Projetos de desenvolvimento e limites de sustentabilidade na Amazônia Brasileira

Autores

  • Fabíola Nayana Penafort Gonçalves Universidade Federal do Amapá

DOI:

https://doi.org/10.35699/2316-770X.2021.33515

Palavras-chave:

Amazônia, Projetos econômicos, Sustentabilidade

Resumo

A exploração dos recursos naturais para abastecer o mercado externo é prática imposta para a Amazônia desde o início do seu processo de ocupação. Este artigo discute os limites da sustentabilidade diante dos impactos socioambientais gerados pelos projetos econômicos implementados na região. Com metodologia descritiva e bibliográfica, e abordagem qualitativa e analítica, evidencia-se que a relação equilibrada entre crescimento econômico e ecossistema é condição imprescindível para uma sustentabilidade factual. O caminho da sustentabilidade na Amazônia é complexo diante dos interesses do capital transnacional e de políticas públicas que não beneficiam a realidade local. A sustentabilidade na Amazônia deve envolver o compromisso de governos, mercado e organizações, no sentido de proporcionar às populações locais protagonismo e qualidade de vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABRAMOVAY, Ricardo. Amazônia: por uma economia do conhecimento da natureza. São Paulo: Terceira Via; Abong; Iser Assessoria, 2019.

BARROSO, Luís Roberto; MELLO, Patrícia Perrone Campos. Como salvar a Amazônia: por que a floresta de pé vale mais do que derrubada. Revista de Direito da Cidade, Rio de Janeiro, v. 12, n.º2, p. 1262-1307, 2020.

BRASIL. Decreto nº 6.527, de 1 de agosto de 2008. Dispõe sobre o estabelecimento do Fundo Amazônia pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Socioeconômico e Social – BNDES. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 4 ago. 2008. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/decreto/d6527.htm. Acesso em: 23 fev. 2023.

BRASIL. Decreto-Lei nº 288, de 28 de fevereiro de 1967. Altera as disposições da Lei número 3.173 de 6 de junho de 1957 e regula a Zona Franca de Manaus. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 fev. 1967. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del0288.htm. Acesso em: 23 fev. 2023.

BRASIL. Decreto-Lei nº 1.106, de 16 de junho de 1970. Cria o Programa de Integração Nacional, altera a legislação do imposto de renda das pessoas jurídicas na parte referente a incentivos fiscais e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 jun. 1970. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1965-1988/del1106.htm. Acesso em: 23 fev. 2023.

BRASIL. Decreto-Lei nº 1.813, de 24 de novembro de 1980. Institui regime especial para os empreendimentos integrantes do Programa Grande Carajás e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 nov. 1980. Disponível em: https://bit.ly/3ko4CTP. Acesso em: 23 fev. 2023.

BRIANEZI, Thaís. O deslocamento do discurso sobre a Zona Franca de Manaus: do progresso à modernização ecológica. 2013. Tese (Doutorado em Ciência Ambiental) – Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

CARDOSO, Fernando Henrique; MULLER, Geraldo. Amazônia expansão do capitalismo. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2008.

CASTRO, Edna Ramos de; CAMPOS, Índio. Formação socioeconômica da Amazônia. V. 2. Belém: NAEA, 2015. (Coleção Formação Regional da Amazônia).

COELHO, Tádzio Peters. Projeto Grande Carajás: trinta anos de desenvolvimento frustrado. Marabá: iBase, 2015.

COSTA, Graciete Guerra da. Fortes portugueses na Amazônia brasileira. 2015. Tese (Pós-Doutorado em Relações Internacionais) – Programa de Pesquisa e Pós-Graduação no Instituto de Relações Internacionais, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2015.

COUTINHO, Rebeca Venâncio. A importância internacional da borracha brasileira e sua influência no desenvolvimento da Amazônia durante o Estado Novo: 1937-1945. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Relações Internacionais) – Universidade Federal de Roraima, Roraima, 2014.

CUNHA, Mary Louiselle do Prado. Desmatamento e progresso na Amazônia Legal: Movimento ecológico e as políticas econômicas da ditadura militar (1964-1985). 2012. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, 2012.

DOMINGUES, Mariana Soares; BERMANN, Célio. O arco de desflorestamento na Amazônia: da pecuária à soja. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 1-22, 2012.

DOVERS, Stephen R.; HANDMER, John W. Uncertainty, sustainability and change. Global Environmental Change, Amsterdam, v. 2, n. 4, p. 262-273, 1992.

DRUMMOND, José Augusto. Investimentos privados, impactos ambientais e qualidade de vida num empreendimento mineral amazônico: o caso da mina de manganês de Serra do Navio (Amapá). História, Ciências e Saúde, Manguinhos, n. 6, p. 753-792, 2000.

DRUMMOND, José Augusto. O manganês do Amapá: o seu papel no desenvolvimento regional e nacional (1957-1998). Desenvolvimento e Meio Ambiente, Curitiba, v. 11-12, p. 51-69, 2005.

ENRÍQUEZ, Gonzalo Enrique Vásquez. Desafios da sustentabilidade da Amazônia: biodiversidade, cadeias produtivas e comunidades extrativistas integradas. 2008. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) – Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

FEARNSIDE, Phillip Martin. O avanço da soja como ameaça à biodiversidade na Amazônia. In: SIMPÓSIO DE ECOSSISTEMAS BRASILEIROS: CONSERVAÇÃO, 5., 2000, Vitória. Anais (…). Vitória: ACIESP, 2000. p. 74-82.

FEITOSA, Antonio Cordeiro. O programa Grande Carajás no contexto da Amazônia oriental. Boletim de Geografia, Maringá, v. 6, n.°1, p. 5-18, 1988.

FIOCRUZ. FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Perversidades sociais e ambientais no caminho da Estrada de Ferro Carajás. Mapa de Conflitos: Injustiça Ambiental e Saúde no Brasil, São Paulo, 2019. Disponível em: mapadeconflitos.ensp.fiocruz.br/?conflito=pa-perversidades-sociais-e-ambientais-no-caminho-da-estrada-de-ferro-carajas. Acesso em: 22 dez. 2020.

FUNDO AMAZÔNIA. Relatório de atividades 2019. Rio de Janeiro: BNDES, 2020.

GREISSING, Ana. A região do Jari, do extrativismo ao agronegócio: as contradições do desenvolvimento econômico na Amazônia florestal no exemplo do Projeto Jari. Revista de Estudos Universitários, Sorocaba, v. 36, n. 3, p. 43-75, 2010.

GUDYNAS, Eduardo. La nueva geografía amazónica: entre la globalización y el regionalismo. CLAES, Montevideo, 21 nov. 2007. Disponível em: http://ambiental.net/2007/11/la-nueva-geografia-amazonica-entre-la-globalizacion-y-el-regionalismo/. Acesso em: 23 fev. 2023.

HARVEY, David. O novo imperialismo. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2004.

HERRERA, José Antônio; MOREIRA, Rodolfo Pragana; BEZERRA, Tássia Stêfany Lima. A Amazônia: expansão do capital e apropriação dos recursos naturais. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, Taubaté, v. 12, n. 2, p. 208-227, 2016. https://doi.org/10.54399/rbgdr.v12i2.2319

HOLLAND, Márcio (coord.). Zona franca de Manaus: impactos efetividade e oportunidades. São Paulo: FGV-EESP, 2019.

INPE. INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Prodes: monitoramento do desmatamento da floresta amazônica brasileira por satélite. Coordenação Geral de Observação da Terra, São José dos Campos, 2020. Disponível em: http://www.obt.inpe.br/OBT/assuntos/programas/amazonia/prodes/prodes. Acesso em: 10 fev. 2021.

IPEA. INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Sustentabilidade ambiental no Brasil: biodiversidade, economia e bem-estar humano. Brasília, DF: IPEA, 2010

JICA. AGÊNCIA DE COOPERAÇÃO INTERNACIONAL DO JAPÃO. Estudo para o desenvolvimento de uma solução integrada relativa à gestão de resíduos industriais no polo industrial de Manaus. JICA, Manaus, v. 1, p. 1-4, 2010.

JOANONI NETO, Vitale; GUIMARÃES NETO, Regina Beatriz. Amazônia: políticas governamentais, práticas de ‘colonização’ e controle do território na ditadura militar (1964-85). Anuário IEHS, Tandil, v. 34, n. 1, p. 99-122, 2019.

KOHLHEPP, Gerd. Conflitos de interesse no ordenamento territorial da Amazônia brasileira. Estudos Avançados, São Paulo, v. 16, n. 45, p. 37-61, 2002.

LIMA, Sérgio Ferraz de. Introdução ao conceito de sustentabilidade aplicabilidade e limites. Cadernos da Escola de Negócios, Curitiba, v. 1, n. 4, p. 14-27, 2006.

LOUREIRO, Violeta Refkalefsky. Amazônia: estado, homem, natureza. Belém: CEJUP, 1992.

MARGULIS, Sérgio. O desempenho do governo brasileiro e do Banco Mundial com relação à questão ambiental do projeto Ferro Carajás. Rio de Janeiro: IPEA, 1990.

MARQUES, Gilberto de Souza. Estado e desenvolvimento na Amazônia: inclusão amazônica na reprodução capitalista brasileira. 2007. Tese (Doutorado em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade) – Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Seropédica, 2007.

MARQUES, Gilberto de Souza; MARQUES, Indira Rocha; MAGALHÃES, Wendell. Acumulação por espoliação e dependência na Amazônia. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA POLÍTICA, 23., 2018, Niterói. Anais (…). Niterói: UFF, 2018. p. 1-23.

MARX, Karl. O capital: livro I. São Paulo: Boitempo, 2013.

MELLO, Andréa Hentz de; FEITOSA, Nathália Karolinne. Dinâmicas da ocupação territorial na Amazônia: reflexões sobre os impactos socioambientais pós-pandemia decorrentes do avanço do desmatamento. Marabá: Editora Unifesspa, 2020.

MIRANDA, Camila Barbosa. Ditadura militar e Amazônia: as promessas desenvolvimentistas de um governo autoritário. In: ENCONTRO DE PESQUISA EM HISTÓRIA DA UFMG, 6., 2017, Belo Horizonte. Anais (…). Belo Horizonte: UFMG, 2017.

MONTEIRO, Maurílio de Abreu. A ICOMI no Amapá: meio século de exploração. Novos Cadernos NAEA, Belém, v. 6, n. 2, p. 113-168, 2003.

NASCIMENTO, Nádia Socorro Fialho. Amazônia e desenvolvimento capitalista: elementos para uma compreensão da “questão social” na região. 2006. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

PAIM, Rodrigo de Almeida. O processo de povoamento da Amazônia: participação do exército brasileiro. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS DE DEFESA, 10., 2018, São Paulo. Anais (…). São Paulo: FFLCH-USP, 2018. p. 1-18.

PARENTE, Izabel Cavalcante Ibiapina. O amazonismo e as representações sobre os seringueiros e a natureza amazônica. 2018. Tese (Doutorado em Antropologia) – Instituto de Ciências Sociais, Universidade Federal de Brasília, Brasília, DF, 2018.

PICOLI, Fiorelo. A violência e o poder de destruição do capital na Amazônia. Florianópolis: Em Debate, 2012.

PRADO FILHO, Carlos. “Acumulação primitiva” e avanço do capital na Amazônia: uma perspectiva marxista sobre a devastação ambiental causada pela “febre do ouro” às margens da rodovia interoceânica em Madre de Dios. Estudos Internacionais, Belo Horizonte, v. 5, n. 3, p. 52-72, 2017.

REZENDE, Tadeu Valdir Freitas de. A conquista e a ocupação da Amazônia brasileira no período colonial: a definição das fronteiras. 2006. Tese (Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

RIBEIRO, Luciano Sá; RAPOZO, Pedro. Os grandes projetos econômicos no Brasil e na Amazônia como motivadores do surgimento dos novos movimentos sociais e a contribuição da analética de Dussel. Revista Humanidades e Inovação, Palmas, v. 7, n. 16, p. 339-355, 2020.

RODRIGUES, Sabrina. Área de cultivo de soja na Amazônia quadruplicou desde 2006. O Eco, [s. l.], 10 jan. 2018. Disponível em: https://oeco.org.br/noticias/area-de-cultivo-de-soja-na-amazonia-quadruplicou-desde-2006/. Acesso em: 13 dez. 2020.

SACHS, Ignacy. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2009. (Coleção Ideias Sustentáveis).

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008a.

SACHS, Ignacy. O laboratório das biocivilizações do futuro. Página22, São Paulo, n. 22, p. 28-30, 2008b.

SANTOS, Raimundo Lima dos. O projeto Grande Carajás e seus reflexos para as quebradeiras de coco de Imperatriz-MA. 2010. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2010.

SANTOS, Roberto. História econômica da Amazônia (1800-1920). São Paulo: T. A. Queiroz, 1980.

SCHEUENSTUHL, Marcos Cortesão; CARICATTI, José Moscogliatto (coord.). Amazônia: desafio brasileiro do século XXI. São Paulo: Fundação Conrado Wessel, 2008.

SILVA, Carlos Alberto Franco da. Corporação e agronegócio da soja na Amazônia. Revista ACTA Geográfica, Boa Vista, v. 2, n°3, p. 29-40, 2008.

SILVA, José Manuel Azevedo e. O modelo pombalino de colonização da Amazônia. Coimbra: Editora da Universidade de Coimbra, 2002.

SILVA, Maurílio Galvão da. Amazônia: expansão do capitalismo os órgãos públicos e as políticas de ocupação e valorização da Amazônia. Presença: Revista de Educação, Cultura e Meio Ambiente, Porto Velho, v. 4, n.°30, p. 1-10, 2005.

SILVA JÚNIOR, Orleno Marques da. Empreendimentos de geração hidrelétrica na Amazônia: desmatamento em áreas de uso restrito e gestão de áreas protegidas. 2018. Tese (Doutorado em Planejamento Energético) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

SUDAM. SUPERINTENDÊNCIA DO DESENVOLVIMENTO DA AMAZÔNIA. Sistematização da produção bibliográfica do programa de polos agropecuários e agrominerais da Amazônia (POLAMAZÔNIA). Belém: SUDAM, 2019.

SUFRAMA. SUPERINTENDÊNCIA DA ZONA FRANCA DE MANAUS. Zona franca de Manaus é essencial para preservação da floresta amazônica. Manaus: Ministério da Economia, 2019.

VERÍSSIMO, Beto. Está na hora do desmatamento zero. Imazon, [s. l.], 11 jan. 2018. Disponível em: https://imazon.org.br/imprensa/esta-na-hora-do-desmatamento-zero/. Acesso em: 15 abr. 2021.

VIEIRA, Ima Célia Guimarães; SANTOS JUNIOR, Roberto Araújo Oliveira; TOLEDO, Peter Mann de. Dinâmicas produtivas, transformações no uso da terra e sustentabilidade na Amazônia. In: SIFFERT, Nelson et al. (org.). Um olhar territorial para o desenvolvimento: Amazônia. Rio de Janeiro: BNDES, 2014. p. 370-395.

WANDERLEY, Luiz Jardim. Corrida do ouro, garimpo e fronteira mineral na Amazônia. Revista Sapiência: Sociedade, Saberes e Práticas Educacionais, Juiz de Fora, v. 8, n. 2, p. 113-137, 2019.

Downloads

Publicado

2023-05-18

Como Citar

GONÇALVES, F. N. P. Projetos de desenvolvimento e limites de sustentabilidade na Amazônia Brasileira. Revista da UFMG, Belo Horizonte, v. 28, n. 3, p. 193–225, 2023. DOI: 10.35699/2316-770X.2021.33515. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadaufmg/article/view/33515. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos