v. 3 n. 1 (2022): Dossiê - Da crítica ao dispositivo da propriedade à aposta no comum: corpos, colonialidades, mundos (jan/jun 2022)
Dossiê especial

Belo Monte, Canudos ou a "comunidade que vem" em estado fenomênico

Thaísa Maria Rocha Lemos
Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Brasil
Biografia

Publicado 06-09-2022

Palavras-chave

  • Canudos,
  • comunidade,
  • comum,
  • identidade,
  • propriedade

Como Citar

LEMOS, T. M. R. Belo Monte, Canudos ou a "comunidade que vem" em estado fenomênico. (Des)troços: revista de pensamento radical, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 111–124, 2022. DOI: 10.53981/destroos.v3i1.40245. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistadestrocos/article/view/40245. Acesso em: 16 jun. 2024.

Resumo

A propriedade, enquanto um dispositivo, possui a capacidade de interceptar e modelar subjetividades, de modo a constituir viventes amuralhados em si mesmos em identidades petrificadas e oposicionais que refreiam o irromper do comum. Por esse motivo, ciente da premissa benjaminiana de que a rememoração do passado serve a sua presentificação, objetivo neste artigo analisar a experiência do Arraial de Canudos (1893-1897), no qual diversas singularidades se reuniram na experiência comunitária – no sentido pregnante da palavra – de Belo Monte. Esse movimento é feito tendo em vista o meu entendimento de que ali se deu uma desativação do dispositivo proprietário que captura nossa humanidade comum, a recodificando em identidades jurídico-sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  1. AGAMBEN, Giorgio. A comunidade que vem. Trad. Claúdio Oliveira. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.
  2. AGAMBEN, Giorgio. A potência do pensamento: ensaios e conferências. Trad. António Guerreiro. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.
  3. AGAMBEN, Giorgio. Meios sem fim: notas sobre a política. Trad. Davi Pessoa. Belo Horizonte: Autêntica, 2015b.
  4. AGAMBEN, Giorgio. O tempo que resta: um comentário à Carta aos Romanos.Trad. Davi Pessoa; Claúdio Oliveira. Belo Horizonte: Autêntica, 2016. [E-book].
  5. AGAMBEN, Giorgio. O uso dos corpos. Trad. Selvino Assmann. São Paulo: Boitempo, 2017.
  6. AGAMBEN, Giorgio. Profanações. Trad. Selvino Assmann. São Paulo: Boitempo, 2005a.
  7. ARINOS, Afonso. Os jagunços. São Paulo: Jornal O comércio de São Paulo, 1898.
  8. BARBOSA, Jonnefer F. Giorgio Agamben e a filosofia da comunidade negativa. In: Princípios Revista de Filosofia, , n. 32, pp. 229-251, jul./dez. 2012.
  9. BENJAMIN, Walter. O anjo da história. Trad. João Barrento. São Paulo: Autêntica, 2012.
  10. BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão. Trad. João Barrento. São Paulo: Autêntica, 2013.
  11. BENJAMIN, Walter. Para uma crítica da violência. In: BENJAMIN, Walter. Escritos sobre mito e linguagem (1915-1921). Trad. Sasana Lages eErnani Chaves. São Paulo: Ed. 34, 2011.
  12. BLANCHOT, Maurice. A comunidade inconfessável. Trad. Eclair Almeida Filho. Brasília: Ed. UNB; São Paulo: Ed. Lumme, 2013.
  13. BRANDÃO, Marcelo. Em novo projeto, Suassuna conta histórias sobre Brasil esquecido. Agência Brasil. 06 jul. 2013. Disponível em: https://memoria.ebc.com.br/agenciabrasil/noticia/2013-07-06/em-novo-projeto-suassuna-conta-historias-sobre-brasil-esquecido. Acesso em: 04 ago. 2020.
  14. CALASANS, José. Cartografia de Canudos. Salvador: Secretaria de Cultura e Turismo, Conselho Estadual de Cultura, EGBA, 1997.
  15. CASTRO, Edgardo. Introdução a Giorgio Agamben: uma arqueologia da potência. Trad. Beatriz Magalhães. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.
  16. CONSELHEIRO, Antônio. Apontamentos dos Preceitos da Divina Lei de Nosso Senhor Jesus Cristo, para a Salvação dos Homens. 1985. In: VASCONCELOS, Pedro Lima (org.). Antônio Conselheiro por ele mesmo. São Paulo: Ed. É Realizações, 2017.
  17. COSTA, VANDERLEI MARINHO. De medos e esperanças: uma história das crenças apocalípticas, messiânicas e milenaristas no contexto do movimento de belo monte (1874­1902). Dissertação (mestrado em História), Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2008.
  18. DURANTAYE, Leland de la. Giorgio Agamben: a critical introduction. Palo Alto: Stanford University Press, 2009.
  19. ESPOSITO, Roberto. Communitas: origen y destino de la comunidad. Trad. Carlo Marotto. Bueno Aires: Amorrortu, 2003.
  20. FACÓ, Rui. Cangaceiros e fanáticos: gênese e lutas. Rio de Janeiro: Ed. Civilização brasileira, 1976.
  21. FANON, Frantz. Peles negras, máscaras brancas. Trad. Renato da Silveira. Salvador: Ed. UFBA, 2008.
  22. GALEANO, Eduardo. Nosotros decimos no. Madrid: Siglo XXI Editores, 2006.
  23. GALVÃO, Walnice. No calor da hora: a Guerra de Canudos nos jornais. Recife: Ed. Cepe, 2019. Versão Kindle.
  24. LÖWY, Michael. Walter Benjamin: Aviso de Incêndio – uma leitura das teses “Sobre o conceito de História”. São Paulo: Boitempo, 2005.
  25. MARTINS, Paulo. Canudos: organização, poder e o processo de institucionalização de um modelo de governança comunitária. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, n. 4, pp. 1-16, 2007.
  26. MBEMBE, Achille. Necropolítica. Trad. Renata Santini. São Paulo: N-1, 2018.
  27. NANCY, Jean-Luc. The inoperative community. Trad. Peter Connor et. al.. Minneapolis-EUA: Minnesota University, 1991.
  28. OTTEN, Alexandre. Só Deus é grande: interpretação histórico-teológica da figura e do movimento de Antônio Conselheiro. In: Rev. Perspectiva Teológica, n. 21, pp. 9-50, 1989.
  29. PROZOROV, Sergei. Agamben and politics. Ediburgo: Ed. Edimburgh University, 2014.
  30. RESSINK, Edwin B. Till the end of time: the differential attraction of a ‘regime of salvation’ and the ‘entheotopia’ of Canudos. Journal of Millennial Studies, n. 2, v. 2, 2000. Disponível em: http://www.bu.edu/mille/publications/ winter2000/winter2000.html-ree- sink. Acesso em: 05 ago. 2020.
  31. RODRIGUES, Nina. As coletividades anormais. Brasília: Edições do Senado Federal, 2006.
  32. SUASSUNA, Ariano. Canudos, nós e o mundo. Jornal Folha de São Paulo. Opinião. São Paulo, 01 deze. 1999. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz0712199907.htm. Aesso em: 04 ago. 2020.
  33. SUASSUNA, Ariano. Discurso de posse na Academia Brasileira de Letras. 09 ago. 1990. Disponível em: https://www.academia.org.br/academicos/ariano-suassuna/discurso-de-posse. Acesso em: 04 ago. 2020.
  34. TIQQUN. Isto não é um programa. Trad. Daniel Lühmann. São Paulo: Aurora, 2014.
  35. VERGER, Pierre. Fluxo e refluxo do tráfico de escravos entre o Golfo do Benin e a Bahia de Todos os Santos: dos séculos XVII a XIX. Trad. Tassl Gadzanis. Salvador: Corrupio, 2002.