As diretoras religiosas da escola de enfermagem Wenceslau Braz (1955-2016)

Autores

  • Cristiane Giffoni Braga Faculdade Wenceslau Braz, Curso de Graduação em Enfermagem, Departamento de Ensino e Pesquisa, Itajubá MG , Brasil, Faculdade Wenceslau Braz - FWB, Curso de Graduação em Enfermagem, Departamento de Ensino e Pesquisa. Itajubá, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0003-2168-191X
  • Anesilda Alves de Almeida Ribeiro Faculdade Wenceslau Braz, Curso de Graduação em Enfermagem, Departamento de Ensino e Pesquisa, Itajubá MG , Brasil, Faculdade Wenceslau Braz - FWB, Curso de Graduação em Enfermagem, Departamento de Ensino e Pesquisa. Itajubá, MG - Brasil http://orcid.org/0000-0002-3947-6001

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2020.49974

Palavras-chave:

Enfermagem, Pesquisa em Enfermagem, História da Enfermagem, Escolas de Enfermagem, Organização e Administração

Resumo

INTRODUÇÃO: a Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (EEWB), criada em 1954 e situada em Itajubá-MG, é uma instituição de ensino privada, confessional católica, pertencente e mantida pela congregação das Irmãs da Providência de Gap. OBJETIVO: descrever o percurso individual e analisar a trajetória administrativa das diretoras religiosas da EEWB, no período de 1955 a 2016. MÉTODO: pesquisa qualitativa de abordagem histórica. Os dados foram obtidos de fontes documentais, bibliográficas e entrevistas. O pensamento de Michel Foucault foi o referencial utilizado na construção do estudo. RESULTADOS: neste recorte histórico, a EEWB teve nove diretoras religiosas - sete enfermeiras e duas educadoras. Todas foram professoras da escola. A biografia das diretoras revela o conhecimento, trabalho, habilidade e competência de cada uma, o pioneirismo na implantação da Enfermagem profissional no sul de Minas e o protagonismo administrativo impulsionador do progresso da Escola. CONCLUSÃO: as diretoras religiosas da EEWB deixaram um legado cultural e científico para a Enfermagem brasileira, materializado na própria escola e no perfil profissional dos egressos. A herança deixada é o amor à educação e à Enfermagem, pois esse amor as fez acreditar no sonho e envidar todos os esforços para garantir a continuidade da escola, o que demandou somar forças, saberes e poderes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Rennó ER. Mulher providência. Itajubá: O Sul de Minas; 2002.

Tibúrcio MLR. Notícia histórica da Escola de Enfermagem Wenceslau Braz. Rev Bras Enferm. 1965;18(2):144-50.

Ribeiro AAA, Borenstein MS. Escola de Enfermagem Wenceslau Braz: trajetória e construção da identidade profissional da enfermagem em Itajubá/MG. Texto Contexto Enferm. 2003;12(4):470-8.

Ribeiro WFP, Santos TCF. Os primórdios da Escola de Enfermagem Wenceslau Braz: criação de um modelo de enfermeira para Itajubá (1955-1956). In: Anais do 14º Pesquisando em Enfermagem, 10º Jornada Nacional da História da Enfermagem, 7º Encontro Nacional de Fundamentos do Cuidado; 2007 Maio 14-17; Rio de Janeiro: UFRJ; 2007[citado em 2018 ago. 19]. Disponível em: http://www.pesquisando.eean.ufrj.br/view abstract.php?id=65&cf=1

Leite ZN. Seguimento dos diplomados. Rev Bras Enferm. 1962;15(1):17-20.

Silva JV, Bustamante IMR, Carneiro ILJ. Especialização em Saúde da Família para enfermeiros. Rev Bras Enferm. 2000[citado em 2018 set.15];53(esp):91-3. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v53nspe/v53nspea13.pdf

Coelho CP. A Escola de Enfermagem Anna Nery: sua história, nossas memórias. Rio de Janeiro: Cultura Médica; 1997.

Egry EY. Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo: breve histórico. In: Egry EY, Laiola R, Bacon C, Universidade de São Paulo. Escola de Enfermagem. Sessenta anos da Escola de Enfermagem: uma trajetória brilhante. São Paulo: EE-USP; 2002. Cap. 1, p. 8-10.

Nascimento ES, Santos GF, Caldeira VP. Criação, quotidiano e trajetória da Escola de Enfermagem da UFMG: um mergulho no passado. Belo Horizonte: EE-UFMG; 1999.

Braga RMS. História de vida de enfermeiras brasileiras contribuições para o desenvolvimento da enfermagem. Hist Enferm Rev Eletrônica. 2017[citado em 2018 ago. 20];8(1):45-7. Disponível em: http://here.abennacional.org.br/here/v8/n1/a06%20-%20Historia%20de%20Vida%20de%20Enfermeiras%20Brasileiras%20Contribuicoes%20para%20o%20desenvolvimento%20da%20Enfermagem.pdf

Oguisso T, Freitas GF, Takashi MH. Edith de Magalhaes Fraenkel: o maior vulto da enfermagem brasileira. Rev Esc Enferm USP. 2013[citado em 2018 ago. 11];47(5):1227-34. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v47n5/pt_0080-6234-reeusp-47-05-1219.pdf

Araújo MA, Nascimento ES, Caldeira VP. Criação e implantação da Escola de Enfermagem Hermantina Beraldo Gestão Celina Viegas. REME - Rev Min Enferm. 2004[citado em 2018 ago 12];8(3):358-63. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/723

Padilha MICS, Borenstein MS. O método de pesquisa histórica na enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2005[citado em 2018 fev. 28];14(4):575-84. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v14n4/a15v14n4.pdf

Padilha MI, Bellaguarda MLR, Nelson S, Maia ARC, Costa R. O uso das fontes na condução da pesquisa histórica. Texto Contexto Enferm. 2017[citado em 2018 fev. 28];26(4):e2760017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v26n4/0104-0707-tce-26-04-e2760017.pdf

Carvalho JB, Maia AR, Santos EKA, Borenstein MS, Espíndola DS. Foucault como caminho de compreensão para a pesquisa histórica na enfermagem. Hist Enferm Rev Eletrônica. 2012[citado em 2018 fev. 28];3(2):160-71. Disponível em: http://www.here. abennacional.org.br/here/vol3num2artigo5.pdf

Foucault M. Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes; 2002.

Gomes DA, Silva ML, Silva TC. A aparência pessoal na valorização da profissão. Página do estudante. Rev Bras Enferm. 1967;20(4):433-40.

Silva TC, Departamento de Enfermagem da Faculdade Wenceslau Braz - Itajubá, MG. Entrevista concedida à Anesilda Alves de Almeida Ribeiro - Núcleo de Estudo e Pesquisa Interdisciplinar, Faculdade Wenceslau Braz, Itajubá, MG. 2018 set. 14. [Entrevista gravada e transcrita na íntegra para coleta de dados].

Fernández ABB, Reis BI, Abrahão MC, Jacarini MIF. Colar de pérolas: presença e pioneirismo da mulher Itajubense. São Paulo: Chevalier; 2001.

Escola de Enfermagem Wenceslau Braz. Cadernos da EEWB. 1995;1(1):1-64.

Ange IM. O ensino da enfermagem no país em confronto com o projeto de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Rev Bras Enferm. 1959;12(3):210-22.

Mendes DC, Departamento de Enfermagem, Faculdade Wenceslau Braz, Itajubá, MG. Discurso da Presidente da ABEn-MG na abertura da IX Jornada Mineira de Enfermagem. 1986. 1 folha. Localizado em: Acervo documental da ABEn-Regional Itajubá, MG.

Simões MM, Departamento de Enfermagem, Faculdade Wenceslau Braz, Itajubá, MG. Entrevista concedida à Anesilda Alves de Almeida Ribeiro - Núcleo de Estudo e Pesquisa Interdisciplinar, Faculdade Wenceslau Braz, Itajubá, MG. 2018 jul. 12. [Entrevista gravada e transcrita na íntegra para coleta de dados].

Carneiro LJ, Departamento de Enfermagem, Faculdade Wenceslau Braz, Itajubá, MG. Entrevista concedida à Anesilda Alves de Almeida Ribeiro - Núcleo de Estudo e Pesquisa Interdisciplinar, Faculdade Wenceslau Braz, Itajubá, MG. 2018 jul. 12. [Entrevista gravada e transcrita na íntegra para coleta de dados].

Peres MAA, Almeida Filho AJ, Paim L. Historicidade da enfermagem nos espaços de poder no Brasil. Hist Enferm Rev Eletrônica. 2014[citado em 2018 fev. 28];5(1):83-94. Disponível em: http://www.here.abennacional.org.br/here/vol5num1artigo7.pdf

Publicado

30-03-2020

Como Citar

1.
Braga CG, Ribeiro AA de A. As diretoras religiosas da escola de enfermagem Wenceslau Braz (1955-2016). REME Rev Min Enferm. [Internet]. 30º de março de 2020 [citado 26º de maio de 2024];24(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/49974

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.