v. 2 n. 1 (2021): Dossiê - Outras vidas contra o espetáculo: o animal, a planta, a máquina e o alien (jan/jun 2021)
Dossiê especial

Presidiário no Brasil: o animal, o alien e o príncipe

Dimitri Alexandre Acioly
Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil
Biografia

Publicado 25-08-2021

Palavras-chave

  • preso,
  • desumanização,
  • ética da alteridade

Como Citar

ACIOLY, D. A. Presidiário no Brasil: o animal, o alien e o príncipe. (Des)troços: revista de pensamento radical, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 24–45, 2021. DOI: 10.53981/destroos.v2i1.34279. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadestrocos/article/view/34279. Acesso em: 25 jun. 2024.

Resumo

O presente artigo tem caráter teórico-crítico e ensaístico, situando-se interdisciplinarmente no âmbito da filosofia, mais precisamente no espaço da ética e política, e teoria dos direitos humanos. Através de pesquisa bibliográfica qualitativa, com inserção de elementos literários, o estudo investiga a relação que a sociedade trava com a pessoa que se encontra privada de liberdade cumprindo pena. Abordando o tema a partir de três eixos diferentes, a dimensão animal, a dimensão alien e a dimensão humana, verifica-se que a cidadania do preso foi eclipsada pelo encarceramento em massa e pela sua desumanização. Por isso, objetiva-se intervir contra o imaginário social do encarcerado como simples elemento de perigo, ressaltando-lhe a humanidade, cidadania e circunstância de pessoa imersa no trânsito da duração. O trabalho se funda principalmente em elementos da ética de Emmanuel Levinas, com importantes contribuições de Bergson, Judith Butler, Rafael Godoi, Carl Schmitt, Bethânia Assy e Achille Mbembe, além de metáforas de Antoine de Saint-Exupéry.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  1. ALEXANDER, Michelle. A nova segregação: racismo e encarceramento em massa. São Paulo: Boitempo, 2017.
  2. ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. São Paulo: Jandaíra, 2020.
  3. ALVIM, Mariana. Evangélicos marcam território dentro dos presídios do Rio. O Globo. 25 maio 2015. Disponível em: https://oglobo.globo.com/rio/evangelicos-marcam-territorio-dentro-dos-presidios-do-rio-16251517. Acesso em: 19 jul. 2021.
  4. ASSY, Bethânia. Subjetivação e ontologia da ação política diante da injustiça. Revista Direito e Práxis, v. 7, n. 3, pp. 777-797, 2016.
  5. BORGES, Juliana. Encarceramento em massa. São Paulo: Jandaíra, 2020.
  6. BERGSON, Henri. O pensamento e o movente: ensaios e conferências. São Paulo: Martins Fontes, 2006.
  7. BRASIL. Ministério da Justiça e Segurança Pública. Departamento Penitenciário Nacional. Levantamento nacional de informações penitenciárias. Disponível em: https://www.gov.br/depen/pt-br/sisdepen/sisdepen. Acesso em: 26 maio 2021.
  8. BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.
  9. CANO, Ignacio. Direitos humanos, criminalidade e segurança pública. In: VENTURI, Gustavo (Org.). Direitos humanos: percepções da opinião pública – análises de pesquisa nacional. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, 2010.
  10. CUNHA, Magali. Evangélicos e o presidente Bolsonaro, entre sonhos e pesadelos. Carta Capital. 28 abr. 2021. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/blogs/dialogos-da-fe/evangelicos-e-o-presidente-bolsonaro-entre-sonhos-e-pesadelos/. Acesso em: 19 jul. 2021.
  11. CUNHA, Magali. Quem são os evangélicos que apoiam Bolsonaro? Carta Capital. 06 mai. 2021. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/blogs/dialogos-da-fe/quem-sao-os-evangelicos-que-apoiam-bolsonaro/. Acesso em: 19 jul. 2021.
  12. DAVIS, Angela. A liberdade é uma luta constante. Trad. Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2018.
  13. DAVIS, Angela. Estarão as prisões obsoletas? Trad. Marina Vargas. Rio de Janeiro: Difel, 2018.
  14. EVANS, Richard. O terceiro Reich no poder. Trad. Lúcia Brito. São Paulo: Planeta, 2014.
  15. FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário brasileiro de segurança pública. Ano 10, 2016, p. 125. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/storage/10_anuario_site_18-11-2016-retificado.pdf. Acesso em: 19 jul. 2021.
  16. FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário brasileiro de segurança pública. Ano 14, 2020, pp. 306-307. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2020/10/anuario-14-2020-v1-
  17. interativo.pdf. Acesso em: 26 maio 2021.
  18. FÓRUM BRASILEIRO DE SEGURANÇA PÚBLICA. Anuário brasileiro de segurança pública. Ano 15, 2021. Disponível em: https://forumseguranca.org.br/wp-content/uploads/2021/07/anuario-2021-completo-v4-bx.pdf. Acesso em: 19 jul. 2021.
  19. GODOI, Rafael. Fluxos em cadeia: as prisões em São Paulo na virada dos tempos. São Paulo: Boitempo, 2017.
  20. LAGARDE, Marcela de los Rios. Los cautiverios de las mujeres: madresposas, monjas, putas, presas y locas. Cidade do México: Universidade Nacional Autônoma do México, 2005.
  21. LEVINAS, Emanuel. Entre nós: ensaios sobre a alteridade. Trad. Pergentino Stefano Pivatto et al. Petrópolis: Editora Vozes, 2004.
  22. LEVINAS, Emanuel. Ética e infinito. Trad. José Pinto Ribeiro. Madri: Antonio Machado Libros, 2015. E-book.
  23. LEVINAS, Emanuel. Totalidade e infinito. Trad. José Pinto Ribeiro. Lisboa: Edições 70, 1988.
  24. MBEMBI, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Arte & Ensaios. Revista do ppgav/eba/ufrj, n. 32, 2016.
  25. MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.
  26. PASTORAL CARCERÁRIA. Relatório sobre a tortura: uma experiência de monitoramento dos locais de detenção para prevenção da tortura. São Paulo: Serviço da CNBB, 2010.
  27. SAINT-EXUPÉRY, Antoine de. Cidadela. Trad. Ruy Belo. São Paulo: Editora Quadrante, 1969.
  28. SAINT-EXUPÉRY, Antoine de. O pequeno príncipe. Trad. Dom Marcos Barbosa. Rio de Janeiro: Agir, 2005.
  29. SCHMITT, Carl. O conceito do político. Trad. Alvaro Valls. Petrópolis: Vozes, 1992.
  30. SANTOS, Silmara Mendes Costa. A intensificação da força repressora do Estado nos marcos da crise estrutural do capital: o encarceramento em massa no Brasil (2003-2010). Tese (Doutoramento em Serviço Social) – Pós-graduação em Serviço Social da Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2016. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/29499. Acesso em: 19 jul. 2021.
  31. UNIVERSITY OF LONDON. Institute for Crime & Police Research. World prison brief. Highest to lowest: prison population total. Disponível em: https://www.prisonstudies.org/highest-to-lowest/prison-population-total?field_region_taxonomy_tid=All . Acesso em: 26 maio 2021.