v. 3 n. 1 (2022): Dossiê - Da crítica ao dispositivo da propriedade à aposta no comum: corpos, colonialidades, mundos (jan/jun 2022)
Dossiê especial

Pensare la vita come ciò di cui non si dà mai proprietà: Agamben e a propriedade privada

Daniel Arruda Nascimento
Universidade Federal Fluminense, Niterói, Brasil
Biografia

Publicado 06-09-2022

Palavras-chave

  • Giorgio Agamben,
  • direito de propriedade,
  • propriedade privada

Como Citar

NASCIMENTO, D. A. Pensare la vita come ciò di cui non si dà mai proprietà: Agamben e a propriedade privada. (Des)troços: revista de pensamento radical, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 38–49, 2022. DOI: 10.53981/destroos.v3i1.40159. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadestrocos/article/view/40159. Acesso em: 13 jul. 2024.

Resumo

Retornamos ao texto que se segue ao Altissima povertà: regole monastiche e forma di vita de Giorgio Agamben para nos indagar se estaria o filósofo italiano escrevendo contra a propriedade privada e se o seu livro pode ser lido como um manifesto contra o direito de propriedade. Ao contrário de outros temas que se repetem com frequência durante o intercurso da obra do filósofo romano, esse quase não aparece e tem um posto bem localizado. A sua articulada argumentação em benefício de uma vida fora do direito seria uma afronta direta ou indireta ao uso particular e exclusivo dos bens que estão à disposição da humanidade? É muito provável que os estilhaços do tempo messiânico aos quais se refere Walter Benjamin, cacos que indicam os sentidos das portas estreitas por onde pode passar a salvação messiânica que prescinde de futuro e de messias, atinjam o direito de propriedade. Os recursos a aplicar contra uma realidade supostamente improfanável estão à nossa disposição, ao menos à disposição da filosofia crítica que ainda vem ou da filosofia radical que já se encontra em estado de latência?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  1. AGAMBEN, Giorgio. A Europa precisa colapsar: entrevista com Giorgio Agamben, por Iris Radisch (Die Zeit). Trad. Marcelo Hanser Saraiva e rev. Oswaldo Giacoia Junior. Revista Profanações, a. 3, n. 1, pp. 238-248, jan./jun. 2016.
  2. AGAMBEN, Giorgio. Altissima povertà: regole monastiche e forma di vita. Vicenza: Neri Pozza, 2011.
  3. AGAMBEN, Giorgio. Giorgio Agamben, intervista a Peppe Savà: amo Scicli e Guccione, Ragusa News, Ragusa, 16 de agosto de 2012. Disponível em: http://www.ragusanews.com. Acesso em 04 dez. 2012.
  4. AGAMBEN, Giorgio. L’uso dei corpi. Vicenza: Neri Pozza, 2014.
  5. AGAMBEN, Giorgio. Profanazioni. Roma: Nottetempo, 2005.
  6. AGAMBEN, Giorgio. Se la feroce religione del denaro divora il futuro. La Repubblica, Roma, 16 de fevereiro de 2012. Disponível em: http://www.repubblica.it. Acesso em: 18 fev. 2012.
  7. ARISTÓFANES. As aves. Trad. Medina Rodrigues e adap. Anna Flora. São Paulo: Editora 34, 2001.
  8. ARISTÓFANES. Pluto ou um Deus chamado dinheiro. Trad. e adap. Anna Flora. São Paulo: Editora 34, 2013.
  9. BENJAMIN, Walter. O capitalismo como religião. Org. Michael Löwy e trad. Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2013.
  10. FRANCISCO DE ASSIS. Escritos e biografias de São Francisco de Assis: crônicas e outros testemunhos do primeiro século franciscano. Petrópolis: Vozes, 2000.
  11. FROMM, Erich. A arte de amar. Trad. Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2015.
  12. FROMM, Erich. Ter ou ser?. Trad. Nathanael C. Caixeiro. Rio de Janeiro: LTC, 2014.
  13. GOMES, Ana Suelen Tossige. O direito no estado de exceção efetivo. Belo Horizonte: D’Plácido, 2017.
  14. KOSER, Constantino. O pensamento franciscano, Petrópolis: Vozes, 1999.
  15. MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. Trad. Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo, 2010.
  16. NASCIMENTO, Daniel Arruda. Umbrais de Giorgio Agamben: para onde nos conduz o homo sacer?. São Paulo: LiberArs, 2014.