PROMOVENDO A SAÚDE DA CRIANÇA HOSPITALIZADA E DO SEU FAMILIAR POR MEIO DA MÚSICA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.35699/2318-2326.2021.19904

Palavras-chave:

Promoção da Saúde, Saúde da criança, Hospitalização, Música, Enfermagem

Resumo

O presente trabalho tem o objetivo de compartilhar a experiência da utilização da música para a promoção da saúde de crianças hospitalizadas e de seus familiares. Trata-se de um relato de experiência acerca das atividades promovidas por um programa de extensão da Universidade Federal da Fronteira SUL - UFFS, com ações musicais semanais em um hospital público. O projeto contou com a participação de seis acadêmicos e dois docentes do curso de Enfermagem. A realização das intervenções musicais no hospital evidenciou que a música desperta nas crianças e em seus familiares sorrisos, abraços e emoções. As intervenções possibilitam, por alguns instantes, o esquecimento a respeito da dor, do medo, da espera e da incerteza em relação ao futuro, promovendo a saúde da criança hospitalizada e de seu familiar, sendo um caminho para a Enfermagem e demais profissionais da área da saúde seguirem em direção a um cuidado mais humanizado e holístico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jeane Barros de Souza, Universidade Federal da Fronteira Sul

Enfermeira. Docente de Enfermagem.

Juliana Praxedes Campagnoni, Universidade Federal de Santa Catarina

Enfermeira. Mestranda de Enfermagem.

Emanuelly Luize Martins, Universidade Federal da Santa Catarina

Enfermeira. Mestranda em enfermagem.

Ricardo Demeneck Reinaldo, Universidade Federal da Fronteira Sul

Discente de Enfermagem

Luana Reis, Universidade Federal da Fronteira Sul

Discente de Enfermagem

Tatiana Xirello, Universidade Federal da Fronteira Sul

Enfermeira

Referências

Areias, J. C. (2016). A música, a saúde e o bem-estar. Nascer e Crescer; 25(1), 7–10. http://www.scielo.mec.pt/scielo.phpscript=sci_arttext&pid=S087207542016000100001&lng=pt&nrm=iso.

Badran, A. V. (2007). Estudo da contaminação microbiana em aventais privativos e não privativos na UTI - Pediátrica do Hospital Central da Santa Casa de São Paulo. Arquivos Médicos dos Hospitais e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo; 53(3),77–80. file:///C:/Users/Especial/Downloads/444-858-1-SM.pdf.

Carvalho, M. J. L, & Cruz, H. (2015). Promoção de autonomia em crianças e jovens em acolhimento em instituição. https://run.unl.pt/bitstream/10362/36520/1/Brochura_Autonomia_Final_28_05.1.pdf.

Coyne, I. (2007). Children’s experiences of hospitalization. Journal of Children

Health Care; 10(4), 326–336. file:///C:/Users/Especial/Downloads/JCHC20Children39s20experiences20of20hospitalisation.pdf.

Cunha, L. G. H., & Oliveira, M. C. (2016). Política de saúde para adolescentes na perspectiva dos direitos humanos: reflexões a partir de um hospital de trauma. XII Congresso nacional demandas sociais e políticas públicas na sociedade contemporânea;1–27. file:///C:/Users/Especial/Downloads/14759-11748-1-PB.pdf.

Dias, L. P., & Dias, M. P. (2019). Florence Nightingale e a História da Enfermagem. História da Enfermagem Revista Eletrônica – HERE; 10(2), 47-63. http://here.abennacional.org.br/here/v10/n2/a4.pdf

Gomes, G. L. L, & Nóbrega, M. M. L. (2015). Anxiety in children following hospitalization: a proposal for a nursing diagnosis. RLAE; 23(5), 963–970. http://www.scielo.br/pdf/rlae/v23n5/0104-1169-rlae-23-05-00963.pdf.

Motta, A. B., Perosa, G. B., Barros, L., Silveira, K. A., Lima, A. S. S., Carnier, L. E.,Hostert, P. C. C. P, & Caprini, F. R. (2015). Comportamentos de coping no contexto da hospitalização infantil. Estudos de Psicologia; 32(2), 331–341. https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/127302/S0103-166X2015000200331.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Negreiros, R. V., Furtado, I. S., Vasconcelos, C. R. P., Souza, L. S. B., Vilar, M. M. G., Alves, R. F. (2017). A importância do apoio familiar para efetividade no tratamento do câncer infantil: uma vivência hospitalar. Revista Saúde e Ciência Online; 6(1), 57–6 http://www.ufcg.edu.br/revistasaudeeciencia/index.php/RSC-UFCG/article/view/464/290

Neutzling, B. R. S., Barlem, J. G. T., Barlem, E. L. D., Hirsch, C. D., Pereira, L. A., &Schallenberguer C. D. (2017). Em defesa dos direitos da criança no ambiente hospitalar: o exercício da advocacia em saúde pelos enfermeiros. EEAN; 21(1),1–9. http://www.redalyc.org/pdf/1277/127749356025.pdf.

Nogueira, I. L. S. (2015). A importância do ambiente físico hospitalar no tratamento terapêutico do paciente hospitalizado. IPOG - Rev Especialize On-line; 1(10), 1–15. http://businesstur.com.br/uploads/arquivos/e8ca8e183209c7041ef5bb-80fac481cf.pdf.

Oliveira, W. F. (2016). O núcleo de humanização, arte e saúde: uma experiência coletiva de produção social de saúde. CBSM; 8(18), 198–211. http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/cbsm/article/viewFile/4224/4632

Paiano, L. A. G, & Fernandes, L. M. (2015). Uso de intervenção musical em pacientes internados em unidade de terapia intensiva: estudo piloto. REUFSM; 4(4), 813–824. https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/13015

Perkins, R. S., Boyce, M., Byrtek, M. C., Ellis, R. C., Hill. C., & Fitzpatrick, P. S. (2018). Demirel S. Roadmap to wellness: Exploring live customized Music at the bedside for hospitalized children. Frontiers in Oncology; 8, 1-6. https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fonc.2018.00021/full

Pinto, M. B., Andrade, L. D. F., Medeiros, A. P. G., Santos, G. L. O., Queiroz, R., & Jales, R. D. (2015). Atividade lúdica e sua importância na hospitalização infantil: uma revisão integrativa. Revista Universidade Vale do Rio Verde; 13(2), 298–312. http://periodicos.unincor.br/index.php/revistaunincor/article/view/2292/pdf_378

Rocha, E. P. (2016). Produção e validação de tecnologia educacional para familiares de crianças com leucemia linfocítica aguda em isolamento protetor [Dissertação, Universidade Federal do Amazonas, Manaus]. http://200.129.163.131:8080/bitstream/tede/5683/5/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20-%20Ellen%20Pessoa%20Rocha.pdf

Santana, D. S. T., Zanini, C. R. O., Sousa, A. L. L. (2014). Efeitos da música e da musicoterapia na pressão arterial: uma revisão de literatura. Revista InCantare; 5(5), 37–57. http://periodicos.unespar.edu.br/index.php/incantare/article/view/261.

Silva, A. A., Terra, M. G., Gonçalves, M. O., & Souto, V. T. (2014). O Cuidado de si entre profissionais de Enfermagem: revisão das dissertações e teses brasileiras. RBCS; 18(4), 346–352. file:///C:/Users/Especial/Downloads/15263-55331-1-PB.pdf.

Silva, G. H., Piovesan, J. C. (2018). Música no ambiente hospitalar: uma possibilidade de proporcionar alegria e ludicidade na internação. Rev. Vivências; 14(26), 204–219. http://www.reitoria.uri.br/~vivencias/Numero_026/artigos/pdf/Artigo_17.pdf.

Weigsding, J. A., & Barbosa, C. P. (2014). A influência da música no comportamento humano. Arquivos do Mudi; 18(2), 47–62. http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/ArqMudi/article/viewFile/25137/pdf_5.

Xavier, D. M., Gomes, G. C, & Salvador, M. S. (2014). O familiar cuidador durante a hospitalização da criança: convivendo com normas e rotinas. Esc Anna Nery, 18(1), 66-74. https://www.scielo.br/pdf/ean/v18n1/1414-8145-ean-18-01-0068.pdf

Zanatta, A. B., & Lucca S. R. (2015). Prevalência da síndrome de burnout em profissionais da saúde de um hospital oncohematológico infantil. Revista da Escola de Enfermagem – USP; 49(2), 253–260. http://www.redalyc.org/pdf/3610/361038470010.pdf.

Publicado

2021-07-14

Como Citar

SOUZA, J. B. de .; CAMPAGNONI, J. P.; MARTINS, E. L.; REINALDO, R. D.; REIS, L.; XIRELLO, T. PROMOVENDO A SAÚDE DA CRIANÇA HOSPITALIZADA E DO SEU FAMILIAR POR MEIO DA MÚSICA. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 60–85, 2021. DOI: 10.35699/2318-2326.2021.19904. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/19904. Acesso em: 24 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos