• 2017

  • Utopias
    v. 24 n. 1 e 2 (2017)
    As utopias têm a idade dos sonhos humanos de felicidade e plena emancipação. As utopias não são um privilégio ou atributo de uma única época, de um único povo. As utopias são a permanente chama que nos leva, mesmo nas circunstâncias mais difíceis, e sobretudo nelas, a acreditar que a vida, individual e coletiva, pode ser melhor, ser promessa de felicidade.
  • 2016

  • Tempo
    v. 23 n. 1 e 2 (2016)
  • 2015

  • Diversidade
    v. 22 n. 1.2 (2015)
  • 2014

  • Revista UFMG #21 1.2 Evolução
    v. 21 n. 1.2 (2014)
    Neste volume da Revista UFMG, elegemos como foco o tema Evolução, que, nas ciências, remete à Teoria da Evolução Biológica, sintetizada e divulgada por Charles Darwin, a partir da publicação, em 1859, da obra intitulada Origem das Espécies. Vários foram os pesquisadores que contribuíram para a construção dessa teoria, entre eles o naturalista Alfred Wallace, que, assim como Darwin, passou um tempo no Brasil
    coletando material e fazendo observações que o ajudariam a entender o enigma da origem das espécies. Naquela época, meados do século XIX, a Europa vivenciava um rico momento científico, filosófico, que será rememorado em alguns dos artigos apresentados neste volume.
  • 2013

  • Revista UFMG #20.2 Água
    v. 20 n. 2 (2013)
    Água é o tema central deste número da Revista da Universidade Federal de Minas Gerais. Vista sob diversos prismas, a água é fundamento da vida e elemento constituinte do planeta. A água é bem comum, é valor de uso coletivo em torno do qual se criaram e organizaram saberes, cultos, hábitos; é berço da história, fonte de inspiração da literatura, da música e de várias formas de manifestações artísticas. Em torno dela se estruturaram culturas, cidades e regiões, formas de organização territorial e institucional. A água é ainda objetivo e resultado de políticas públicas e serviços coletivos, tornando-se cada vez mais objeto exemplar de valoração econômica e simbólica da natureza, na medida em que se torna virtualmente uma raridade. Aparece como objeto privilegiado de pesquisa e de inovação científica e tecnológica em diversos campos disciplinares, envolvendo inúmeras entidades e instituições nacionais e internacionais. O conjunto de contribuições deste número vem se somar aos esforços para aprofundar o conhecimento sobre as múltiplas formas de apreensão, conservação, uso e apropriação da água em várias dimensões e escalas.
  • Revista UFMG #20.1 Cidades
    v. 20 n. 1 (2013)

    Os textos que compõem esta edição da Revista da Universidade Federal de Minas Gerais organizam-se em torno do tema Cidades. Uma das formas mais antigas de aglomeração espacial e de manifestação cultural, a cidade possivelmente constitui a síntese mais contundente da sociedade, expressando potencialidades e conflitos ao longo do tempo, muitos dos quais marcados claramente no espaço. Ao mesmo tempo e cada vez mais, a cidade é parte do cotidiano de um contingente expressivo da população mundial, sendo-o mais ainda da população brasileira. Mais do que uma evidência numérica, representada pelos elevados e crescentes graus de urbanização, são os modos de vida urbana – valores, aspirações e desejos, práticas socioespaciais, disputas em torno do uso e da apropriação do espaço, processos de produção e troca – que dão à cidade esta centralidade de significados na vida das pessoas.

  • 2012

  • Revista UFMG #19 1.2 Corpo
    v. 19 n. 1.2 (2012)
    É com grande satisfação que colocamos à disposição dos leitores a mais nova edição da Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, cuja circulação foi interrompida em 1969, deixando uma lacuna para quase duas gerações de pesquisadores e estudantes que, agora, começa a ser preenchida pela presente iniciativa de reiniciar a publicação deste importante veículo de divulgação científica e de reflexão teórica. Resultado do trabalho de um grupo de professores da UFMG, que muito se beneficiou do apoio prestado pelo Instituto de Estudos Avançados Transdisciplinares (IEAT) e pelo Centro de Comunicação (Cedecom), o relançamento da revista representa um empreendimento que, para além de propiciar espaços renovados à imprescindível atividade intelectual de análise e de debate sobre questões prementes
    da atualidade, reafirma o compromisso da universidade com uma intervenção na realidade contemporânea balizada por diretrizes que rejeitam as ciências parcelares em favor de uma prática acadêmica efetivamente inter e transdisciplinar – a ser exercida nas páginas deste periódico de modo rotineiro, mediante o desenvolvimento de temáticas que exigem abordagens, que articulam e fazem interagir os mais diversos campos do conhecimento. É o caso, por exemplo, do objeto que orientou os textos ora apresentados: o corpo, que, dada a sua complexidade constitutiva, requer uma evidente narrativa multiforme, entremeada por distintas e sucessivas aproximações que se completam mutuamente.