As práticas integrativas e complementares na atenção à saúde da mulher: uma estratégia de humanização da assistência no Hospital Sofia Feldman

Autores

  • Maritza Rodrigues Borges UberabaMG, Estratégia de Saúde da Família
  • Lélia Maria Madeira Belo HorizonteMG, Hospital Sofia Feldman
  • Vivian Mara Gonçalves de Oliveira Azevedo Belo HorizonteMG, Hospital Sofia Feldman; UFMG

Palavras-chave:

Terapias Complementares, Saúde da Mulher, Humanização da Assistência

Resumo

Neste estudo, de caráter retrospectivo, buscou-se caracterizar a população usuária do Núcleo de Terapias Integrativas e Complementares do Hospital Sofia Feldman, em Belo Horizonte-MG, identificar as práticas integrativas e complementares mais utilizadas pelo Núcleo na saúde da mulher e conhecer as impressões das usuárias a respeito de sua aplicação. Utilizouse para o preenchimento do instrumento de coleta de dados o caderno-ata do Núcleo e o cadastro de internação hospitalar das mulheres, de julho a novembro de 2008. Fizeram parte do estudo 105 usuárias, com o predomínio de mulheres entre 19 e 28 anos (60,9%), de cor parda (47,6%), entre 9 e 11 anos de estudos (59,0%), solteiras (55,2%), católicas (75,2%) e originárias da região metropolitana de Belo Horizonte (40,0%). A maioria das mulheres foi internada para tratamento de intercorrências clínicas na gravidez (21,8%) e realização de parto (64,4%). As práticas mais utilizadas foram a musicoterapia (100%), a aromaterapia (100%), a oficina de chás (92,4%) e o escalda-pés (91,4%). As práticas integrativas e complementares promoveram resultados satisfatórios, provocando alívio dos sintomas físicos e psíquicos. Esse fator muito contribui para sua utilização como forma de suporte na assistência obstétrica voltada para a humanização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

01-03-2011

Como Citar

1.
Borges MR, Madeira LM, Azevedo VMG de O. As práticas integrativas e complementares na atenção à saúde da mulher: uma estratégia de humanização da assistência no Hospital Sofia Feldman. REME Rev Min Enferm. [Internet]. 1º de março de 2011 [citado 19º de julho de 2024];15(1). Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/reme/article/view/50408

Edição

Seção

Pesquisa

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.