UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO DE PROGRAMAÇÃO E ROBÓTICA PARA ALUNAS DO ENSINO BÁSICO COMO ESTRATÉGIA DE AÇÃO AFIRMATIVA

Autores

  • Nádia Luize de Almeida Alexandrino Instituto Federal de Minas Gerais - Sabará
  • Carlos Alexandre Silva Instituto Federal de Minas Gerais - Sabará
  • Daniel Bruno Fernandes Conrado Instituto Federal de Minas Gerais - Sabará
  • Cristiane Norbiato Targa Instituto Federal de Minas Gerais - Sabará

Palavras-chave:

Meninas, Programação, Tecnologia, Escolas públicas

Resumo

Evidências atuais apontam que, desde a infância, meninas são submetidas costumeiramente a comentários e brincadeiras que projetam tarefas domésticas, em vez de trabalharem o raciocínio lógico e o pensamento computacional, resultando em uma lacuna de gênero acentuada nos campos de ciência e tecnologia. Considerando esses fatores, o projeto de extensão Programa Sabará for Women (PS4W), atua na missão de disseminar e estimular o desenvolvimento do pensamento computacional de meninas das escolas públicas da cidade mineira de Sabará. Para isso, foram lecionados conteúdos de robótica e programação de computadores, orientados por meninas e mulheres que participam na equipe do projeto. Em seu primeiro ano, o PS4W representou uma grande experiência, tanto para as instrutoras quanto para as alunas, as quais relataram possuir um interesse maior nas áreas de tecnologia ao fim do curso. Além disso, promoveu a formatura de mais de 80 alunas da rede pública de ensino da cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Armoni, M.; Gal-Ezer, J. (2014) High school computer science education paves the way for higher education: the Israeli case. Computer Science Education, Phi ladelphia, 24(2-3), 101 122. Disponível em:: https://doi.org/10.1080/08993408.2014.936655.

Canedo, E. D.; Bonifácio, R.; Okimoto, M. V.; Serebrenik, A.; Pinto, G.; Monteiro, E. (2020). Work Practices and Perceptions from Women Core Developers in OSS Communities. Disponível em: https://arxiv.org/abs/2007.13891v1.

Castro, A. (2017). O uso da programação Scratch para o desenvolvimento de ha bilidades em crianças do ensino fundamental. Disponível em: http://repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/2462/1/PG_PPGECT_M_Castro%2C%20Adria ne%20de_2017.pdf.

G.-Holgado, A.; Díaz, C. A.; G.-Peñalvo, J. F. (2020). Engaging women into STEM in Latin America: W-STEM project. Proceedings of the Seventh International Confe rence on Technological Ecosystems for Enhancing Multiculturality. Association for Computing Machinery, 232-239.

Garlet, D.; Bigolin, N. M.; Silveira, S. R. (2016). Uma Proposta para o Ensino de Programação de Computadores na Educação Básica. Disponível em: http://re positorio.ufsm.br/handle/1/12961.

Geraldes, B. W. (2014). Programar é bom para as crianças? Uma visão crítica so bre o ensino de programação nas escolas. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, 7(2), 105-117.Disponível em: http://dx.doi.org/10.17851/1983-3652.7.2.105-117.

Gottfried, M. A.; Williams, D. N. (2013). STEM club participation and STEM schoo ling outcomes. Education Policy Analysis Archives, Tampa, 21(79) 1-27. Disponível em: https://doi.org/10.14507/epaa.v21n79.2013.

Hirata, H.; Kergoat, D. (2007). Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de Pesquisa [online], 37(132), 595-609. ISSN 0100-1574. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0100-15742007000300005.

Legewie, J.; Diprete, T. (2014). The high school environment and the gender gap in science and engineering. Sociology of Education, Thousand Oaks, 87(4), 259-280.Disponível em: https://doi.org/10.1177/0038040714547770.

Lima, P. M. (2013). As mulheres na Ciência da Computação. Revista Estudos Fe ministas, 21( 3), 793-816.

Love, D. (2014). A Conversation With Linus Torvalds, Who Built The World’s Most Robust Operating System And Gave It Away For Free. Jun. 7, 2014. Disponível em: https://www.businessinsider.com.au/linus-torvalds-qa-2014-6.

Marques, B. A.; Pinheiro, M. V.; Alencar, I. A.; Branco, C. K.; Alves, R.; Mendes. E. M. (2019). Unindo pesquisa e extensão para fortalecer a participação feminina em cursos de Computação de uma universidade: Projeto Meninas Digitais do Vale.

Women in Information Technology (WIT), 13, 2019, Belém, Porto Alegre: Socie dade Brasileira de Computação, 31-40. Disponível em: https://doi.org/10.5753/wit.2019.6710.

Moura Júnior, P. J.; Helal, D. H. (2014). Profissionais e profissionalização em Tecno logia da Informação: indicativos de controvérsias e conflitos”. Cadernos EBAPE.BR 12(2). Disponível em: https://doi.org/10.1590/1679-39519889.

Oliveira, E. R. B.; Unbehaum, S.; Gava, T. (2019).A Educação STEM e Gênero: Uma Contribuição para o Debate Brasileiro. Cadernos de Pesquisa, 49(171), 130-159. Disponível em: https://doi.org/10.1590/198053145644.

Pocrifka, D. H.; Santos, T. W. (2009). Linguagem LOGO e a construção do co nhecimento. IX Congresso Nacional de Educação - EDUCERE - III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/ar quivo/pdf2009/2980_1303.pdf.

Rashid, A. T. (2016). Digital Inclusion and Social Inequality: Gender Differences in ICT Access and Use in Five Developing Countries. Gender, Technology and Develop ment. 20(3), 306-332. Disponível em: https://doi.org/10.1177/0971852416660651.

Seabra, D. R.; Drummond, N. I.; Gomes, C. F. (2018). Análise comparativa de linguagens de programação a partir de problemas clássicos da computação. Revista de Sistemas e Computação, 8(1), 56-76. Disponível em: https://revistas.unifacs.br/index.php/rsc/article/view/5133.

Toledo, B. F. P.; Albuquerque, A. F. R.; Magalhães, R. A. (2012). O Comportamento da Geração Z e a Influência nas Atitudes dos Professores. Simpósio de Exce lência em Gestão e Tecnologia. Disponível em: https://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos12/38516548.pdf.

Publicado

2022-07-30

Como Citar

ALEXANDRINO, N. L. de A.; SILVA, C. A.; CONRADO, D. B. F.; TARGA, C. N. UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO DE PROGRAMAÇÃO E ROBÓTICA PARA ALUNAS DO ENSINO BÁSICO COMO ESTRATÉGIA DE AÇÃO AFIRMATIVA. Interfaces - Revista de Extensão da UFMG, [S. l.], v. 10, n. 1, 2022. Disponível em: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistainterfaces/article/view/23999. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos