Informações em saúde na ótica de enfermeiras da saúde da família

Autores

  • Luz Marina Pinto Martins Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul, Curso de Enfermagem, Dourados MS , Brasil, Doutora em Enfermagem. Professora. Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul - UEMS. Curso de Enfermagem. Dourados, MS - Brasil
  • Eliete Maria Silva Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Enfermagem, Campinas SP , Brazil, Doutora em Enfermagem. Professora/Livre Docente. Universidade Estadual de Campinas - Unicamp. Faculdade de Enfermagem - FEnf. Campinas, SP - Brasil, Universidade Estadual de Campinas
  • Dalvani Marques Unicamp, Faculdade de Enfermagem, Campinas SP , Brasil, Doutora em Enfermagem. Professora. Unicamp. Faculdade de Enfermagem - FEnf. Campinas, SP - Brasil

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-9389.2016.50031

Palavras-chave:

Enfermagem, Saúde da Família, Sistemas de Informação em Saúde, Gestão da Informação em Saúde, Atenção Primária à Saúde

Resumo

Este estudo possui o objetivo de analisar a utilidade e a utilização das informações em saúde como ferramenta para organizar o processo de trabalho a partir da ótica de enfermeiras que trabalham na Saúde da Família, especificamente nos municípios de Campinas-SP e Dourados-MS. Trata-se de uma pesquisa descritiva, de abordagem qualitativa, utilizou-se como instrumento de coleta dos dados formulário eletrônico online desenvolvido a partir do aplicativo Google Docs e composto de questões semiestruturadas. A análise interpretativa, com base no referencial teórico-conceitual de processo de trabalho em saúde, produziu três categorias: a) informações em saúde para organização do processo de trabalho na saúde da família; b) manejo das informações nas práticas da saúde da família; c) capacitação das enfermeiras para a interação com os sistemas de informação. Identificou-se que as enfermeiras utilizam as informações para planejamento das ações no dia a dia aquém do seu potencial de uso. Apesar dos sujeitos reconhecerem as potencialidades das informações em saúde, estas não são utilizadas para o planejamento de suas ações cotidianas em saúde. As capacitações voltadas para o conjunto dos recursos humanos foram descritas pelos profissionais como escassas, desarticuladas e desintegradas. Conclui-se que a utilidade das informações em saúde como ferramentas para a organização das ações na atenção primária se mostra inconsistente, pois, por um lado, as enfermeiras compreendem a sua importância e o seu valor, mas, por outro, não as utilizam nos processos organizativos no cotidiano de suas práticas na saúde da família.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Andrade SM, Soares DA. Dados e Informação em Saúde: para quê servem? In: Andrade SM, Soares DA, Cordoni Júnior L. Bases da saúde coletiva. Londrina: UEL; 2001. 268p.

Peduzzi M. Mudanças tecnológicas e seu impacto no processo de trabalho em saúde. Trab Educ Saúde. 2003[citado em 2013 ago 23];1(1):75-91. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1981-77462003000100007

Pires D. Novas formas de organização do trabalho em saúde e enfermagem. Rev. Baiana Enferm. 2000[citado em 2013 ago 23];13(1/2):83-92. Disponível em: http://www.portalseer.ufba.br/index.php/enfermagem/index

Santos HL. Novas tecnologias da informação e os sistemas de informações sobre mortalidade e sobre nascidos vivos: potencialidades de uso na Secretaria Estadual de Saúde do Rio de Janeiro [dissertação]. Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Fiocruz; 2001.

Villa TCS, Mishima SM, Rocha SMM. A Enfermagem nos Serviços de Saúde Pública do Estado de São Paulo. In: Almeida MCP, Rocha SM. O trabalho de Enfermagem. São Paulo: Cortez; 1997. p. 27-60.

Pires D. Reestruturação produtiva e consequências para o trabalho em saúde. Rev Bras Enferm. 2000[citado em 2013 ago 23];53(2):251-63. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v53n2/v53n2a10.pdf.

Santos MS. Formação de enfermeiro na atenção básica à saúde da mulher [dissertação]. Teresina: Uninovafapi; 2013.

Rocha BS. Enfermeiros do Programa de Saúde da Família coordenadores de equipe: perfil profissiográfico, técnico e interpessoal [dissertação]. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, Departamento de Enfermagem; 2008.

Ribeiro EM, Pires D, Blank VLG. A teorização sobre processo de trabalho em saúde como instrumental para análise do trabalho no Programa Saúde da Família. Cad Saúde Pública. 2004[citado em 2013 ago 23];20(2):438-46. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2004000200011.

Castells M. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 2003.

Freitas H, Janissek-Muniz R, Andriotti FK, Freitas P, Costa RS. Pesquisa via Internet: características, processo e interface. 2004[citado em 2013 set 21]. Disponível em: http://www.ufrgs.br/gianti/files/artigos/2004/2004_140_rev_eGIANTI.pdf

Luna SV. Planejamento de pesquisa: uma introdução. São Paulo: EDUC; 2000. 108p.

Severino AJ. Metodologia do trabalho científico. 23ª ed. São Paulo: Cortez; 2007.

Radigonda B, Conchon MF, Carvalho WO, Nunes EFPA. Sistema de Informação na Atenção Básica (SIAB) e sua utilização pela equipe de Saúde da Família: uma revisão integrativa. Rev Espaço Saúde. 2010[citado em 2013 set 21];12(1):38-47. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/espacoparasaude/article/view/9236/pdf

Barbosa DCM, Forster AC. Sistemas de Informação em Saúde: a perspectiva e a avaliação dos profissionais envolvidos na Atenção Primária à Saúde de Ribeirão Preto/SP. Cad Saúde Coletiva. 2010[citado em 2013 set 21];18(3):424-33. Disponível em: http://www.iesc.ufrj.br/cadernos/images/csc/2010_3/artigos/CSCv18n3_pag424-33.pdf

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Abordagens espaciais na saúde pública. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Crossetti MGO, Rodegheri M, D'ávila ML, Dias VLM. O uso do computador como ferramenta para implementação do processo de enfermagem. Rev Bras Enferm. 2002[citado em 2013 set 21];55(6):705-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v55n6/v55n6a14.pdf.

Branco MAF. Informação em Saúde como elemento estratégico para a gestão. In: Brasil. Ministério da Saúde. Gestão Municipal de Saúde: textos básicos. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde; 2001. 344p.

Leite LO, Rezende DA. Modelo de gestão municipal baseado na utilização estratégica de recursos da tecnologia da informação para a gestão governamental: formatação do modelo e avaliação em um município. Rev Adm Pública. 2010[citado em 2013 set 21];44(2):459-93. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rap/v44n2/12.pdf.

Queiroga RM, Andrade NA, Abrantes KSM, Costa TS, Sobreira MV, Casimiro GS. Aplicabilidade do sistema de informação da atenção básica no cotidiano de enfermeiros. Rev RENE. 2011[citado em 2013 set 21];12(esp):943-51. Disponível em: http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.php/revista/article/view/318.

Publicado

02-05-2017

Como Citar

1.
Martins LMP, Silva EM, Marques D. Informações em saúde na ótica de enfermeiras da saúde da família. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 2º de maio de 2017 [citado 24º de junho de 2024];20(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/50031

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.