2016. Amostra de 33 estudantes alocados mediante sorteio aleatório nos grupos intervenção (n=17) e controle (n=16). A intervenção avaliada foi o ensino da técnica de aspiração de vias aéreas inferiores utilizando a simulação (oficinas individuais e debriefing), e o controle foi o ensino da técnica pelo método tradicional (aula expositiva e treinamento em grupo). Os desfechos avaliados foram o conhecimento teórico e prático sobre a habilidade ensinada, cujas pontuações máximas eram, respectivamente, 19 e 29 pontos. Os dados foram analisados utilizando-se estatística descritiva e inferencial. No conhecimento teórico, a média de acertos do grupo intervenção foi de 15,1 pontos e no grupo-controle foi de 15,5 pontos. Na avaliação prática, a pontuação média no grupo intervenção foi de 22,9 pontos e no grupo-controle foi de 20,8 pontos. Não houve diferença na média de acertos no conhecimento teórico e prático sobre a habilidade ensinada entre os grupos intervenção e controle. Entretanto, alunos que participaram das atividades simuladas relataram mais confiança e segurança no desenvolvimento da técnica em laboratório. Sugere-se a replicação do estudo com amostra maior para comparação dos achados. Registro Brasileiro de Ensaios Clínicos: RBR-8bsmyz.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Oliveira SN, Prado ML, Kempfer SS. Utilização da simulação no ensino da enfermagem: revisão integrativa. REME - Rev Min Enferm. 2014[citado em 2017 maio 24];18(2):487-95. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/941

Baptista RCN, Martins JCA, Pereira MFCR, Mazzo A. Simulação de altafidelidade no curso de enfermagem: ganhos percebidos pelos estudantes. Referência. 2014[citado em 2017 maio 24];IV(1):135-44. Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S087402832014000100015&lng=pt.

Kohn L, Corrigan J, Donaldson M, editors. To err is human: building a safer health system. Washington (DC): National Academies Press; 2001.

Teixeira CRS, Pereira MCA, Kusumota L, Gaioso VP, Mello CL, Carvalho EC. Evaluación de los estudiantes de enfermería sobre el aprendizaje con la simulación clínica. Rev Bras Enferm. 2015[citado em 2017 maio 20];68(2):311-9. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672015000200311&lng=en.

Costa RRO, Medeiros SM, Martins JCA, Menezes RMP, Araújo MS. O uso da simulação no contexto da educação e formação em saúde e enfermagem: uma reflexão acadêmica. Espaç Saúde. 2015[citado em 2017 maio 20];16(1):59-65. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/espacoparasaude/article/view/20263/pdf_63

Abreu AG, Freitas JS, Berte M, Ogradowski KRP, Nestor A. O uso da simulação realística como metodologia de ensino e aprendizagem para as equipes de enfermagem de um hospital infanto-juvenil: relato de experiência. Ciênc Saúde Coletiva. 2014[citado em 2017 maio 10];7(3):162-6. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faenfi/article/view/17874/12495

Kim J, Park JH, Shin S. Effectiveness of simulation-based nursing education depending on fidelity: a meta-analysis. BMC Med Educ. 2016[citado em 2017 ago. 10];23(16):152. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4877810/

Shin S, Park J, Kim JH. Effectiveness of patient simulation in nursing education: meta-analysis. Nur Educ Today. 2015[citado em 2017 ago. 10];35:176-82. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.nedt.2014.09.009

Perry AG, Potter PA, Desmarais PL. Guia completo de procedimentos e competências de enfermagem. 8ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2015.

Polit DF, Beck CT. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: avaliação de evidências para a prática da enfermagem. 7ª ed. Porto Alegre: Artmed; 2011.

Perroca MG, Gaidzinski RR. Avaliando a confiabilidade interavaliadores de um instrumento para classificação de pacientes: coeficiente Kappa. Rev Esc Enferm USP. 2003[citado em 2016 jul. 20];37(1):72-80. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/reeusp/article/view/41330

Pedersoli CE, Pedersoli TAM, Faro ACM, Dalri MCB. Ensino do manejo da via aérea com máscara laríngea: estudo randomizado controlado. Rev Bras Enferm. 2016[citado em 2017 jun. 19];69(2):368-74. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003471672016000200368&lng=en

Daniels K, Arafeh J, Clark A, Waller S, Druzin M, Chueh J. Prospective randomized trial of simulation versus didactic teaching for obstetrical emergencies. Simul Healthc. 2010[citado em 2017 jun. 28];5(1):40-5. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20383090

Silva APSS, Cogo ALP. Aprendizagem de punção venosa com objeto educacional digital no Curso de Graduação em Enfermagem. Rev Gaúcha Enferm. 2007[citado em 2017 jun. 28];28(2):187-92. Disponível em: http://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/3162

Meska MHG, Mazzo A, Jorge BM, Souza-Junior VD, Negri EC, Chayamiti EMPC. Urinary retention: implications of low-fidelity simulation training on the self-confidence of nurses. Rev Esc Enferm USP. 2016[citado em 2017 ago. 20];50(5):8317. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342016000500831&lng=en.

Publicado

10-07-2018

Como Citar

1.
Salgado PO, Souza CC, Prado PP do, Balbino PC, Ribeiro L, Paiva LC, Brombine NLM. O uso da simulação no ensino da técnica de aspiração de vias aéreas: ensaio clínico randomizado controlado. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 10º de julho de 2018 [citado 24º de junho de 2024];22(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49658

Edição

Seção

Pesquisa