Uso de uterotônicos no terceiro período do parto em uma maternidade da Zona da Mata Mineira

Autores

  • Lilian Fernandes Arial Ayres Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Medicina e Enfermagem, Viçosa MG , Brasil, Universidade Federal de Viçosa - UFV, Departamento de Medicina e Enfermagem. Viçosa, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0003-3809-2660
  • Kareen Eduarda Alves dos Santos Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Medicina e Enfermagem, Viçosa MG , Brasil, Universidade Federal de Viçosa - UFV, Departamento de Medicina e Enfermagem. Viçosa, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0002-9913-5233
  • Brenda Alves Beirigo Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Medicina e Enfermagem, Viçosa MG , Brasil, Universidade Federal de Viçosa - UFV, Departamento de Medicina e Enfermagem. Viçosa, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0002-8426-7890
  • Vanessa Doriguêtto Lima Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Medicina e Enfermagem, Viçosa MG , Brasil, Universidade Federal de Viçosa - UFV, Departamento de Medicina e Enfermagem. Viçosa, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0002-9348-3931
  • Mara Rúbia Maciel Cardoso do Prado Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Medicina e Enfermagem, Viçosa MG , Brasil, Universidade Federal de Viçosa - UFV, Departamento de Medicina e Enfermagem. Viçosa, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0001-6314-0009
  • Bruno David Henriques Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Medicina e Enfermagem, Viçosa MG , Brasil, Universidade Federal de Viçosa - UFV, Departamento de Medicina e Enfermagem. Viçosa, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0002-6844-6661
  • Camila Mendes dos Passos Universidade Federal de Viçosa, Departamento de Medicina e Enfermagem, Viçosa MG , Brasil, Universidade Federal de Viçosa - UFV, Departamento de Medicina e Enfermagem. Viçosa, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0003-1230-2500

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2020.49920

Palavras-chave:

Trabalho de Parto, Terceira Fase do Trabalho de Parto, Parto Obstétrico, Cuidados de Enfermagem

Resumo

OBJETIVO: avaliar o uso de uterotônico em parturientes primíparas durante o terceiro período de trabalho de parto, segundo via de nascimento e fatores assistenciais associados, em uma maternidade de um município Zona da Mata Mineira. MÉTODO: estudo transversal, descritivo e analítico, com 222 mulheres. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevistas. A análise descritiva foi realizada mediante frequências relativas e absolutas. O teste qui-quadrado de Pearson foi utilizado para identificar as diferenças estatísticas relacionadas ao uso do uterotônico, tendo em vista as características sociodemográficas e a assistência obstétrica. Modelos de regressão de Poisson foram utilizados para estimar as razões de prevalência bruta e ajustada. RESULTADO: mais de 80% das puérperas receberam uterotônico independentemente da via de administração. Após ajustes por características sociodemográficas, identificou-se que: não estar em trabalho de parto na internação; ter tido parto normal; amamentar na sala de parto; ter acompanhante na sala de parto; ter contato pele a pele; e receber massagem para extração da placenta foram condições associados ao uso do uterotônico intramuscular. Evidenciou-se que: ter sido submetida à cesariana; não amamentar na sala de parto; não receber contato pele a pele; e não ser submetida à massagem para extração da placenta associaram-se ao uso intravenoso. CONCLUSÃO: concluiu-se que fatores da assistência obstétrica estão associados à aplicação de uterotônico em parturientes primíparas durante o terceiro período de trabalho de parto, independentemente da via de administração, e que seu uso é uma medida realizada para o manejo do terceiro período do trabalho de parto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Leão MRC, Riesco MLG, Schneck CA, Angelo M. Reflexões sobre o excesso de cesarianas no Brasil e a autonomia das mulheres. Ciênc Saúde Colet. 2013[citado em 2019 nov. 15];18(8):2395-400. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v18n8/24.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos.-Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal. Brasília: Ministério da Saúde; 2017. Disponível em: http://conitec.gov.br/images/Relatorios/2017/Relatorio_DiretrizesNacionais_PartoNormal_versao-final.pdf

Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS). Folha informativa - Mortalidade materna. 2018[citado em 2019 nov. 15]. Disponível em: https://www.paho.org/bra/index.php?option=_comcontent&view=article&id=5741:folha-informativamortalidade-materna&Itemid=820

Begley CM, Gyte GM, Devane D, McGuire W, Weeks A, Biesty LM. Active versus expectante management for women in the thirty stage of labour. Cochrane Data base Syst Rev. 2019 Fev[citado em 2019 nov. 15];2(2):CD007412. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6372362/pdf/CD007412.pdf

Salati JA, Leathersich SJ, Williams MJ, Cuthbert A, Tolosa JE. Prophylactic oxytocin for the third stage of labour to prevent postpartum haemorrhage. Cochrane Database Syst Rev. 2019[citado em 2019 nov. 15];4(4):CD001808. Disponível em: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD001808.pub3/epdf/full

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal. Brasília: Ministério da Saúde; 2016[citado em 2019 nov. 15]. Disponível em: http://conitec.gov.br/images/Relatorios/2016/Relatorio_Diretriz_PartoNormal_Recomendacao.pdf

Ruiz MT. Análise da perda hemática durante o processo de parturição[tese]. Ribeirão Preto: USP; 2012[citado em 2019 nov. 15]. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22133/tde-16012013-095258/publico/MARIANATORREGLOSARUIZ.PDF

Parry SWR, Gallos ID, Williams HM, Widmer M, Angolkar M, Tobias A, et al . First-line uterotonics for treating postpartum haemorrhage: a systematic review and network meta-analysis. Cochrane Database Syst Rev. 2017[citado em 2019 nov. 15];8:CD012754. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6483493/pdf/CD012754.pdf

Committee on Practice Bulletins-Obstetrics. Practice bulletin n. 183:postpartum hemorrhage. Obstet Gynecol. 2017[citado em 2019 nov. 15];130(4):e168-86. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28937571/

World Health Organization (WHO). Recommendations intrapartum care for a positive childbirth experience. Geneva: WHO; 2018[citado em 2019 nov. 15]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/260178/9789241550215-eng.pdf;jsessionid=A2CEC6F80D1913FBCC15D9EA75014813?sequence=1

Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Recomendações assistenciais para prevenção, diagnóstico e tratamento da hemorragia obstétrica. Brasília: OPAS; 2018[citado em 2019 nov. 15]. Disponível em: https://iris.paho.org/bitstream/handle/10665.2/34879/9788579671241-por.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Coutinho LMS, Scazufca M, Menezes PR. Métodos para estimar razão de prevalência em estudos de corte transversal. Rev Saúde Pública. 2008[citado em 2019 nov. 15];42(6):992-8. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102008000600003&script=sci_abstract&tlng=pt

Souza ML, Laurenti R, Knobel R, Monticelli M, Bruggemann OM, Drake E. Mortalidade materna por hemorragia no Brasil. Rev Latino-Am Enferm. 2013[citado em 2019 nov. 15];21(3):[08 telas]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n3/pt_0104-1169-rlae-21-03-0711.pdf

Neri-Mejía M, Pedraza-Avilés AG. Tratamiento activo del tercer periodo del trabajo de parto: três esquemas de oxitocina. Ginecol Obstet Mex. 2016[citado em 2019 nov. 15];84(5):306-13. Disponível em: https://www.medigraphic.com/pdfs/ginobsmex/gom-2016/gom165f.pdf

Adnan N, Boland F, Murphy DJ. Intramuscular oxytocin versus intravenous oxytocin to prevent postpartum haemorrhage at vaginal delivery (LabOR trial): study protocol for a randomised controlled trial. Trials. 2017[citado em 2019 nov. 15];18(1):541. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5688658/pdf/13063_2017_Article2269.pdf

Gallos ID, Williams HM, Price MJ, Merriel A, Gee H, Lissauer D, et al . Uterotonic agents for preventing postpartum haemorrhage: a network meta-analysis. Cochrane Database Syst Rev. 2018[citado em 2019 nov. 15];4(4):CD011689. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6494487/pdf/CD011689.pdf

Chawla D, Khatri R, Khatuja R, Gupta V, Agrawal R. A comparative study of various uterotonics in active management of third stage of labour. PARIPEX Indian J Research. 2018[citado em 2019 nov. 15];7(4):15-8. Disponível em: https://www.worldwidejournals.com/paripex/fileview/April_2018_1523281221_36.pdf

Jin XH, Li D, Li X. Carbetocin vs oxytocin for prevention of postpartum hemorrhage after vaginal delivery: a meta-analysis. Medicine (Baltimore). 2019[citado em 2019 nov. 15];98(47):e17911. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/31764790/

Hardegg JJL, Brunner M, Ries JJ, Felten VS, Heugel C, Lapaire O, et al. Replacement of oxytocin bolus administration by infusion: influences on postpartum outcome. Arch Gynecol Obstet. 2016[citado em 2019 nov. 15];293(6):1219-25. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4863908/pdf/404_2015_Article3916.pdf

Oladapo OT, Okusanya BO, Abalos E. Intramuscular versus intravenous prophylactic oxytocin for the third stage of labour. Cochrane Database Syst Rev. 2018[citado em 2019 nov. 15];9(9):CD009332. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6513632/pdf/CD009332.pdf

Vilchez G, Patel N, Maulik D. Postpartum haemorrhage refractory to uterotonics. BJOG. 2020[citado em 2019 nov. 15];127:635. Disponível em: https://obgyn.onlinelibrary.wiley.com/action/showCitFormats?doi=10.1111%2F1471-0528.16077

Saxton A, Fahy K, Rolfe M, Skinner V, Hastie C. Does skin-to-skin contact and breast feeding at birth affect the rate of primary postpartum haemorrhage: results of a cohort study. Midwifery. 2015[citado em 2020 fev. 12];31(11):1110-7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.midw.2015.07.008

Abedi P, Jahanfar S, Namvar F, Lee J. Breastfeeding or nipple stimulation for reducing postpartum haemorrhage in the third stage of labour. Cochrane Database Syst Rev. 2016[citado em 2020 fev. 12];(1):CD010845. Disponível em: https://www.cochranelibrary.com/cdsr/doi/10.1002/14651858.CD010845.pub2/epdf/full

Saccone G, Caissutti C, Ciardulli A, Abdel-Allem H, Hofmeyr GF, Berghella V. Uterine massage as part of active management of the third stage of labour for preventing postpartum haemorrhage during vaginal delivery: a systematic review and metaanalysis of randomised trials. BJOG. 2018[citado em 2020 fev. 12];125(7):778-81. Disponível em: https://obgyn.onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/1471-0528.14923

Rangel RCT, Souza ML, Bentes CML, Souza ACRH, Leitão MNC, Lynn FA. Tecnologias de cuidado para prevenção e controle da hemorragia no terceiro estágio do parto: revisão sistemática Rev Latino-Am Enferm. 2019[citado em 2020 fev. 12];27:e3165. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v27/0104-1169-rlae27-e3165.pdf

Publicado

15-02-2021

Como Citar

1.
Ayres LFA, Santos KEA dos, Beirigo BA, Lima VD, Prado MRMC do, Henriques BD, Passos CM dos. Uso de uterotônicos no terceiro período do parto em uma maternidade da Zona da Mata Mineira. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 15º de fevereiro de 2021 [citado 23º de maio de 2024];24(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49920

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.