Poéticas da ubiquidade

a construção do tempo e da memória nas redes sociais on-line

  • Luciana Andrade Gomes Bicalho Federal University of Minas Gerais
  • Tiago Barcelos Pereira Salgado Federal University of Minas Gerais
  • Amanda Chevtchouk Jurno Federal University of Minas Gerais
Palavras-chave: Memória, Plataformas midiáticas on-line, Tempo

Resumo

Este trabalho tem o objetivo de analisar a relação entre tempo e memória com base na ubiquidade e na instantaneidade próprias aos processos comunicacionais distribuídos em rede sociais on-line. Partimos dos rastros digitais deixados pelas ações humana e não humana na produção e compartilhamento de conteúdos nesses ambientes digitais. Investigamos como esses ambientes se configuram como “lugares de memória” em razão dos agenciamentos híbridos presentes na lógica de armazenamento de informações em bancos de dados. Para isso, analisamos as especificidades das redes virtuais, questionando como elas modificam a nossa maneira de apreender o tempo e a memória, tendo em vista a dimensão efêmera e fluida desses espaços de compartilhamento.

Biografia do Autor

Luciana Andrade Gomes Bicalho, Federal University of Minas Gerais

Doutoranda em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais. Bolsista FAPEMIG. Pesquisadora pelo NucCon vinculado ao CCNM/UFMG.

Tiago Barcelos Pereira Salgado, Federal University of Minas Gerais

Doutorando em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais. Bolsista CAPES. Pesquisador pelo NucCon vinculado ao CCNM/UFMG.

Amanda Chevtchouk Jurno, Federal University of Minas Gerais

Doutoranda em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais. Pesquisadora pelo NucCon vinculado ao CCNM/UFMG.

Referências

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

BORGES, J. L. O Aleph. In: BORGES, J. L. O Aleph. São Paulo: Globo, 2003. p. 157-176.

BORGES, J. L. Funes, o memorioso. In: BORGES, J. L. Ficções. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. p. 99-108.

BRUNO, Fernanda. Rastros digitais sob a perspectiva da teoria ator-rede. Famecos, Rio Grande do Sul, v. 19, n. 3, p. 681, 2012. Disponível em: <http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/revistafamecos/article/view/12893/8601>. Acesso em: 1 abr. 2016.

CALLON, Michel. Entrevista com Michel Callon: dos estudos de laboratório aos estudos de coletivos heterogêneos, passando pelos gerenciamentos econômicos. Sociologias, Rio Grande do Sul, ano 10, n. 19, jan./jul. 2008, p. 302-321. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/soc/n19/a13n19.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2015.

DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

ECO, Umberto. Kant e o ornitorrinco. Rio de Janeiro: Record, 1998.

GILLESPIE, Tarleton. The politics of ‘platforms’. New Media & Society, v. 12, n. 3, p. 347-364, maio 2010.

HOSKINS, Andrew. The digital distribution of memory, 2009. Disponível em: <http://www.inter-disciplinary.net/wp-content/uploads/2009/03/hoskins-paper.pdf>. Acesso em: 15 jan. 2016.

KITCHIN, Rob. The real-time city? Big data and smart urbanism. GeoJournal, n. 79, 2014, p. 1-14. Disponível em: <https://www.maynoothuniversity.ie/progcity/wp-content/uploads/2014/02/GeoJournal-Real-time-city-2014.pdf>. Acesso em: 25 mar. 2016.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de Antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Ed.34, 1994.

LATOUR, Bruno. Se falássemos um pouco de política? Política e Sociedade: Revista de Sociologia Política, Florianópolis, v.3, n.4, 2004, p. 11-12. Disponível em: <https://we.riseup.net/assets/94210/Se%20falassemos%20um%20pouco%20de%20politica%20Latour.pdf>. Acesso em: 25 mar. 2016.

LATOUR, Bruno. Reassembling the Social – An Introduction to Actor-Network-Theory. New York: Oxforf University Press, 2005.

LEMOS, A. Espaço, mídia locativa e teoria ator-rede. Galáxia, São Paulo, n. 25, p. 52-65, jun. 2013. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/index.php/galaxia/article/view/13635>. Acesso em: 25 mar. 2016.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual? Rio de Janeiro: Ed. 34, 1996.

MACIEL, Maria Esther. Poéticas do inclassificável. Aletria, Belo Horizonte, v.15, p. 155-162, 2007. Disponível em: <http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/aletria/article/view/1393/1491>. Acesso em: 25 mar. 2016.

NORA, Pierre. Entre memória e história. A problemática dos lugares. Projeto História, São Paulo, n. 10, p. 7-28, dez. 1993.

RICOEUR, Paul. A memória, a história e o esquecimento. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

SALGADO, T. B. P. Notas sobre audiências, comunidades e fãs nos canais de Felipe Neto no YouTube. Ciberlegenda, Rio de Janeiro, n. 28, p. 69-82, 2013. Disponível em: <http://www.ciberlegenda.uff.br/index.php/revista/article/viewFile/615/343>. Acesso em: 11 dez. 2014.

SANTAELLA, Lucia; LEMOS, Renata. Redes sociais digitais: a cognição conectiva do Twitter. São Paulo: Paulus, 2010.

SANTAELLA, Lucia. A ecologia pluralista da comunicação: conectividade, mobilidade, ubiquidade. São Paulo: Paulus, 2010.

VAN DIJCK, José. Mediated memories in the digital age. Stanford: Stanford University Press, 2007.

WEISSBERG, Jean-Louis. Paradoxos da teleinformática. In: PARENTE, André (Org.). Trama da rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação. Porto Alegre: Sulina, 2004.

Publicado
2017-06-05
Como Citar
ANDRADE GOMES BICALHO, L.; BARCELOS PEREIRA SALGADO, T.; CHEVTCHOUK JURNO, A. Poéticas da ubiquidade. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, v. 23, n. 1 e 2, p. 134-153, 5 jun. 2017.
Seção
Artigos