v. 3 n. 1 (2022): Dossiê - Da crítica ao dispositivo da propriedade à aposta no comum: corpos, colonialidades, mundos (jan/jun 2022)
Dossiê especial

Ocupações urbanas: enquanto morar for um privilégio, ocupar é um direito

Tatiana Diniz Lima
Universidade Estadual de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil
Biografia

Publicado 06-09-2022

Palavras-chave

  • ocupações urbanas,
  • manifestação cultural,
  • Espaço Comum Luiz Estrela,
  • Kasa Invisível

Como Citar

DINIZ LIMA, T. Ocupações urbanas: enquanto morar for um privilégio, ocupar é um direito. (Des)troços: revista de pensamento radical, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 92–109, 2022. DOI: 10.53981/destroos.v3i1.39957. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadestrocos/article/view/39957. Acesso em: 21 jul. 2024.

Resumo

O presente artigo objetiva estabelecer a relação entre a noção de participação popular para a promoção cultural na cidade e a ideia de ocupação urbana enquanto um direito de resistência. Pretende-se, com o presente texto, contribuir para a ressignificação do conceito de pessoa de ocupação, em geral compreendido sob o estigma da ilegalidade e até mesmo da violência. Para tanto, valemo-nos, a fim de ilustrar essa discussão, dos exemplos do Espaço Comum Luiz Estrela e da Kasa Invisível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  1. BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.
  2. BOSI, E. Memória da cidade: lembranças paulistanas. Instituto de Estudos Avançados, vol. 17, n. 47, pp. 199-200, 2003.
  3. BRASIL. Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Diário Oficial da União, Brasília, 2010. Disponível em: planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406compilada.htm. Acesso em 03 mai. 2022.
  4. CAMPOS, Clarissa; MARTÍNEZ, Miguel A. Ativismo em ocupações no Brasil e Espanha: articulações entre o direito à moradia e o direito à cidade. Coletivo Kasa Invisível, 2021. Disponível em: https://docplayer.com.br/219489615-Ativismo-em-ocupacoes-no-brasil-e-espanha.html. Acesso em: 22 ago. 2022.
  5. CIRCUITO LIBERDADE. História. Disponível em: http://www.circuitoliberdade.mg.gov.br/pt-br/circuito-liberdade-br/historia. Acesso em 15 mai. 2022.
  6. DUSSEL, E. Ética da libertação: na idade da globalização e da exclusão. Petrópolis: Vozes, 2000.
  7. HARVEY, D. Alternativas ao neoliberalismo e o direito à cidade. Novos Cadernos NAEA, v.12, n. 2, pp. 269-274, 2009. Disponível em:
  8. HARVEY, D. Cidades rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014.
  9. HARVEY, D. Rebel cities: from the right to the city to the urban revolution. Londres: Verso, 2012.
  10. HARVEY, D.; SLAVOJ, Ž.; ALI, T. Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas. Cadernos de Ética e Filosofia Política, v. 0, n. 19, pp. 267-270, 2011.
  11. HOLSTON, J. Cidadania insurgente: disjunções da democracia e da modernidade no Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 2013.
  12. https://periodicos.ufpa.br/index.php/ncn/article/viewFile/327/513. Acesso em: 15 abr. 2021.
  13. JAYME, J. G.; TREVISAN, E. Intervenções urbanas, usos e ocupações de espaços na região central de Belo Horizonte. Civitas: Revista de Ciências Socais, Porto Alegre, v. 12, n. 2, pp. 359-377, ago. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-60892012000200359&lng=en &nrm=iso. Acesso em: 12 abr. 2021.
  14. KNELLER, G. F. Arte e ciência da criatividade. [s.l.]: 1978
  15. LIMA; Bárbara Nascimento de. Pessoa de ocupação. MAGALHÃES, José Luiz Quadros et al. (org.). DICIONÁRIO DE DIREITOS HUMANOS. Porto Alegre: Fi, 2021. Disponível em: https://www.cedefes.org.br/wp-content/uploads/2021/11/323-Diciona%CC%81rio-de-Direitos-Humanos.pdf. Acesso em 06 mai. 2022.
  16. LOURENÇO, Tiago Castelo Branco. Ocupações urbanas em Belo Horizonte: conceitos e evidências das origens de um movimento social urbano. Cadernos de Arquitetura e Urbanismo, v. 24, n. 35, 2º sem. 2017.
  17. MARTINEZ, A. et al. O Estado como instrumento, o Estado como impedimento: contribuições ao debate sobre transformação social. In: DILGER, Gerhard; LANG, Miriam; PEREIRA FILHO, Jorge (org.). Descolonizar o imaginário: debates sobre pós extrativismo e alternativas ao desenvolvimento. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, 2016.
  18. MATOS, Andityas Soares de Moura Costa. Representação política contra democracia radical: uma arqueologia (a)teológica do poder separado. 2. ed. Belo Horizonte: Fino Traço, 2020.
  19. MAYER, Joviano Gabriel Maia. Ativismo cartográfico, autogestão e o comum urbano. Interfaces. Revista de Extensão da UFMG, pp. 331–374, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/20368. Acesso em: 22 ago. 2022.
  20. MAYER, Joviano Gabriel Maia. O comum no horizonte da metrópole biopolítica. 2015. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal de Minas Gerais, 2015. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/MMMD-A7TP7N/1/dissertacao_joviano.pdf. Acesso em: 14 jun. 2021.
  21. MIGLIANO, M. Praia da estação como ação política, Texto apresentado no Corpocidade 3, Salvador, UFBA, maio 2012.
  22. NASCIMENTO, Denise Morado. As políticas habitacionais e as ocupações urbanas: dissenso na sociedade. Cad. Metrop., v. 18, n. 35, pp. 145-164, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cm/a/J9Ky7XMyxZnkFNTzTVTVQNx/?format=pdf&lang=pt. Acesso em 31 jan. 2022.
  23. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS, ONU-Habitat Brasil reúne desafios e conquistas de 2020 em relatório anual. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/137253-onu-habitat-brasil-reune-desafios-e-conquistas-de-2020-em-relatorio-anual. Acesso em 22 mar. 2022.
  24. PELBART, P. P. Vida capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2011.
  25. PESAVENTO, S. J. Memória, história e cidade: lugares no tempo, momentos no espaço. ArtCultura, vol. 4, n. 4, 2002.
  26. POGREBINSCHI, Thamy. Liberdade + igualdade = emancipação. In: BELLO, Enzo; LIMA, Martônio Mont Alverne Barreto (Orgs). Direito e marxismo. São Paulo: Lumen Juris, pp. 169 -189, 2009.
  27. PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Decreto N.º 13.961 de 04 de Maio de 2010. 2010. Diário Oficial do Município. Disponível em: http://portal6.pbh.gov.br/dom/iniciaEdicao.do?method=DetalheArtigo&pk=1050019. Acesso em 19 abr. 2022.
  28. RAPOSO, P. “Artivismo”: articulando dissidências, criando insurgências. Cadernos de Arte e Antropologia, v. 4, n. 2, 2015. Disponível em: http://journals.openedition.org/cadernosaa/909. Acesso em: 12 abr. 2021.
  29. RODRIGUES, Léo. Movimentos de ocupação do espaço público fizeram ressurgir blocos de rua de BH. Agência Brasil. 11 fev. 2017. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/cultura/noticia/2017-02/movimentos-de-ocupacao-do-espaco-publico-fizeram-ressurgir-blocos-de-rua-de. Acesso em: 22 ago. 2022.
  30. SALLES, C. A. Criação em processo: Ignácio de Loyola Brandão e Não verás país nenhum. 1990. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem).
  31. SCHERER-WARREN, Ilse. Manifestações de rua no Brasil 2013: encontros e desencontros na política. Caderno CRH, v. 27, n. 71, pp. 417-429, mai./ago. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ccrh/a/Gms8JdT866XVMzqKLHYJSrB/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 03 mai. 2022.
  32. TONUCCI FILHO, João B. M. Do direito à cidade ao comum urbano: contribuições para uma abordagem lefebvriana. Revista Direito e Práxis, v. 11, n. 1, pp. 370-404, 2020. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaceaju/article/view/48273/32637. Acesso em: 22 ago. 2022.
  33. TOSTA, Sandra Pereira. Ocupação Espaço Comum Luiz Estrela: culturas e sociabilidades na cidade de Belo Horizonte MG – Brasil. [S.d.]. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/e12b/d5c6b3bd2261856ec17e4b677383032975aa.pdf. Acesso em: 22 ago. 2022.